Início / Luta de Classes | Ver Mais / Realizada atividade Cem Anos da Revolução Russa e a Luta das Mulheres
Crédito: Francine Hellmann

Realizada atividade Cem Anos da Revolução Russa e a Luta das Mulheres

Na noite de quarta-feira (8/3) aconteceu em Joinville a atividade “Cem anos da Revolução Russa e a luta das mulheres”. Realizada pela Esquerda Marxista (EM), a atividade aconteceu na sede do Sindicato dos Servidores Públicos de Joinville e Região (Sinsej) e teve como informantes as camaradas Thaís Tolentino e Bruna dos Reis. Diversas mulheres, e também homens, estiveram presentes.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Thaís, que também é coordenadora regional do Sinte, iniciou o informe. A camarada lembrou que machismo existe, sim, e que a única forma de o extirpar é através da luta de classes, da derrubada do capitalismo. Thaís ressaltou a importância do livro “A origem da família, da propriedade privada e do Estado”, de Friedrich Engels, para entender a evolução da sociedade e a sua atual divisão em classes. Conforme a militante, esse livro também explica sobre o surgimento do machismo, como ele está ligado aos meios de produção e, enfim, à propriedade privada e patriarcal.

A primeira onda feminista, o trabalho das mulheres nas fábricas, a exploração, as jornadas duplas ou triplas e a conquista do sufrágio também foram abordadas durante seu informe. Segundo Thaís, a Revolução Russa é um dos principais exemplos que a luta contra o machismo está ligada à batalha pela derrubada do capitalismo. As mulheres proletárias e as burguesas combatiam lado a lado no início. Porém, não demorou para que as mulheres burguesas abandonassem a luta pela igualdade de direitos, pois suas condições financeiras lhes favoreciam.

Em seguida, Bruna contextualizou a situação das mulheres no mundo, em especial do Paquistão. Neste país, somente 12% das mulheres frequentam escolas, a falta de água e energia é recorrente, 56% da população é analfabeta e cerca de mil mulheres por ano são mortas por “crime de honra”. Entretanto, é no Paquistão que a EM mais possui militantes mulheres. São as dificuldades materiais que num primeiro momento sensibilizam as camaradas para a luta, pois entendem que é preciso destruir o capitalismo para então se livrarem de séculos de atraso.

Em sua fala, a militante alertou ainda para o uso do termo “feminismo”, como ele caiu no modismo e como separa as mulheres em vez de uni-las, já que foi apropriado pela burguesia e passou a significar a separação entre homens e mulheres trabalhadores. As reuniões fechadas, onde somente mulheres são permitidas, e a crença de que é possível vencer o machismo sem luta de classes são vantajosas aos burgueses. Quanto mais dividida está a classe trabalhadora – composta por homens e mulheres –, menos risco corre o capital. Por isso, o isolamento deve ser combatido. Para acabar com o machismo, racismo, e todas as opressões, é necessária a derrubada do atual sistema.

Após as falas dos participantes, a mesa encaminhou duas propostas que foram aceitas por unanimidade. A primeira, é a realização da atividade na Universidade da Região de Joinville (Univille), no dia 16 de março, às 19 horas. A segunda, a elaboração do mesmo informe em casas de mulheres presentes na atividade. Os presentes se comprometeram a ajudar na elaboração convidando seus contatos.

Para encerrar, a estudante do terceiro ano da Escola Estadual Paulo Medeiros, Natiélle Teixeira Silva, leu o poema “Mulheres”, de sua autoria:

Mulheres

Hoje vou falar delas
As guerreiras da sociedade
As que não podem ficar na rua até tarde

O sistema tá tão errado que elas acabaram perdendo a cabeça
Pra afrontar o Estado acham que precisam mostrar as “teta”

Os únicos direitos conquistados foram o de votar, estudar e trabalhar
Ainda tem muita coisa mal resolvida, mas ninguém tem coragem de falar

Quando escuta que a mina foi estuprada, pergunta
Onde? Quando? E que roupa ela usava?

Se a mina usa uma roupa meio larga ou cabelo meio curto já diz que é sapatão
Isso só porque os guri preferem uma mina mais padrão

Já o homem pode se vestir do jeito que quiser e sentir vontade
Só não muito afeminado, porque senão é um afronto a sociedade

Diz ser contra o aborto porque é a favor da vida
Mas traz chá quando a mina engravida

Achou que só os comprimidos eram necessários usar
E também porque é mais prático tirar antes de gozar

Do machismo eu já tô cansada
Ele justifica frases que fazem das mulheres escravas

O muleque tem uma namorada e diz que a respeita
Se a proposta dela for com outra mulher tem fetiche
E se for com outro homem não aceita

O mano fica com um monte de mina, é chamado de pegador
A mina fica com um monte de mano, é chamada de puta
Até que ponto chega sua conduta

Agora vou falar a real
Não é normal ser taxada como objeto sexual

Vou mandar meu papo sincero
Se levar na cara, disque um oito zero

Vamos fazer a revolução
Acabar com esse bando de ladrão
Aqui nós não têm padrão

Deixe seu comentário

Leia também...

OSs vão solucionar os problemas na saúde? NÃO

Fala de Roque Ferreira, presidente do PSOL/Bauru e militante da Esquerda Marxista, na audiência pública …