Início / Artigos / O início de uma semana crucial na Venezuela
Foto: CRBZ

O início de uma semana crucial na Venezuela

A oposição venezuelana, apoiada por Washington e Madri, lançou uma ofensiva para impedir que as eleições da Assembleia Constituinte de domingo continuem. Permanecemos firmemente contra essa tentativa reacionária, que só pode ser derrotada por meios revolucionários.

O primeiro ataque dessa ofensiva foi feito pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que prometeu em um comunicado oficial implementar sanções econômicas “fortes e rápidas” contra a Venezuela caso a Assembleia Constituinte continue em frente. Há uma grande discussão nas páginas dos jornais de negócios dos EUA sobre o significado exato dessa ameaça. Se os EUA impusessem sanções à petrolífera venezuelana PDVSA, isso cortaria a principal fonte de entrada de moeda estrangeira que o governo tem. Embora a PDVSA venda petróleo para vários países, a maioria das suas vendas para a China e a Rússia são em forma de pagamento por empréstimos já concedidos, enquanto os EUA são o principal cliente em dinheiro. No entanto, o corte de importações de petróleo da Venezuela teria um impacto no mercado norte-americano. Embora os EUA sempre possam usar suas reservas estratégicas, qualquer interrupção no fornecimento da Venezuela complicaria as coisas para as refinarias norte-americanas, que estão bem ajustadas para usar o petróleo venezuelano extrapesado. Essa interrupção pode levar a um aumento temporário do preço do combustível nos EUA, algo que nenhum presidente americano quer enfrentar. É mais provável que qualquer sanção seria uma continuação da atual política dos EUA (introduzida por Obama) de sanções específicas contra altos funcionários venezuelanos. No entanto, sanções econômicas mais graves não podem ser descartadas em um momento em que a política externa dos EUA na América Latina é conduzida por desenfreados gusanos de Miami e seus representantes no partido republicano. De uma maneira ou de outra, a declaração de Trump é uma ameaça séria e um ato intolerável de agressão imperialista.

Hoje um editorial no jornal espanhol El País, a voz das multinacionais espanholas com interesses cruciais na América Latina, denuncia o “ataque ao sistema democrático” de Maduro e exige que a “comunidade internacional” faça um esforço para “parar esse golpe institucional”. Claro que o jornal El País e o Partido Popular espanhol sabem tudo sobre golpes na Venezuela desde que eles apoiaram o golpe de curta duração de abril de 2002 contra o então presidente Hugo Chávez. O El País pede ainda que a Espanha “lidere um esforço que una países europeus e latino-americanos e os EUA” para enviar “ao regime chavista uma mensagem inequívoca das consequências da destruição final do sistema democrático venezuelano”, “Maduro e seus colaboradores deveriam saber que suas ações não ficarão impunes “. Esta é a linguagem extraordinária da intervenção imperialista na Venezuela, proveniente daqueles que têm sido consistentes na defesa dos interesses das multinacionais e da oligarquia venezuelana.

O estágio atual da ofensiva reacionária (que tem ocorrido há mais de três meses) começou com a chamada “consulta” em 16 de julho, na qual a oposição “democrática” perguntou se as pessoas rejeitavam a Assembleia Constituinte e se recusavam a reconhecer sua legitimidade, se queriam que o Exército intervisse e se aprovavam a formação de um “governo de unidade nacional” paralelo. Esta foi uma tentativa de legitimar seus apelos para um golpe e impedir que as eleições da Assembleia Constituinte prosseguissem.

Como já explicamos em outro lugar, a “consulta” viu uma mobilização considerável das fileiras da oposição (concentrada nas camadas da classe média e alta da população), mas também testemunhou uma mobilização significativa das fileiras chavistas em uma corrida seca e simultânea pelas eleições da Assembleia Constituinte. Os números da participação dada pela oposição são claramente muito exagerados, mas isso não os impediu de prosseguir com seus planos.

Na quinta-feira passada, 20 de julho, eles pediram uma “greve cívica”, que na realidade não foi apoiada por nenhuma seção dos trabalhadores. Todas as principais empresas estatais estavam funcionando normalmente, assim como as da maioria do setor privado. O que você tinha era o fechamento do comércio e dos shoppings, uma paralisação do transporte privado, bem como uma campanha em larga escala de bloqueios de estradas e barricadas. Existem muitos exemplos de trabalhadores que chegam em seus locais de trabalho apenas para se encontrarem trancados pelo lado de fora por seus empregadores. Em Barcelona, Anzoátegui, por exemplo, funcionários da fábrica da Macusa (que faz assentos de couro para a indústria automobilística) foram informados de que teriam um dia de folga remunerado, algo que eles recusaram. Você não encontrará um único relatório de assembleias nos locais de trabalho onde os trabalhadores decidiram participar da “greve”.

 

A violência da oposição no dia atingiu um novo pico. Grupos de arruaceiros com coquetéis molotov e lançadores de mísseis caseiros sitiaram e tentaram incendiar o prédio do canal de TV estadual VTV em Los Ruices, em Caracas. Pelo menos um dos atacantes foi fotografado segurando um rifle de assalto. Eles foram finalmente repelidos pela ação conjunta da Guarda Nacional e dos trabalhadores da VTV que vieram gritando slogans revolucionários como “Chavez no murió, se multiplicó” (Chávez não morreu, ele se multiplicou). Em Cabudare, Lara, trabalhadores da fábrica de processamento de leite Lacteos Los Andes (nacionalizada sob o regime de Chavez), também tiveram que repelir um ataque semelhante por manifestantes violentos da oposição. Esses exemplos são significativos e mostram o início de uma reação da classe trabalhadora.

Ataque à VTV. Foto: AVN

Os tumultos e os bloqueios rodoviários foram mais intensos nos conselhos locais que têm prefeitos da oposição, onde a polícia municipal colaborou e defendeu os rebeldes, como em Baruta e em partes de Barinas. Novamente, o protesto do dia foi concentrado principalmente nas áreas de classe média e alta das principais cidades, com pouco ou nenhum seguimento na classe trabalhadora e bairros pobres.

A oposição também intensificou seu desafio institucional, fazendo com que a Assembleia Nacional nomeasse um novo conjunto de juízes da Suprema Corte. Esta é uma tentativa clara de criar uma situação de duplo poder nas instituições do estado. No entanto, a oposição deixou de nomear um novo governo, algo que eles prometeram fazer. Esse é provavelmente um reflexo de divisões dentro das fileiras da oposição entre os antigos partidos da classe dominante (principalmente Acción Democrática) e os novos líderes jovens e de direita (como Maria Corina Machado, Freddy Guevara, Juan Requesens etc.). María Corina Machado em uma entrevista explicou que seu partido discordava do “pacto de governabilidade” que a MUD (Mesa Democrática Unida) havia anunciado. Freddy Guevara, por sua vez, elogiou publicamente a “Resistência”, que são os pequenos grupos de rebeldes armados que estiveram na vanguarda dos confrontos com a polícia e as atividades terroristas dos últimos três meses.

Para esta semana, a oposição pediu dois dias de “greve geral” na quarta e quinta-feira. Isso significa de fato um bloqueio da entrada dos trabalhadores em algumas empresas pelos patrões, mas sobretudo uma campanha generalizada de bloqueios e barricadas de estradas, provavelmente combinada com sabotagem da rede elétrica em cidades-chave, na tentativa de paralisar o país. Vários líderes da oposição fizeram apelos públicos para que as pessoas armazenem alimentos e produtos básicos durante toda a semana e fiquem em casa.

Um dos principais líderes da oposição, Henrique Capriles, pediu para “assumir o controle de Caracas” na sexta-feira, 28/07, após sua “greve nacional de 48h” e até mesmo insinuou que “não descartam marchar ao Palácio de Miraflores”, que traz lembranças ameaçadoras do golpe de abril de 2002, que foi desencadeado por uma marcha da oposição ao palácio presidencial.

No sábado, 29/07, a oposição está convidando seus apoiadores a marchar em seus centros eleitorais locais e a bloqueá-los para impedir fisicamente que as eleições ocorram no domingo. “Novas medidas” serão anunciadas para domingo, prometeram líderes da oposição.

O Conselho Eleitoral Nacional já fez planos para permitir que as pessoas que vivem em 74 dos 1.141 distritos do país onde a violência da oposição se concentrou votem em outras assembleias eleitorais além das suas.

Essa semana, portanto, será crucial na ofensiva insurrecional da oposição e do imperialismo.

Ao mesmo tempo, há muita coisa não esclarecida sobre as negociações. Diz-se que o ex-presidente espanhol, Zapatero, chegou a Caracas. Ele fez parte das negociações fracassadas entre o governo e a oposição no final do ano passado e também teve participação na libertação do líder da oposição e golpista Leopoldo Lopez da cadeia para prisão domiciliar há duas semanas. O presidente Maduro fez outro apelo à oposição para negociar em seu programa de televisão de domingo. Alguns líderes da ala “moderada” da oposição também utilizaram cautelosamente a palavra “negociação” em suas declarações. Em um artigo do El Nacional (o principal porta-voz da oposição), um líder da Avanzada Progresista (o partido do governador de Lara, Henri Falcón) pediu uma negociação envolvendo concessões de ambos os lados.

Essa é a voz daqueles da classe dominante que reconhecem que, embora o chavismo tenha perdido muito apoio, eles não conseguiram conquistar as massas da classe trabalhadora e dos bairros pobres nem criar rachas significativas dentro do exército. Eles também temem uma guerra civil, que não seria do interesse da classe dominante se puder ser evitada. No entanto, esses setores estão em conflito com a nova geração de líderes da oposição que se baseiam nas massas pequeno-burguesas frenéticas que compõem sua base e dependem dos violentos rebeldes da “Resistência”. Ambos os setores têm os mesmos objetivos, sua diferença está nas táticas.

Se a MUD chegasse ao poder, com o apoio do imperialismo, seria claramente um grande atraso para a revolução bolivariana e ameaçaria todas as suas conquistas. A oligarquia lançaria um assalto total aos trabalhadores. Eles apresentariam um pacote brutal de austeridade que faria com que os trabalhadores pagassem o preço total da crise capitalista através de cortes na saúde, educação, pensões e habitação social, de demissões em massa no setor público, da privatização de empresas estatais, do retorno da terra expropriada aos seus antigos proprietários etc. Além disso, eles desencadeariam uma campanha de repressão e um expurgo político contra ativistas revolucionários e suas organizações.

Diante dessa situação, não podemos ser neutros. É escandaloso que organizações como a denominada Festa do Socialismo e da Liberdade, de Orlando Chirino, tenham aderido à ofensiva da oposição, convidando as pessoas a participar da sua “consulta” e dando apoio público à sua “greve cívica”. Eles se juntaram ao campo da classe capitalista.

Somos implacavelmente opostos à ofensiva da oposição, que representa os interesses dos capitalistas, banqueiros e donos de terra com o apoio total do imperialismo norte-americano (e espanhol). Esta é, portanto, uma luta de classes e só pode ser combatida com métodos de luta de classes. Diante dos assaltos armados contra empresas estatais, os trabalhadores deveriam formar Brigadas de Defesa Popular (BDP), organizações armadas de autodefesa como as organizações camponesas que já se estabeleceram em Zulia, Barinas e Apure. Na semana passada, uma caravana do BDP marchou de Santa Bárbara de Barinas para Socopó em uma demonstração de força e fez um apelo a outros para replicar seu exemplo. É hora de ativar a reserva do exército em que muitos trabalhadores já estão alistados.

Ao mesmo tempo, a chamada “greve geral de 48h”, que na verdade é um bloqueio dos patrões, só pode ser combatida efetivamente com reuniões coletivas no local de trabalho, ocupações de fábricas e ameaça de expropriação. Qualquer capitalista envolvido na ofensiva contrarrevolucionária deve ter seus bens expropriados sob o controle dos trabalhadores. Como dizem na Venezuela, “a cobra se mata pela cabeça” e a campanha reacionária é organizada e financiada por grandes capitalistas e proprietários.

A oposição quer impedir que a Assembleia Constituinte ocorra e, portanto, a participação máxima deve ser assegurada. No entanto, a ideia de que a própria Assembleia Constituinte tornará “à prova de balas” a revolução e garantirá “paz e diálogo”, como o governo argumenta, é ingênua e tola. A contrarrevolução deve ser combatida com meios revolucionários. Também porque apenas por meios revolucionários podemos começar a resolver os problemas econômicos que afetam milhões de famílias da classe trabalhadora. Somente ao desencadear a iniciativa revolucionária das massas, o espírito de luta das massas pode ser reavivado.

Somente o Povo pode salvar o Povo!

Tirem as mãos da Venezuela!

Expropriar os conspiradores golpistas!

Fábrica fechada, fábrica ocupada!

Abaixo a ofensiva reacionária e imperialista!

Defender a revolução venezuelana!

Publicado em 24 de julho de 2017, no site da Corrente Marxista Internacional (CMI), sob o título “The beginning of a crucial week in Venezuela“.

Tradução Daniel Eccel.

Deixe seu comentário

Leia também...

Ataque terrorista em Barcelona: o imperialismo alimenta o fanatismo islâmico. Socialismo ou barbárie!

A corrente Lucha de Clases, seção espanhola da CMI, e a Corrente Marxista Internacional condenam …