Início / Luta de Classes / Militantes e simpatizantes da Juventude Marxista levam campanha de frente única aos estudantes de todo o Brasil

Militantes e simpatizantes da Juventude Marxista levam campanha de frente única aos estudantes de todo o Brasil

Desde o início de Novembro, militantes da Juventude Marxista têm levado a escolas secundaristas, instituições de ensino técnico e universidades, um manifesto intitulado “Público, Gratuito e Para Todos: Transporte, Saúde, Educação! Abaixo a Repressão!”.

Desde o início de Novembro, militantes da Juventude Marxista têm levado a escolas secundaristas, instituições de ensino técnico e universidades, um manifesto intitulado “Público, Gratuito e Para Todos: Transporte, Saúde, Educação! Abaixo a Repressão!”.

O manifesto de apenas uma página exige que o transporte, a saúde e a educação sejam públicos, geridos pelo Estado, totalmente gratuitos e que sejam suficientes para atender a toda a população brasileira. Na parte de transporte levanta a palavra de ordem de “Tarifa Zero”. Na parte de saúde, entre outras coisas, diz “Queremos ‘Mais Médicos’ sim, mas também queremos mais leitos, mais hospitais, mais postos de saúde, mais remédios, mais aparelhos e estrutura. Queremos todos os medicamentos e exames gratuitos!” Na parte de educação reivindica o fim do analfabetismo, o fim do vestibular e vagas para todos nas universidades públicas. Quanto às cotas raciais, deixa claro: “As cotas raciais não nos servem! Colocam alguns jovens nas universidades públicas, enquanto a maioria esmagadora da população negra continua fora dela. Não queremos cotas, queremos todos os negros dentro da universidade! Queremos todos os jovens, independente da cor da pele, com os mesmos direitos, nas universidades públicas!”.

O manifesto também aponta a solução para viabilizar isso tudo: “Dinheiro para atender todas essas necessidades existe. Mas vem sendo roubado de nós! O Governo paga a chamada ‘Dívida Pública Interna e Externa’ que na verdade é uma dívida eterna, que já foi paga várias vezes e não foi o povo que fez. Uma dívida que sempre é renegociada em condições desfavoráveis para o povo e que coloca nos bolsos dos capitalistas quase R$ 1 trilhão todos os anos e só cresce! Esta é a verdadeira e maior corrupção! Chega! Pelo não pagamento da Dívida! Usar todo esse dinheiro para Transporte, Saúde, Educação, Público, Gratuito, Para todos!”.

O manifesto ainda exige o fim da repressão, diz que “Não podemos aceitar que a juventude pobre e trabalhadora continue a ser aterrorizada e assassinada nas periferias de todo o país pela Polícia Militar”, e ainda reivindica o fim da criminalização dos movimentos, exigindo a liberdade aos manifestantes presos e retirada dos processos contra militantes políticos. No final, o manifesto conclama à luta para derrubar o capitalismo e construir um mundo socialista.

Em todos os lugares a receptividade entre os estudantes tem sido excelente. Alguns já estão ansiosos por começar manifestações de rua pelas bandeiras colocadas no manifesto. Os militantes marxistas têm explicado que primeiro é preciso propagandear o manifesto, tornar a campanha conhecida entre os jovens, construir comitês de luta em cada escola, para depois sair às ruas organizados para a luta. Conquistar tudo isso exige uma luta paciente e bem organizada. Rapidamente os jovens compreendem e já começam a se empenhar na construção dos comitês de luta.

A página da campanha no facebook (www.facebook.com/PublicoGratuitoParaTodos) já ultrapassou os 1.000 membros em menos de 15 dias. Segundo os militantes que impulsionam a campanha, não é necessário ser militante da Juventude Marxista para participar. O objetivo é reunir todos que estejam de acordo com o manifesto da campanha. Agrupar os interessados antes do fim das aulas é o objetivo central agora, para com esses preparar a retomada das aulas em 2014 com gás total. Entre em contato e participe: publicogratuitoparatodos@gmail.com

Deixe seu comentário

Leia também...

Campinas na luta contra o Escola Sem Partido e a Lei da Mordaça!

A Associação dos Professores da Puc-Campinas (Apropucc) emitiu nota esta semana repudiando o projeto de …