Início / Artigos / Liberdade a todos os presos políticos do México

Liberdade a todos os presos políticos do México

Campanha internacional imediata!

Um destacamento de aproximadamente 1000 policiais atacou uma manifestação pacífica de estudantes, realizada em 6 de agosto na Cidade do México, que reivindicavam acesso à universidade. O protesto havia sido organizado pelo “Movimento dos Estudantes Não Admitidos” (MENA), uma campanha lançada pelo Comitê em Defesa da Educação Pública – Comitê de Luta Estudantil (Committee in Defence of State Education – Committee of Student Struggle, CEDEP-CLEP http://cedep.militante.org).

Como resultado desta ação brutal das autoridades do Distrito Federal, 8 estudantes foram presos, 4 deles membros da Tendência Marxista El Militante. Numa resposta imediata, mais de 700 pessoas participaram de uma manifestação no Palácio Presidencial de los Pinos em 8 de Agosto. Em meio aos presentes, em sua maioria estudantes, estavam delegados da Assembléia Popular de Oaxaca (APPO), além de políticos de esquerda e organizações sindicais.

A campanha pela libertação dos estudantes presos ganhou amplitude. Em 16 de Agosto, 7 dos 8 companheiros presos foram libertados. Entretanto, Cesar Francisco Jay Aguilar, menor de idade, ainda está retido no Conselho Tutelar de Menores.

As autoridades mexicanas acharam que com seu ataque destroçariam a organização estudantil mais combativa do México. Entretanto, a campanha organizada pelo movimento operário e pela comunidade universitária respondeu à agressão com muita mobilização.

Entretanto, os companheiros da Tendência Marxista Militante alertam que a liberação de 7 dos 8 presos não é motivo ainda para comemorar a vitória. Segundo eles, os companheiros saíram em liberdade sob fiança e ainda seguem submetidos a um processo judicial por delitos que não cometeram. Além disso, há ordens de prisão contra uma dezena de outros companheiros jovens: “Querem nos amarrar as mãos para que a burguesia possa avançar nas políticas de ataques contra a educação pública no México. Por isso, fazemos um chamado internacional para que o movimento operário e estudantil se oponha aos ataques à juventude revolucionária”.

Em 13 de Setembro, a Esquerda Marxista vai organizar em São Paulo ato pela liberdade dos presos políticos em frente ao consulado mexicano, integrando o dia de jornada internacional, a ser realizada em vários lugares do mundo.

Liberdade imediata a Adán Mejía López, preso político da APPO

O governo espúrio de Felipe Calderón vem colocando em prática a agressiva política de responder com violência às exigências legítimas da classe trabalhadora mexicana. Além das detenções arbitrárias ocorridas sob suas ordens na Cidade do México contra os companheiros da CLEP-CEDEP, mandou prender combatentes integrantes da APPO (Assembléia Popular dos Povos de Oaxaca), entre os que se encontram Adán Mejía, jovens empenhados na causa de melhorar a miserável existência da maioria do povo de Oaxaca, Adán Mejía López, membro da Tendência Marxista Militante, delegado da APPO e membro do Sindicato Mexicano de Eletricitários foi preso na penitenciária de Ixcotel, em Oaxaca, produto da repressão de Ulises Ruíz durante mobilizações do fechamento em 16 de Julho. Adán foi falsamente acusado de delitos graves, como narcotráfico, sendo condenado a uma sentença de prisão de 15 anos.

Por isso, os companheiros da Tendência Marxista Militante do México convocam todo o movimento operário internacional a enviar moções de repúdio ao Presidente Calderón (felipe.calderon@presidencia.gob.mx) repudiando os ataques e perseguições à classe trabalhadora mexicana e exigindo a liberdade imediata e o fim das acusações falsas contra Adán Mejia.

Deixe seu comentário

Leia também...

Por que a juventude precisa defender a revolução venezuelana?

Há um grande esforço da mídia em distorcer os acontecimentos na Venezuela, que é um …

Deixe uma resposta