Início / Artigos / Brasil / O PT, pesquisa Datafolha e as greves

O PT, pesquisa Datafolha e as greves

Apesar de todas as manchetes de jornais e sites destacarem que a nova pesquisa da Data Folha, publicada em 9/5/14, indica um segundo turno com a subida de Aécio Neves acima da margem de erro da pesquisa, o que sacudiu o Pais foram as manifestações e greves.

Apesar de todas as manchetes de jornais e sites destacarem que a nova pesquisa da Data Folha, publicada em 9/5/14, indica um segundo turno com a subida de Aécio Neves acima da margem de erro da pesquisa, o que sacudiu o Pais foram as manifestações e greves. 

Sem querer fazer neste curto artigo um balanço de todas elas, falemos das duas que atingiram as grandes capitais: Rio e São Paulo.

Em São Paulo, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto em três passeatas coordenadas, ocupou as sedes das grandes construtoras e conseguiu uma audiência com Dilma. A principal reivindicação, desapropriação de terrenos invadidos, financiamento e construção de moradias para a população de baixa renda, continuam sem uma resposta clara dos governantes. Fernando Haddad, saindo da audiência, não se comprometeu com a desapropriação de um terreno invadido. O nosso “querido” Ministro da Justiça, respondendo as jornais sobre a onda de manifestações que sacudiu o Pais, declarou que é preciso cuidado para não termos depredações.

Depredações? Ora o MTST conseguiu justamente pichar as três grandes construtoras sem quebrar nada. Surpreendidas com o objetivo, a polícia nada fez e, surpresa, não houve quebra-quebra! Sim, o movimento foi pacífico, ao contrário de outras vezes em que a violência da polícia levou a reação dos manifestantes.

No Rio, uma greve de rodoviários conduzida pela oposição conseguiu paralisar mais de 75% dos rodoviários, segundo balanço da própria prefeitura na noite de ontem. Claro, desta vez, com a tentativa patronal de furar os piquetes, mais de 300 ônibus foram incendiados. Os dirigentes dos sindicatos patronais e dos trabalhadores se declararam surpresos com a greve, já que tinham uma acordo salarial assinado e declararam que era uma “minoria de 300” que fez a greve. Grande minoria. Um militante, postando nas redes sociais, declarou que fez sua própria estatística de greve – olhou pela janela e só viu durante uma hora um ônibus passando. Realmente, a minoria era muito majoritária!

E já temos greves de professores na cidade de São Paulo e prevista para a cidade do Rio. Daí que a Data Folha respondendo aos anseios de “paz social” que Lula garantiu, perguntou quem queria que Lula fosse candidato – mais de 64% de todos os entrevistados e mais de 75% dos que votam no PT. Realmente, o medo é grande e nem a burguesia nem a direção do PT sabe o que fazer.

Os marxistas estão juntos com as greves, juntos com os trabalhadores e a juventude que quer mudar este país, sim, acabando com o capitalismo e construindo o socialismo.

Para entender mais sobre pesquisas e a situação do PT

http://www.marxismo.org.br/content/promessas-de-dilma-e-porque-burguesia-esta-atacando-seu-governo

http://www.marxismo.org.br/content/promessas-de-dilma-e-porque-burguesia-esta-atacando-seu-governo

 

Deixe seu comentário

Leia também...

Reforma política: Nosso dinheiro para Bolsonaro, iscas para a esquerda e barreira para as organizações de trabalhadores

Michel Temer sancionou na sexta-feira (6/10) a reforma política, que, entre outros absurdos, desvia um …