Início / Artigos / Paquistão: Prisão e tortura brutal de companheiros da PTUDC

Paquistão: Prisão e tortura brutal de companheiros da PTUDC

Dois companheiros da PTUDC foram ilegalmente presos enquanto distribuíam panfletos na porta da fábrica Pakistan Steel em Karachi. Eles foram agredidos e submetidos a torturas realizadas por seguranças e ainda estão detidos numa delegacia.

A PTUDC exige que eles sejam soltos e pede solidariedade aos trabalhadores ao redor do mundo.

Hoje, 22 de Junho, às 7h da manhã, os companheiros R. B. Chandiyo e Paul John, da PTUDC [da sigla em inglês: Campanha em Defesa das Organizações Sindicais do Paquistão] estavam distribuindo panfletos aos funcionários da Pakistan Steel, maior complexo produtor de aço do Paquistão, localizado na cidade de Karachi. Os panfletos pediam a regularização dos empregados que trabalham há 20 anos recebendo pagamento por dias de trabalho. As reivindicações também incluíam o fim do processo de privatização da Pakistan Steel.

Quando os militantes chegaram à junção T (portão principal da fábrica), os seguranças, apesar de não serem autorizados por lei, efetuaram a prisão. Eles foram levados ao escritório da segurança e submetidos a tratamento violento e tortura brutal. Depois de mantê-los na sala durante 4 horas, eles foram entregues a policiais da delegacia Bin Qasin, onde ainda estão detidos, sem alojamento e sem nenhuma acusação.

Mesmo durante a ditadura de Musharraf, ataques como esse, contra trabalhadores lutando pela causa do proletariado, nunca aconteceram. Agora, os líderes da ala conservadora do PPP (Partido Popular do Paquistão, atualmente no poder) lançam uma campanha de opressão contra os revolucionários da PTUDC, que também são membros do PPP.

Nós exigimos a libertação imediata dos manifestantes que foram presos, bem como o fim da opressão brutal dos manifestantes. Apelamos à solidariedade da classe trabalhadora do mundo todo para a soltura desses camaradas.

Segunda-Feira, 22/06/2009.

Deixe seu comentário

Leia também...

Argentina: nossa posição diante das eleições primárias abertas

Atualmente, nós da classe trabalhadora, estudantes e camponeses vivemos uma forte investida da direita em …

Deixe uma resposta