Início / Artigos / Outras Análises | Ver Mais / Geral / Marina 2010: A candidata da privatização da Amazônia

Marina 2010: A candidata da privatização da Amazônia

No momento em que a ecologia passa a ser marketing para o capital, Marina busca o reconhecimento de novos companheiros para legitimar sua candidatura: o ‘empresariado verde’.

A candidatura de Marina Silva altera o tabuleiro das eleições presidenciais. A senadora pode tirar votos do PT e embaraçar a polarização entre Serra (PSDB+DEM) e Dilma (herdeira do governo de coalizão com a burguesia).

Sua candidatura é um obstáculo eleitoral para o PT e um presente para a direita. Ela comunicou as razões de sua ruptura com o PT numa carta de desfiliação:

“(…) é o momento não mais de continuar fazendo o embate para convencer o partido (PT) (…), mas sim o do encontro com os diferentes setores da sociedade dispostos a se assumir, (…) como agentes da luta por um Brasil justo e sustentável, a fazer prosperar a mudança de valores (…) que sinalizará um novo padrão de desenvolvimento (…)”.

O Partido Verde e suas alianças

Com uma trajetória de esquerda, organizadora do PT no Acre, identificada com os oprimidos da Amazônia, negra e de sobrenome “Silva”, Marina precisa explicar ao povo que tipo de “justiça”, “valores“ e “padrão de desenvolvimento” ela espera encontrar no PV, um partido declaradamente capitalista que possui entre seus “fundamentos” o “direito à iniciativa privada, no âmbito econômico” (site do PV). Que “setor da sociedade” (classe social) ela espera descobrir num partido que participa dos governos Serra e Aécio (PSDB) e Kassab (DEM)?

Que tipo de conceito de “sustentabilidade ambiental” Marina acredita ter um partido que apoiou a reeleição de Blairo Maggi (PR-MT), maior plantador de soja do mundo? Ou que participa do Governo Cassol (PPS) em RO, que apóia incondicionalmente a construção das insustentáveis hidrelétricas no Rio Madeira?

Como plataforma política, nenhuma reivindicação operária. Marina anuncia a ética e a causa ecológica como suas bandeiras primeiras, faz isso para se apresentar como uma candidata acima da luta de classes e livre das contradições das relações sociais capitalistas. Substância que se dissolve no ar quando lembramos que o PV tem na sua direção senhores como Sarney Filho. Tudo indica que a política de Marina hoje não é mais a luta pelos interesses dos trabalhadores e sim tentar reciclar a velha política da velha classe dominante brasileira, tarefa não menos difícil do que fazer o Rio Amazonas correr ao contrário.

Marina como Ministra: nem de esquerda, nem ecológica

Ela deixou o governo em Maio de 2008 fazendo todos acreditarem na sua “coerência” e firme combate com a preservação do meio ambiente. Mas essa imagem fabricada pela mídia contrariou frontalmente os fatos. Pois com uma política oportunista de “disputar o governo por dentro” contra os ministros dos partidos patronais, Marina não fez mais do que confundir o povo emprestando uma aparência ecológica a um governo comprometido com o agro-negócio.

Foi ela a primeira ministra que Lula anunciou para sua equipe e serviu muito bem aos seus planos de pintar com um verniz de esquerda sua coalizão com a burguesia.

Durante seu ministério, os transgênicos foram liberados, o IBAMA foi dividido, aprovou-se a transposição do Rio São Francisco, deu-se a largada para construção de mega usinas no rio Madeira e realizou-se uma das maiores operações de privatização da Amazônia com as concessões privadas das Florestas Nacionais.

Vejamos seu próprio balanço na sua carta de desfiliação do PT:

“Tive a honra de ser ministra do Meio Ambiente do governo Lula e participei de importantes conquistas, das quais poderia citar, (…) a criação do Instituto Chico Mendes [Lei que fragmentou o IBAMA em dois órgãos] e do Serviço Florestal Brasileiro [Lei que privatizou as Florestas Nacionais]”.

Marina “se viu obrigada” a sair do governo diante do decreto da MP que aumentou de 500 para 1.500 hectares as áreas na Amazônia repassadas sem licitação aos latifundiários, medida jurídica que possibilita a maior operação de legalização da grilagem depois da Lei de Terras de 1850 (ver artigos sobre isso aqui). Mas antes disso, no entanto, ela mesma já havia dado a largada da privatização das Florestas Públicas. Sendo assim, a “MP da Grilagem”, anunciada por ela como uma de suas divergências com Lula, na verdade não passou de uma conseqüência da política que ela própria ajudou a implementar.

Num próximo artigo examinaremos mais profundamente as conseqüências concretas das leis que privatizaram as Florestas Nacionais (Lei 11.284/06) e que fragmentou o IBAMA (Lei 11.356/07). Medidas as quais Marina anunciou que teve a “honra” de ajudar Lula aprovar.

* Na foto, Marina Silva cumprimenta seu novo partidário, Guilherme Leal, presidente da Natura.

Deixe seu comentário

Leia também...

Nildo Ouriques avalia posição sobre eleição 2018 do 6º Congresso do PSOL

Neste vídeo do companheiro Nildo Ouriques, está expressa a análise que nós da Esquerda Marxista …

Deixe uma resposta