Início / Artigos / Brasil / Opinião: sobre as manifestações pela redução das tarifas

Opinião: sobre as manifestações pela redução das tarifas

 

A revolução não é um desenho lógico!

Wanderci Bueno (editor do Blog da Esquerda Marxista)

Daniel Feldmann escreveu as linhas que seguem abaixo e elas foram publicadas em
http://dceuniville.blogspot.com.br/2013/06/texto-do-professor-daniel-feldmann.htmlPor entendermos que elas expressam opiniões que merecem reflexão e analisam resumidamente o que está ocorrendo nas manifestações reproduzimos a opinião de Daniel, certos de que ela ajudará na elaboração dos necessários caminhos para a luta. 

A revolução não é um desenho lógico!

Wanderci Bueno (editor do Blog da Esquerda Marxista)

Daniel Feldmann escreveu as linhas que seguem abaixo e elas foram publicadas em
http://dceuniville.blogspot.com.br/2013/06/texto-do-professor-daniel-feldmann.htmlPor entendermos que elas expressam opiniões que merecem reflexão e analisam resumidamente o que está ocorrendo nas manifestações reproduzimos a opinião de Daniel, certos de que ela ajudará na elaboração dos necessários caminhos para a luta. 

Há certamente setores da direita, da burguesia, a P2, e tudo que imaginarmos metidos no interior do movimento. Mas o que chamou mais a atenção, não foram os saques, em todos os levantes de massas eles ocorrem com maior ou menor intensidade, são os naturais exceços dos processos revolucionários. O que chamou a atenção no dia de ontem foi a violenta manifestação contra militantes organizados em correntes políticas, em partidos, que estiveram presentes na Sé portando bandeiras de suas organizações e foram expulsos a pancadas e gritos de “sem violência”, com se os com partido fossem os promotores da violência e os sem partidos, ou contra ele, os promotores da paz.

A burguesia, que de início saiu mandando descer o pau nos manifestantes, ao perceber o caráter confuso da direção do movimento, está agora estimulando a paz, o nacionalismo, o antipartidarismo: somente verde-amarelo. Como o PT e a CUT ficaram no trono alisando a burguesia, seus partidos aliados, para pretensamente dar sustentação aos governos Lula e depois Dilma, agora, desmoralizados se escondem por detrás de declarações ora à direita ora ao centro, sem que nenhum de seus notáveis dirigentes se dirija diretamente ao movimento e exija nas ruas, do governo, a satisfação das reivindicações. Com a omissão a porta fica aberta para todo tipo de manipulações do movimento e o PT e a CUT se desmoralizam mais e mais.  

Publicamos as notas de Daniel no sentido de que elas levantam pertinentes alertas sobre desvios no interior do movimento, que se não forem corrigidos, poderão ter graves e dramáticos desdobramentos.

Ou a CUT, os sindicatos, as entidades estudantis, o PT, a CMP se colocam nas ruas em apoio sincero ao movimento e exigem o pronto atendimento das reivindicações ou, tanto pela esquerda, como à direita, serão varridos do mapa e o movimento terá que, a duras penas aprender com seus erros e dolorosamente saltar adiante para romper com as manipulações reacionárias nacionalistas e da direita. As direções do PT e da CUT terão enorme responsabilidade nos desdobramentos desse movimento que anuncia, com todas as contradições inerentes, a abertura de um novo tempo, o tempo da revolução. As massas cobrarão suas direções ou por sobre elas passarão! Tudo vai depender de seus atos concretos e não de seus falatórios impotentes e amedrontados que exibiram até agora!

Opinião: sobre as manifestações pela redução das tarifas

Daniel Feldmann

1- Uma coisa é a juventude que está saindo nas ruas, muitos com a bandeira do Brasil, criticando a situação econômica, social e política, assim como os partidos em geral. Isto é legítimo, justo, e sem dúvida um despertar salutar e necessário para a política que tem empolgado e emocionado a maioria do povo. Esperamos que dessa disposição surja um país mais democrático, justo, humano e solidário. A juventude mostrou pode ser protagonista das transformações estruturais e profundas de que precisamos.
 
2- Outra coisa, totalmente distinta, e muitíssimo perigosa, é esse neo-ufanismo que tem sido ressuscitado por mídia, elites, velhos defensores da ditadura , políticos da direita e certos movimentos supostamente “a-partidários “ e que parece uma nova versão do bordão da ditadura “Brasil: ame-o ou deixe-o” . Hoje, em São Paulo, muitos desses que representam tal tendência política ameaçaram e agrediram pessoas, inclusive companheiros meus, que empunhavam bandeiras de partidos e até mesmo , pasmem, ameaçaram e agrediram militantes que portavam bandeiras vermelhas sem qualquer referência a partidos, exigindo em contrapartida que todos levantassem nas manifestações a bandeira do Brasil. 

3- Vamos dar nome aos bois. Não existe coisa mais FASCISTA do que proibir de forma autoritária bandeiras, partidos e movimentos sociais que usam a cor internacionalista vermelha de participar de manifestações, em nome da bandeira nacional!!!!Isto é coisa de Médici, Mussolini, etc…

4- Outra coisa importante: ninguém duvide da existência de provocadores, “P2”, que se infiltrem no movimento promovendo saques, depredações e intimidações…é uma tática velha – desde o fascismo – e que na nossa conjuntura específica serve para jogar lenha num clima já existente em parte da sociedade de higienismo, “rota na rua”, mais repressão, etc 

5- Deixo um apelo do fundo meu coração – vermelho – aos meus amigos, companheiros e alunos que reflitam com seriedade e prestem atenção no que está acontecendo. 
 
Abraço, Daniel

Daniel Feldmann é professor da Fesp e economista.

Deixe seu comentário

Leia também...

Reforma política: Nosso dinheiro para Bolsonaro, iscas para a esquerda e barreira para as organizações de trabalhadores

Michel Temer sancionou na sexta-feira (6/10) a reforma política, que, entre outros absurdos, desvia um …