Início / Sem Categoria / Governo impôs recuo na greve dos correios. Bancários seguem combatendo

Governo impôs recuo na greve dos correios. Bancários seguem combatendo

Wanderci Bueno


Penso e penso, busco encontrar algum fio de conteúdo político que se relacione com a defesa dos interesses dos trabalhadores na fala do petista e Ministro Secretário Geral da Presidência da República, Gilberto de Carvalho, que avalizou solenemente a decisão do Tribunal Superior do Trabalho que impôs o fim da greve aos trabalhadores do Correio, descontando 7 dias de salários e enfiando goela abaixo a reposição de 21 dias por meio de jornadas extras aos sábado e domingos. Obviamente não encontrei nem um naco desse fio que procurava.


O ministro declarou: “O governo não pode mexer nessa questão. É uma determinação da Justiça que será cumprida. Nós não temos mais o que fazer nesse ano salvo cumprir essa decisão. Do ponto de vista salarial, a proposta é boa. Tanto que a categoria tinha aceito essa proposta há cerca de 20 dias. O que ficou pendente era a questão dos dias parados.” Isso depois do governo se recusar a apresentar algo aceitável aos trabalhadores durante 28 dias. 


Vejamos:

1- As reivindicações centrais dos trabalhadores eram: reajuste de 7,16%, reposição das perdas dos últimos 16 anos de 24%, mais reajuste linear de R$ 400,00.

O governo enrolou as negociações e sempre propôs algo muito abaixo do reivindicado, sempre exigindo o desconto dos dias parados. Sua estratégia era empurrar a decisão ao reacionário Tribunal do Trabalho, pois sabia que a linha dura da época da ditadura seria aplicada.

2- A decisão do Tribunal veio tal qual o governo queria e desejava: 6,87% de reposição, reajuste linear de R$ 80,00 a partir de outubro e um vale extra (alimentação) único de R$ 575,00. Reposição de 21 dias de greve, desconto de 7 dias e mais multa de R$ 50.000,00 por dia se continuasse a greve. 

E o ministro depois de tudo isso, vem e diz: “Não há o que ser feito”. Então: se o Tribunal mandar prender dirigentes sindicais e grevistas, segundo o Ministro nada poderá ser feito. Ah, isso não vai ocorrer! Vivemos em uma democracia onde se respeita a independência dos poderes. Mas que independência é esta que dá ao governo, o patrão dos Correios, o poder de mandar a Justiça agir e julgar uma greve? Bela democracia! Me fez recordar de quando Lula foi preso na época da ditadura. Mas certamente Gilberto já se esqueceu disso!   

O Tribunal “julga” e pune, aliás, pune e não julga nada! E o ministro Gilberto, o espertão, acha que a “posição intransigente” dos grevistas foi o que provocou a ira dos Ministros do Tribunal, quando na verdade o Tribunal atendeu aos silenciosos apelos do governo que nunca negociou com os trabalhadores. Mas o ministro, parecendo estar em outro planeta, seguiu com suas bobagens, aliás, ele está se especializando nisso desde quando propôs a demissão de 4.000 trabalhadores nas obras da Usina de Jirau, para livrar a cara da construtora Camargo Correia, alegando que o levante de Jirau ocorreu porque a construtora havia contratado gente demais. 

Disse ele agora: “A vida é assim quando é possível um acordo, bem, quando não dá, vai para a Justiça. O governo não muda sua posição de seguir dialogando”. Belo diálogo este, digno de escárnio, de desprezo, por parte daqueles que tanto lutaram para eleger Dilma e agora, vem esse senhor (pago com o dinheiro dos trabalhadores e do povo, atender os interesses das forças que querem privatizar os Correios, os aeroportos, os portos, o petróleo) falar que o governo segue dialogando. 

Aguardem os próximos capítulos dessa tenebrosa aliança. Coisa boa não vai dar, isso do governo se aliar aos empresários, latifundiários e banqueiros, sempre cheirou mal. Alertamos contra isso seguidas vezes!

E os bancários que se cuidem! A direção majoritária da CUT disse que está firme e que convenceu o governo a abrir negociações com os grevistas bancários. Pode vir bomba aí! O defunto pode se fingir de morto para que os coveiros do Tribunal comam o fígado dos bancários! É sempre bom estar atentos, afinal, os banqueiros foram os grandes financiadores da campanha de Dilma e podem agora querer cobrar a fatura pelo favorzinho antes emprestado.

E a direção majoritária da CUT que não moveu uma palha para unificar as lutas das categorias mobilizadas, apesar de falar e falar em um tal plano de lutas, entra mais uma vez em cena e diz que conseguiu abrir o diálogo com o governo. (Ué, mas ele não estava aberto?)

Passadas as greves dos professores e dos correios, os bancários seguem em seu combate, agora sós. Mas os dois candidatos para presidente da CUT são bancários e a base está firme. Sei não. Parece que tem coelho nesse mato!

Deixe seu comentário

Leia também...

Espanha: greve de mineiros se enfrenta com a repressão policial

Há mais de 15 dias os mineiros da região das Astúrias na Espanha, estão em …