Início / Artigos / Governo de Coalizão: Inimigos do povo assumem ministérios no governo Lula

Governo de Coalizão: Inimigos do povo assumem ministérios no governo Lula

Só pode ser uma aberração empossar o “executivo” Miguel Jorge para o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, afinal, o próprio Lula e seus companheiros do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC tiveram que enfrentá-lo!

Desde o primeiro mandato, alguns políticos e partidos ligados aos patrões e latifundiários compõem o governo do presidente Lula. Portanto, a proposta de formar um Governo de Coalizão não é nova, mas agora serve de pretexto para aumentar a participação de partidos que são históricos inimigos da classe trabalhadora e do próprio PT, como o PMDB de José Sarney, o PP de Paulo Maluf e o PTB de Roberto Jefferson e Fernando Collor de Melo.

Para o governo, é como se não houvesse interesses de classes sociais diferentes em disputa, portanto, seria plenamente viável a convivência pacífica entre patrões e operários e entre latifundiários e sem-terras. Aliás, os defensores da coalizão acham que ela é necessária para dar sustentação ao PT, pois sem tais alianças, Lula não conseguiria maioria no Congresso Nacional. Mas, na verdade o problema é outro: como governar para os trabalhadores se há patrões e latifundiários no poder?

Só pode ser uma aberração empossar o “executivo” Miguel Jorge para o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, afinal, o próprio Lula e seus companheiros do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC tiveram que enfrentá-lo quando ele era diretor da Volkswagen. É verdade, os tempos mudaram, mas no essencial permanece o mesmo, pois os operários da Volks tiveram que entrar em greve ano passado para brigar contra as demissões. A luta de classes ainda é o motor da história.

Reacionário agora é aliado?

E o que dizer de Reinhold Stephanes, novo ministro da Agricultura? Deputado pelo ARENA (antigo partido da Ditadura Militar), passou pelo PDS, PFL e hoje está no PMDB. Foi ministro do general Geisel, do ex-presidente Collor e também de Fernando Henrique Cardoso. Entre 1995 e 1998, encabeçou as reformas da Previdência de FHC que, entre outras coisas, extinguiu o “tempo de serviço” por “tempo de contribuição”, dificultando ainda mais o acesso à aposentadoria.

A primeira medida dele no governo Lula será a criação de um seguro rural de milhões de reais em benefício dos latifundiários. A Associação da Indústria Canavieira de SP agradece: “mais uma vez reiteramos a confiança plena no presidente da República em relação à escolha de seus auxiliares diretos. Dessa forma, temos a certeza de que o ministro Reinhold Stephanes dará continuidade ao excelente trabalho de seu antecessor, o ex-ministro Roberto Rodrigues”.

Mais direto impossível! Os usineiros, banqueiros e empresários agradecem, mas os trabalhadores não! A cada passo à direita que o governo dá, os trabalhadores irão para a esquerda, abrindo caminho para uma revolução que expulse do poder os capitalistas.

Conheça os ministros burgueses que infectam o governo do PT

A política de coalizão com a burguesia, além de tentar mascarar a realidade da luta de classes, é um desrespeito ao voto das 58 milhões de pessoas que re-elegeram Lula contra Geraldo Alckmin do PSDB. Afinal, se o povo votou no PT, então, por que PMDB, PTB e PP estão no governo? Esses partidos, que sempre apoiaram Collor e FHC, não deveriam mais estar no comando. Porém, a lista de “aliados” é extensa. Conheça os ministros burgueses que infectam o governo Lula:

Saúde – José Gomes Temporão (PMDB). Foi anunciado como um técnico da área por ser médico, mas é apadrinhado político do governador do RJ, Sérgio Cabral.

Integração Nacional – Geddel Vieira Lima (PMDB). Fazendeiro de cacau e pecuarista, foi líder de seu partido no apoio ao segundo mandato de FHC. Prepara a transposição do Rio São Francisco.

Comunicações – Hélio Costa (PMDB). Com ele, as operadoras privadas de telefonia tornaram-se campeãs de reclamações e de lucro. Criticou Chávez porque o presidente venezuelano reforçou a rede pública de rádio e TV no país e comprou parte da golpista CanTV.

Minas e Energia – Silas Rondeau (PMDB). Foi diretor de companhias elétricas, como da privatizada CPFL. Promove leilões de energia e é “flexível” quanto à legislação ambiental das hidrelétricas. É um entrave para a re-estatização da Vale do Rio Doce.

Relações Institucionais – Walfrido dos Mares Guia (PTB). É um tubarão do ensino privado, foi ministro do Turismo no 1o mandato e agora tem a missão de dar coesão à base de apoio do governo. A experiência em corrupção política desse partido ajudará em muito nesse sentido.

Cidades – Márcio Fortes de Almeida (PP). É um rato de gabinete. Transita pelo segundo escalão do Executivo desde o governo Collor. Também já participou de entidades patronais, como CNI.

Transportes – Alfredo Nascimento (PRB). É do mesmo partido do patrão-vice-presidente José Alencar. Na gestão passada, conduziu a desastrosa operação tapa-buracos nas rodovias e apóia as concessionárias da rede federal ferroviária privatizada.

Previdência – ficará a cargo do PDT. Quem assumir poderá atender a pressão imperialista por novas contra-reformas, mas, antes, buscará atrelar as centrais sindicais a um órgão estatal junto com os patrões. Contar com a colaboração da Força Sindical é mais fácil, afinal, o PDT impulsiona essa central pelega. Agora, na base da CUT haverá forte resistência.

Além desses ministérios, não se pode esquecer do ex-deputado tucano e ex-presidente do BankBoston, Henrique Meirelles, que permanece na presidência do Banco Central, com a confiança de Lula e sua “equipe econômica”.

Deixe seu comentário

Leia também...

Nota da Executiva Nacional do PSOL sobre os desaparecidos no Paquistão

Ao Embaixador do Paquistão no Brasil, Sr. Najm us Saqib Tomamos conhecimento de que num …

Deixe uma resposta