Início / Artigos / Irã: Liberdade para todos os presos políticos!

Irã: Liberdade para todos os presos políticos!

No Brasil, piquete na porta do edifício da Câmara de Indústria e Comércio Brasil-Irã em São Paulo e carta enviada à Embaixada do Irã em Brasília, expressam a solidariedade aos trabalhadores iranianos.

Hoje, 23 de Março, um grupo de ativistas fez um piquete com faixa e cartazes na porta do edifício da Câmara de Indústria e Comércio Brasil-Irã, em São Paulo.

“Não havia ninguém da Câmara para nos receber, mas chamamos a atenção de todos que passavam e que entravam e saíam do prédio”, disse Daniel Feldmann, economista presente no piquete.

Dois dias atrás, em 21 de Março, uma Conferência Sindical em São Paulo adotou a carta abaixo. Os sindicalistas discutiram a importância de solidariedade deste tipo e decidiram ajudar de todas as maneiras possíveis.

Em vários países o mesmo está sendo feito. Você pode ler mais sobre isso no site da Rede de Solidariedade aos Trabalhadores Iranianos (IWSN, da sigla em inglês).

Para ter mais informações sobre a situação no Irã em português e saber como enviar mensagens à embaixada iraniana no Brasil, clique aqui e leia o artigo anterior.

Leia abaixo íntegra da carta aprovada no Sábado e enviada à embaixada iraniana em Brasília:

À Vossa Excelência O Embaixador da República Islâmica do Irã

Viemos através desta expressar nosso repúdio em relação ao tratamento brutal ao qual estão submetidos os ativistas – estudantes e trabalhadores – que tentam defender os direitos básicos dos trabalhadores, das mulheres, dos estudantes e minorias nacionais no Irã.

Nos presídios iranianos estão milhares destes ativistas. Nós solicitamos a imediata e incondicional liberdade de todos os presos políticos no Irã.

Os setores da sociedade defendidos por estes ativistas, especialmente o dos operários, estão todos experimentando extremas dificuldades econômicas enquanto são privados de seus direitos mais elementares. Portanto, nós também solicitamos que lhes seja assegurado o direito de organizar sindicatos operários independentes.

Liberdade para todos os presos políticos já!
Liberdade de organização sindical já!
Os trabalhadores iranianos não estão sozinhos!

Respeitosamente:

Adel dahel Filho (Diretor do Sindicato dos Ferroviários de Bauru, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul)
Aderbal da Silva Chagas (Trabalhador da Fábrica Ocupada Flaskô)
Adilson Mariano (Vereador de Joinville/SC)
Alex Minoru (Jornal Luta de Classes)
Alex Sandro dos Santos (Diretor do SINTRASEM – Florianópolis/SC)
Alexandre Mandl (Advogado da Fábrica Ocupada Flaskô)
Altacilio Alves de Freitas (STF/RJ)
Alvaro Cardoso de Lima (Diretor do Sindicato dos Vidreiros do Estado de São Paulo)
Arionaldo Angelo (Trabalhador da Fábrica Ocupada Flaskô)
Caio Dezorzi (Coletivo Municipal da JPT de São Paulo)
Clarissa Suzuki (Conselheira Regional do SINPEEM)
Cristiane Paula Sacconi (Professora de São Paulo)
Edson da Silva (Presidente do Sindicato dos Metlaurgicos de Garuva e Itapoá/SC)
Eliane Alvino da Costa (SindSaude/PE)
Elisângela S. Almeida (Diretora do Sindicato dos Vidreiros do Estado de São Paulo)
Fernando Leal (Petroleiro do Rio de Janeiro)
Francisco Carlos Muniz (Presidente do SISMUP/PE)
Francisco Correira Silva (Diretor do Sindicato dos Vidreiros do Estado de São Paulo)
Ivan Sales Pereira (Sintrafrios/RJ)
Jessi Silvares (Diretor do Sindicato dos Laticínios/RJ)
Joaquim Pereira (Diretor do Sindicato dos Vidreiros do Estado de São Paulo)
Jorge Luis Don Martins (Diretor do Sindicato dos Vidreiros do Estado de São Paulo)
José Carlos Miranda (Movimento Negro Socialista)
José Guido de Brito (Diretor do Sindicato dos Vidreiros do Estado de São Paulo)
José Luis dos Santos (Diretor do Sindicato dos Vidreiros do Estado de São Paulo)
Jurandir da Silva (Diretor do Sindicato dos Vidreiros do Estado de São Paulo)
Luis Carlos Moraes Silva (Sindicato dos Correios de Campinas)
Luis de Oliveira (Trabalhador da Fábrica Ocupada Flaskô)
Marcio Nascimento (Diretor do SINTRASEM – Florianópolis/SC)
Mariano Januario Andrade (Diretor do Sindicato dos Vidreiros do Estado de São Paulo)
Marília Carbonari (Atriz – Movimento 27 de Março)
Miriam Lourdes (SINTEE/PE)
Osvaldo Costa Neto (Trabalhador da Fábrica Ocupada Flaskô)
Osvaldo de França (Diretor da CUT/SC)
Pedro Santinho (Coordenador da Fábrica Ocupada Flaskô/SP)
Plínio Baldoni (Diretor do Sindicato dos Ferroviários de Bauru, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul)
Rafael Prata (Bancário do Banco do Brasil/SP)
Renata Costa (Servidora Municipal de Campinas/SP)
Renato Pizzatto Vivan (Professor de Curitiba/PR)
Roque Ferreira (Vereador de Bauru-SP)
Serge Goulart (Movimento Nacional das Fábricas Ocupadas)
Severino Nascimento “Faustão” (Sindicato dos Químicos de Pernambuco)
Verivaldo Mota da Silva (Diretor do Sindicato dos Vidreiros do Estado de São Paulo)

São Paulo, 21 de Março de 2009.

Deixe seu comentário

Leia também...

Argentina: nossa posição diante das eleições primárias abertas

Atualmente, nós da classe trabalhadora, estudantes e camponeses vivemos uma forte investida da direita em …

Deixe uma resposta