Início / Direito / O Imperialismo mata com a arma das patentes industriais

O Imperialismo mata com a arma das patentes industriais

A patente do remédio Tamiflu, contra a Gripe A H1N1 demonstra a perversidade do capital imperialista ao promover monopólios por meio da propriedade intelectual.

Na edição n° 23 do Jornal Luta de Classes, escrevemos um artigo (“Imperialismo e Propriedade Intelectual”) no qual analisamos, de forma teórica, como se dá a apropriação privada das idéias e dos conhecimentos desenvolvidos pela humanidade sob o capitalismo. Explicamos que essa apropriação ocorre sob formas jurídicas representadas pelas patentes, marcas e direitos de autor. A proposta é analisarmos cada uma dessas representações.

Vejamos a perversidade das patentes sob o imperialismo:

“A patente é a concessão pelo Estado de um direito de explorar, com exclusividade, uma invenção realizada. O objetivo é impedir que outros possam fabricar, vender, oferecer ou importar produtos patenteados sem o consentimento do produtor.” (Aporrea.org).

Essa definição dos capitalistas esconde a essência da análise. Porque há o interesse em que uma empresa desenvolva algo e deseja que a outra não utilize a tecnologia desenvolvida sem sua permissão? A premissa é da concorrência, ou seja, não seria “justo” que outra empresa se beneficie do desenvolvimento (leia-se investimentos, e ainda, muitas vezes esses são públicos) que uma empresa realizou.

Mas, se contradiz com o monopólio privado, pois para usar tal tecnologia ela deve pagar por isso. Essa exclusividade é de 20 anos, conforme dispõe a lei. Ou seja, o imperialismo, por meio de suas grandes corporações, possui o monopólio do desenvolvimento tecnológico da humanidade – apropria-se do conhecimento humano, historicamente construído, para centralizar e concentrar capitais. Assim, o que a definição burguesa não esclarece é que se presume o desenvolvimento sob a lógica do capital, ou seja, o interesse é o lucro da empresa e não a qualidade da humanidade como tenta iludir a população.

Podemos ver isso ao analisar alguns dados quanto aos acessos aos avanços tecnológicos (que a sociedade capitalista tanto fala que quer defender e justifica, por isso, a propriedade intelectual) que demonstram a desigualdade dos seres humanos e como é utilizado o instrumento da “propriedade” intelectual para obstaculizar sua diminuição.

No tema da saúde os números são bem assustadores: 11 milhões de crianças morrem a cada ano por causa de doenças que são dotadas de prevenção, sendo mais de 30 mil a cada dia, o que significa 21 a cada minuto. Na África morrem um milhão de pessoas a cada ano por malária, dois milhões de pessoas por AIDS e três milhões de tuberculose. Enquanto nos Estados Unidos, Europa e Japão se consomem 82,4% dos medicamentos produzidos no mundo, Ásia e África, com um terço da população mundial, consome apenas 10,6% (Revista Pueblos).

Entre 1975 e 1997, as transnacionais farmacêuticas colocaram 1.233 novos medicamentos no mercado. Somente 1% desses (13 remédios) destinava-se para tratamento de doenças tropicais que se concentram nos países mais pobres do mundo e que matam milhões de pessoas (El Militante). Por que será que com todo o avanço da tecnologia farmacêutica, não se realizam pesquisas para as enfermidades que mais matam no mundo?

A resposta é de Roy Vagelos, ex-diretor da Merck, que controla 10% do mercado mundial: “Uma empresa quebraria caso se concentrasse nos tratamentos de doenças dos países do Terceiro Mundo”.

Mais direto impossível. E ainda acrescenta: “Isso é um problema social e não se deve esperar que a indústria farmacêutica se preocupe.” (El Militante). E com razão… não podemos nos iludir e esperar a humanização do capital, como afirmam diversos setores “progressistas”. Somente uma produção voltada aos interesses dos trabalhadores poderá resolver isso. Para isso, temos que defender a expropriação das empresas farmacêuticas, colocando-as sob a gestão operária.

Ainda quanto à saúde, atualmente, podemos ver claramente a perversidade da patente. A pandemia do vírus da gripe suína (A H1N1), com as diferentes análises que podem ser feitas (recomenda-se assistir ao vídeo “Operação Pandemia”), expõe a lógica do desenvolvimento farmacêutico centrado na propriedade privada e em sua relação inescrupulosa com o Estado.

A empresa norte-americana Gilead Sciences tem a patente do Tamiflu. O principal acionista desta empresa é nada menos que um personagem sinistro, Donald Rumsfeld, Secretário da Defesa do Governo Bush, artífice da guerra contra o Iraque. Os acionistas das farmacêuticas Roche e Relenza, em articulação com a Gilead Sciences, estão esfregando as mãos, felizes pelas suas vendas novamente milionárias com o duvidoso Tamiflu.

Os grupos que desenvolveram o medicamento, e que previam a possibilidade de mutações dos genes do novo vírus, e, por isso, realizaram pesquisas para inventar remédios, tinham como objetivo a lucratividade com a venda dos mesmos, seja para os Estados subsidiar ou distribuir à sociedade, seja diretamente aos indivíduos. Como se vê, a verdadeira pandemia é de lucro e deu certo. A Roche triplicou seu faturamento em ano, por causa da patente do Tamiflu (Swissinfo, 24/07/2009).

Dessa forma, vemos que a propriedade intelectual impede que o desenvolvimento tecnológico esteja à disposição da humanidade, pois está sob a lógica da apropriação privada do conhecimento pelo capital. Assim, a propriedade intelectual, como se vê nos casos das patentes, enquanto for uma propriedade/concessão privada, o caminho será a barbárie.

A tarefa neste tema é acabar com as patentes e propor um desenvolvimento tecnológico que interesse à classe trabalhadora. O desafio dos marxistas é romper com este modelo que não busca solucionar os problemas da humanidade, mas pelo contrário, se sustenta na reprodução da desigualdade social.

Deixe seu comentário

Leia também...

Por que os trabalhadores devem repudiar o PLS 116/17, que prevê a demissão de servidores?

No dia 4 de outubro de 2017, foi aprovado na Comissão de Constituição, Justiça e …

Deixe uma resposta