Início / Artigos 100 Anos / A juventude no lançamento do livro Stalin, de Leon Trotsky

A juventude no lançamento do livro Stalin, de Leon Trotsky

Repercussão do lançamento da edição brasileira em São Paulo

No dia 4 de outubro de 2017, mês do centenário da Grande Revolução Russa, uma plateia composta majoritariamente por jovens participou do lançamento do último e inédito livro de Leon Trotsky, a biografia “Stalin”, na PUC São Paulo.

O livro, que é inédito, faz uma análise de Josef Stalin, de sua história e personalidade, e como as características pessoais desse homem se relacionaram com o processo revolucionário russo e sua degeneração. “Stalin” expressa o pensamento mais maduro de Trotsky e é um marco para a literatura marxista. Essa também é a primeira vez na história em que “um gigante político escreve um livro sobre um anão intelectual”, como descreve Serge Goulart na nota da Editora Marxista contida no livro.

A obra chama a atenção dos jovens por diversos motivos. Para Jaqueline Takara, por exemplo, o importante é “o legado do livro. Que não é apenas um livro, uma peça de museu, muito pelo contrário, é um instrumento de aprendizado, como afirmou Alan Woods”. Já para o estudante secundarista João Lucas Brandão, o livro ajuda a desmistificar a imagem do socialismo, pois “a maioria das pessoas relaciona o marxismo ao stalinismo, por conta de toda propaganda feita pelo stalinismo e pela própria burguesia. Todos os crimes cometidos por ele [Stalin] são diretamente ligados ao marxismo por conta disso. Esse livro mostra que não é isso”.

Quando questionados sobre a importância do livro e da atividade de lançamento, os jovens demonstraram um enorme entusiasmo com a obra e com as perspectivas para a atualidade. O que ficou nítido é que o lançamento não era apenas uma atividade acadêmica para apresentar mais um livro que servirá de enfeite para estantes de “intelectuais”. O que aconteceu foi uma atividade política para inspirar os participantes e impulsionar a luta pela revolução.

“Eu acho que a atividade de hoje chamou muita a atenção, principalmente no final, da disposição de luta, de combate de toda a plateia. Dava para sentir a empolgação das pessoas, tanto nos aplausos, como no momento que cantamos A Internacional. Com a fala do Alan, deu para ter uma compreensão melhor da importância desse livro e também das perspectivas para seguir no combate pela Revolução Socialista”, disse Thomas Yamamoto. Outro jovem estudante da PUC-SP, Stelio Pessanha Jr., achou marcante o momento em que Alan falou que, naquele espaço, não via “só universitários”, mas “parte de um exército de revolucionários”.

Leon Trotsky foi um autêntico revolucionário marxista. Foi um propagandista e um agitador, um teórico e militante prático. Conseguiu aglutinar milhões em torno das ideias marxistas, criou e dirigiu o maior exército revolucionário da história, o Exército Vermelho, e fez enormes sacrifícios pessoais pela causa do socialismo. Trotsky também foi um militante que se preocupou com a juventude. Ele entendeu que as novas gerações, livres do peso dos erros do passado, poderiam trazer os velhos quadros operários cansados novamente para a luta e que esses mesmos jovens, que carregam consigo a chama da revolução, é que podem se formar como futuros dirigentes dos trabalhadores.

Hoje no centenário da Revolução Russa de 1917, os jovens brasileiros podem conhecer um dos seus trabalhos mais importantes e usar essa obra como um instrumento de combate. Trotsky foi morto a mando de Stalin, mas suas ideias permanecem vivas e atravessam gerações. Que seu exemplo de vida sirva de inspiração para todos aqueles que querem lutar pela Revolução Socialista.

Deixe seu comentário

Leia também...

Livraria Marxista exibe “O Jovem Marx”, humano e coerente com o método dialético

Dispostos no chão e em cadeiras no auditório da Livraria Marxista, cerca de 30 pessoas …