Início / Artigos / Internacional / Juventude do Syriza exige Congresso extraordinário

Juventude do Syriza exige Congresso extraordinário

A Esquerda Marxista, seção brasileira da CMI, vem acompanhando os recentes eventos na Grécia e publicando uma série de textos sobre o assunto, dada a importância que os mesmos terão para o futuro da luta de classes em todo o mundo. Ao aceitar a imposição da Troika após a população ter votado em peso contra as medidas de austeridade, abriu-se uma crise política no SYRIZA.

A Esquerda Marxista, seção brasileira da CMI, vem acompanhando os recentes eventos na Grécia e publicando uma série de textos sobre o assunto, dada a importância que os mesmos terão para o futuro da luta de classes em todo o mundo. Ao aceitar a imposição da Troika após a população ter votado em peso contra as medidas de austeridade, abriu-se uma crise política no SYRIZA.

Os camaradas da Tendência Comunista do SYRIZA, seção grega da CMI, vêm combatendo pela ruptura com a austeridade e por uma virada em direção ao socialismo. A Tendência Comunista denunciou o golpe dado não apenas no povo grego, mas no próprio partido, quando a decisão pelo acordo foi realizada sem sequer uma reunião de seu Comitê Central e vem agitando a necessidade de uma reunião urgente do CC e da convocação de um Congresso Extraordinário do partido. Tsipras, por sua vez, ameaça a convocação de novas eleições, com a exclusão das listas de todos os deputados que votaram contra o acordo.

A Juventude do SYRIZA publica agora uma carta, colocando-se contra o acordo e exigindo a reunião imediata do CC e convocação de um congresso extraordinário, para debater os rumos do partido. Ao escolher a União Européia, Tsipras vai se afastando do povo que o elegeu, como também das bases de seu próprio partido.

O NÂO (OXI) ao asfixiante memorando deve se  transformar em um NÂO ao sistema capitalista, para que a juventude e o povo trabalhador grego possam respirar novamente. Como explica a carta da Juventude do Syriza, “nós lutamos para tornar alcançável aquilo que hoje parece impensável”.

Comunicado da juventude do Syriza sobre o acordo-memorando e o futuro do Syriza

O acordo a que conduziram as negociações de 13 de julho, ao longo de muitos meses, lideradas pelo governo Syriza-Anel, constitui, sem nenhuma dúvida, uma derrota enorme das forças da esquerda radical na Grécia. O golpe de Estado inédito implementado pelos credores não é mais do que o último episódio de uma série de chantagens extremas que conduziram o governo a um impasse político sufocante.

No entanto, seria muito estranho interpretar o resultado das negociações como unicamente determinado pelas escolhas dos credores. Somos obrigados a avaliar de forma negativa a subestimação das relações de forças no seio da Zona Euro, a convicção inabalável de que argumentos racionais poderiam persuadir as “instituições” a favor de um acordo “mutuamente benéfico”, mas também que a ameaça de um Grexit poderia ter tido um papel catalisador para a vitória da nossa proposta. Tudo isto contribuiu de maneira decisiva para a ausência de um plano alternativo de ruptura que, no quadro das negociações, pudesse funcionar como uma escolha do governo; tudo isto foi um fator decisivo para o nosso sequestro político.

Paralelamente, a grande complacência no aspeto técnico das negociações, como forma de alcançar um “compromisso honroso” que era dado por certo, não deixou espaço para o entusiasmo e a dinamização, que a participação da sociedade tinha criado, contra a dominação dos tecnocratas e a busca de um exercício político imperturbável pela mudança. Além disso, abstivemo-nos de ações “unilaterais” que pudessem mudar o campo do conflito para dentro, consolidamos as nossas relações com as pessoas que representamos, demos o sinal de partida para novas lutas, asseguramos os meios para a implementação do nosso programa.

Ante toda esta situação, a insuficiência do aparelho do partido (e da organização de juventude) foi determinante. A não convocação do Comité Central antes do voto parlamentar dos trâmites do acordo deslocou o peso da decisão para órgãos incompetentes, como o grupo parlamentar, e para a consciência individual de cada um dos deputados eleitos. A fraqueza política dos órgãos de direção do partido e as tomadas de decisão fora dos procedimentos coletivos são dois aspetos complementares da mesma situação.

O acordo assinado tem a marca das relações de força esmagadoras no seio da Zona Euro e das chantagens perpetradas contra o governo e o povo gregos. Este sequestro político e este impasse que estamos a pagar obrigam-nos a reconsiderar novamente os eixos e as orientações deste plano.

Temos o dever de considerar que, afinal, a União Europeia e a Zona Euro funcionam como um sistema neoliberal em forma de instituição, limitando ao máximo as margens da sua transformação. A nossa estratégia internacionalista deve passar pela ruptura com estas formações e pela reivindicação da democracia e da soberania popular como condição prévia para contestar o neoliberalismo.

A adoção pelo voto parlamentar do terceiro memorando acontece contra as nossas referências ideológicos, as nossas decisões coletivas, inverte a longa marcha do Syriza e cria o risco de que seja esmagada a esperança no único país da UE onde a esquerda conseguiu uma vitória histórica. Por essas razões, posicionamo-nos contra o acordo.

É imperativo, nesta fase, que seja imediatamente convocado o Comitê Central do Syriza e que seja imediatamente convocado um Congresso extraordinário, instância máxima de decisão do partido, que terá a responsabilidade total pelo balanço da etapa precedente e pela planificação estratégica da etapa seguinte. Também o Syriza tem uma responsabilidade: deve proteger todos os seus membros contra ataques pessoais, que são, na sua metodologia, estranhos aos valores da esquerda.

É inconcebível, neste contexto, deixar de lado a importância maior do resultado do referendo. Neste caso, o governo conseguiu, durante breve período, fazer do povo protagonista, ao escolher dar-lhe a palavra contra a chantagem extrema, a asfixia financeira, os bancos fechados, o frenesi dos meios de comunicação social.

O referendo, enquanto processo social e enquanto veredito popular, mostra que a batalha pela constituição de uma aliança social capaz de ampliar a democracia, as sinergias e a solidariedade em todos os lugares da vida em sociedade é, mais do que nunca, portadora de uma dinâmica vitoriosa.

No que nos diz respeito, a luta por um mundo mais justo não é uma justificação moral, mas uma maneira de transformar o nosso cotidiano, as nossas vidas, a sociedade. Continuaremos a caminhar neste sentido, tendo permanentemente presente no espírito que a história é um campo do possível, no qual nós lutamos para tornar alcançável aquilo que hoje parece impensável.

Juventude do Syriza

Deixe seu comentário

Leia também...

Crise no sistema. Novas explosões no horizonte

Michel Temer, em discurso na abertura da Assembleia Geral da ONU na última terça-feira (19/9), …