Início / Teoria / Morte de Che Guevara e a crítica à luta armada

Morte de Che Guevara e a crítica à luta armada

Seu exemplo de vida eternizou-se como um importante símbolo da luta pela revolução mundial, porém, o mesmo não pode ser dito dos métodos e da política que defendeu ao longo da vida, sobretudo a guerrilha rural.

Poucos rostos no mundo, incluindo os de celebridades de Hollywood e astros pop, são tão célebres quanto o de Che Guevara. O olhar firme, suas expressões serenas e a imortal boina na cabeça constituem uma imagem que até hoje inspira inúmeros ativistas e militantes ao redor do mundo. De fato, não são muitos os exemplos de dedicação, coragem e sacrifício que podem ser comparados aos de Che.

Mas se seu exemplo de vida eternizou-se como um importante símbolo da luta pela revolução mundial, o mesmo não pode ser dito dos métodos e da política que defendeu ao longo da vida, sobretudo a guerrilha rural. Os marxistas sempre criticaram essa estratégia, que ignora completamente o desenvolvimento da sociedade e a história do movimento operário. Serviu apenas para distanciar os revolucionários das massas e torná-los alvos fáceis da repressão do estado burguês, como a morte do próprio Che Guevara demonstraria, em 1967.

Além dele, existem inúmeros outros exemplos de como a tática da “luta armada”, levada a cabo por pequenos grupos, é nociva e possivelmente letal para eles próprios. Contudo, a crise de direção do proletariado permanece e desde 2008 vem se tornando cada vez mais evidente aos olhos de todos. Diante da capitulação dos grandes aparatos reformistas e da vacilação de muitas das organizações de esquerda, honestos e comprometidos ativistas veem nos erros do passado, como a opção pela guerrilha, uma saída viável. Daí a necessidade de recolocar o ponto de vista marxista sobre essa questão e a trajetória de “El Che” nos fornece ótimos elementos para tal.

Durante seus estudos de medicina na Universidade de Buenos Aires, Ernesto Guevara realizou duas viagens que mais tarde teriam influência decisiva sobre o futuro militante que se tornaria. Em 1950, realizou um trajeto de 4.500 quilômetros pelas províncias do norte da Argentina, que até hoje concentram enormes bolsões de pobreza rural. No ano seguinte embarcaria com seu amigo Alberto Granado em uma peripécia muito mais ambiciosa. Os dois jovens médicos partiram de Buenos Aires em uma jornada de mais de 8 mil quilômetros, percorrendo grande parte da América Latina. A partir das memórias obtidas nessa viagem saiu a obra “Diários de Motocicleta”, que se tornaria em best-seller e filme.

Os escritos sobre a miséria dos camponeses latino-americanos, as duras condições de vida de operários e mineiros, que trabalhavam principalmente em empresas de origem norte-americana, despertaram no médico Ernesto a revolta e o desejo de justiça que formariam o futuro militante Che Guevara. Também foi nessa época que começaram a aparecer vários dos aspectos de sua política que o distanciariam do marxismo: as vagas noções de que “a América Latina é uma só”, o antiamericanismo e, sobretudo, a defesa da luta armada camponesa como forma de tomar o poder e realizar a revolução.

Porém, não foram simples impressões de viagem que levaram um homem inteligente e corajoso como Che a adotar tais posições. Naquela época, o triunfo da revolução chinesa de 1949, e com ele o surgimento da “teoria” da revolução do campo para as cidades, que passaria para a história como maoísmo, influenciaram diversos movimentos de independência na África e na Ásia. Na própria América Latina, onde a vida urbana ainda era escassa e o movimento operário quase inexistente, essas ideias ganhavam cada vez mais adeptos. Entre eles estava outro futuro personagem célebre da esquerda latino-americana e companheiro de Che: Fidel Castro.

Juntos, ambos se transformaram nos principais símbolos da vitoriosa Revolução Cubana de 1959, um dos acontecimentos mais importantes no século XX, sobretudo para a América Latina. Pela primeira vez, um país da região libertava-se do controle do imperialismo. Mas ao contrário do que conta a historiografia, até mesmo a de esquerda, impregnada pelo stalinismo, a revolução não foi fruto do heroísmo ou do sacrifício de um pequeno grupo de guerrilheiros, por mais brilhantes que fossem.

Uma série de greves gerais e manifestações maciças, que se iniciaram anos antes mesmo do ataque ao quartel Moncada, em 1953, considerado o episódio precursor da revolução, já balançavam a frágil e extremamente violenta estrutura social cubana, herdada do colonialismo espanhol. Devido à ausência de um programa claro e a falta de uma direção com raízes nesses movimentos, o pequeno agrupamento liderado por Castro e Guevara acabou preenchendo o vácuo político e liderando o novo regime que surgiu após a queda de Batista.

Após o triunfo em Cuba, Che partiu para tentar aplicar em lugares tão distintos como o Congo e a Bolívia aquilo que, para ele, fora a chave da vitória. Como sabemos, não teve nenhum sucesso. Sem conhecer ou levar em conta a realidade e a história da luta de classes nessas regiões, esse corajoso revolucionário acabou por dirigir um fracasso após o outro até terminar de forma trágica, isolado e condenado, na Bolívia em 1967. A revolução só pode vir através do movimento de massas e dedicar-se a ganhar cada vez mais jovens e trabalhadores para o marxismo é a melhor forma de utilizarmos o entusiasmo e a energia dos exemplos do passado.

Deixe seu comentário

Leia também...

Em defesa de Lenin

Nota da Redação: O presente artigo que trazemos agora ao público brasileiro traduzido do inglês …