Início / Artigos / Outras Análises | Ver Mais / Geral / Os atentados em Santa Catarina e o problema da Segurança Pública

Os atentados em Santa Catarina e o problema da Segurança Pública

As ondas de ‘atentados’ em Santa Catarina que somam 97 casos de protestos com queimas de ônibus, carros e incêndios trazem à tona o debate da segurança pública em todo estado. O governo estadual fingiu-se desentendido e afirmava que os ataques violentos não teriam ligação com os presídios e a situação calamitosa do sistema prisional catarinense.

As ondas de ‘atentados’ em Santa Catarina que somam 97 casos de protestos com queimas de ônibus, carros e incêndios trazem à tona o debate da segurança pública em todo estado. O governo estadual fingiu-se desentendido e afirmava que os ataques violentos não teriam ligação com os presídios e a situação calamitosa do sistema prisional catarinense.

As reproduções em redes sociais e as denúncias promovidas por ‘agentes secretos’ dos presídios escancararam a violência aplicada aos detentos das sedes prisionais superlotadas. Os abusos das autoridades presidiárias revelaram cenas de torturas físicas em demonstração rasa do regime criminal desenvolvido pelo aparato repressivo do estado. A população catarinense, refém deste jogo criminoso, acabou sendo diariamente prejudicada com as reduções dos horários de ônibus, pois os governos municipais prontamente atenderam ao ‘pedido luxuoso’ das empresas que exploram o serviço de transporte público e reclamam prejuízos por conta dos atentados.

Com a política de terror instalada, embora o governo estadual tenha declarado nacionalmente que a situação estaria sobre controle e não haveria necessidade de intervenção federal, as forças nacionais se adiantam e criam medidas ofensivas para frear os ataques em ações de ‘sigilo’ prevendo as transferências dos líderes do dito PGC (Primeiro Grupo Catarinense) para o sistema penitenciário federal. Os Conselhos de Segurança (CONSEG) motivam reuniões nas comunidades para cobrar o fortalecimento das forças repressivas e ‘promover segurança pública’.

Porém, o caos instaurado, embora retrate uma janela muito comprimida da situação atual do sistema prisional do país, revela a face do verdadeiro criminoso, aliás, bem diferente da imagem de ‘delinquente’ historicamente construída pela criminologia positivista que domina o sistema penal brasileiro. Afinal, a massa carcerária da letal política criminal, profundamente seletiva e classista, legitima a sustentação do sistema capitalista. E sob a égide do capitalismo e seus instrumentos de repressão, não há como sustentar qualquer política de segurança pública em favor da população, tampouco promover programas efetivos de prevenção à violência sem considerar o fator classe como alvo determinante.  

A legitimação de políticas criminais mais repressivas serve para consolidar a intencional separação da sociedade em dois grupos bem definidos: os “bons” e os “maus” que devem ser separados dos primeiros em nome da ‘paz social’. Evidentemente, tal separação é sustentada pelo antagonismo de classes próprio do sistema capitalista. A ideologia burguesa promove a ilusão da defesa social legitimando a aplicação do poder punitivo por parte do Estado com a finalidade de “proteger” a sociedade do crime.   Entretanto, o avanço da violência através do crime organizado revela que a tradicional ideologia legitimadora da pena (reeducação) é uma farsa. Não há nada de novo nesta afirmação, porém, ela invoca a necessidade de relacionar os sistemas punitivos concretos às exigências próprias do modo de produção capitalista. Nesta ótica, com o caos estabelecido, avançam as discussões de privatização do sistema penal e do trabalho nos presídios.

Os meios de comunicação, utilizados como instrumentos do sistema, intensificam a ideologia burguesa impregnada, motivam o poderio repressor do estado e invocam medidas de violência extrema como a pena de morte, a redução da idade penal, o toque de recolher, etc. O capitalismo instrumentalizou o sistema penal e necessita dele para conter o exército de trabalhadores obrigados a vender a força de trabalho sob condições cada vez mais precárias, pois na sociedade capitalista, o sistema penitenciário depende, sobretudo, do desenvolvimento do mercado de trabalho. Para isso, o estado burguês enrijece seus mecanismos de repressão, impulsionando a criminalização de forma cada vez mais ostensiva, visando proteger os interesses dos grandes proprietários do capital.

Em análise, na Crítica do programa de Gotha, Marx denunciou o direito burguês como direito desigual, explicitando como essa igualdade formal encobre a desigualdade substancial existente entre proletários, que são obrigados a vender sua força de trabalho para sobreviver a partir da expropriação dos meios de vida por parte dos capitalistas. O caráter ideológico do direito penal além de não ser igual, nem defender os interesses de todos, não pode apresentar soluções aos problemas de grande envergadura como o da segurança pública ou do aumento da criminalidade. Além disso, o direito penal funciona exatamente para o que deve funcionar. É o braço jurídico/estatal que cumpre sua função de forma exemplar, pois criminaliza a massa de reserva impondo controle absoluto e não dando outra opção além da completa dependência do aparelho de poder estatal.

O capitalismo somente pode manter-se aplicando medidas criminosas de repressão e pouco ‘precisa’ fazer para conter a violência do crime organizado e a superlotação nos presídios do país. A luta por segurança pública não se contenta com a ‘reforma’ de presídios e o reforço no poder repressivo estatal, que inflama os incêndios do crime organizado, desarma a população e instrumentaliza o sistema carcerário para proteger e assegurar os interesses dos capitalistas. O combate ao sistema criminoso que é o capitalismo se dá no campo de guerra da luta de classes, onde o extermínio de trabalhadores ocorre a cada gota de sangue extraída para sustentar o lucro da burguesia capitalista. E as armas da grande massa de trabalhadores é a retomada de seus instrumentos de organização, na luta contra toda forma de violência e exploração que sustenta as estruturas podres do sistema capitalista.

Deixe seu comentário

Leia também...

Nildo Ouriques avalia posição sobre eleição 2018 do 6º Congresso do PSOL

Neste vídeo do companheiro Nildo Ouriques, está expressa a análise que nós da Esquerda Marxista …