Início / Luta de Classes | Ver Mais / Jovens de todo país se preparam para participar do 55º CONUNE

Jovens de todo país se preparam para participar do 55º CONUNE

O Congresso da União Nacional dos Estudantes (CONUNE), terá sua 55°edição no final desse semestre, entre os dias 14 e 18 de junho, em Belo Horizonte (MG). 

O congresso pretende reunir cerca de 10 mil universitários de todo o país. É uma ocasião propícia para a juventude discutir a conjuntura política e o movimento estudantil. Além disso, no CONUNE ocorre a eleição da próxima direção da UNE e, infelizmente, essa é a parte que mais interessa aos que fazem parte do campo majoritário (UJS/Kizomba) que detém a direção da entidade atualmente. Para manter a direção sob seu controle, a UJS, juventude do PCdoB, realiza processos eleitorais fraudulentos em centenas de universidades. A preocupação de discutir política e engajar jovens na luta é excluída em troca da manutenção de uma direção que promove a degeneração da UNE. 

Liberdade e Luta contra a maré reformista

De encontro com a corrente reformista, a Liberdade e Luta está preparando delegações para levar ao CONUNE sua tese com a defesa do retorno à carta de princípios da UNE de 1979 cuja base é a luta pelo ensino público, gratuito e para todos. 

“Nosso eixo principal pela educação pública, gratuita e para todos e em todos os níveis pode conquistar muitos outros estudantes descontentes com a situação política, e nós como LL temos a tarefa de organizá-los a lutar contra este sistema, pelo socialismo”, afirma Evelyn Mora Gonzalez, estudante de Letras na Universidade de São Paulo. Através da realização de atividades sobre a Reforma da Previdência e da luta pela educação pública, o núcleo da USP apresentará a tese e formará chapas para eleição de delegados. “Na próxima semana faremos uma campanha divulgando trechos da nossa tese em panfletos e pela internet na nossa página”, outro modo de reunir contatos, segundo Evelyn. 

Alguns militantes participarão do CONUNE pela primeira vez e a expectativa é grande. “Eu nunca fui a um Congresso de UNE. Minha perspectiva é que a UNE assuma o papel que ela deveria ter desempenhado de combate à burguesia e aos monopólios da educação”, é o que espera Erick Borges, estudante de Ciências Sociais da PUC de São Paulo, que também está participando da organização de chapas para eleição de delegados. 

A tese da LL chama a juventude para a defesa de uma plataforma, de fato, revolucionária que se destaca em meio a atual conjuntura política. “Acredito que será um congresso muito notável, pois, com os diversos ataques do governo Temer, a juventude mais do que nunca está disposta a lutar”, afirma Bianca Fujimori, estudante de Jornalismo da Universidade Federal de Mato Grosso em Cuiabá. Neste mesmo sentido, Mayara Colzani, estudante de Medicina Veterinária na UniSociesc em Joinville/SC, afirma que a Liberdade e Luta deve fazer combate ao freio que a majoritária da UNE tenta colocar no movimento estudantil: “Haverá muito jovem com disposição para mudar a atual conjuntura. Como sabemos a direção majoritária da UNE tenta frear o ME, mesmo com todos os ataques do governo. Então teremos um papel muito importante ao dialogar com esses jovens e mostrar que há uma saída”.

Bruna dos Reis, estudante de Direito da Univille, também de Joinville/SC, conta que a Liberdade e Luta já habilitou comissão eleitoral em duas universidades da cidade e que a eleição dos delegados será feita do modo mais democrático, para isso, o período de inscrição de chapas acontecerá durante todo o mês de abril. A disposição de formar uma grande delegação é a essência da real intenção de participar do CONUNE: “É importante antes de tudo preparar o Congresso da UNE, preparar a discussão na base, nas universidades. É um momento pra gente discutir com os estudantes o movimento estudantil e daí toda situação política que estamos vivendo. Dialogar com eles e organizar com o objetivo de se eleger delegado para ir ao congresso e medir o quanto conseguimos agrupar em torno dessas ideias, o quanto essas ideias estão ecoando dentro da universidade”, finaliza Bruna. 

Deixe seu comentário

Leia também...

Trabalhadoras se identificam nas pautas do Movimento Mulheres pelo Socialismo

Ao som de Milton Nascimento cantando que “Maria é uma mulher que merece viver e …