Início / Artigos / Falsas Negociações entre Israel e Autoridade Nacional Palestina, sob controle dos Estados Unidos

Falsas Negociações entre Israel e Autoridade Nacional Palestina, sob controle dos Estados Unidos

Os EUA tentarão impor sua paz armada de olho em todo o Oriente Médio. A Autoridade Nacional trai e sucumbirá completamente, é necessário abrir uma via positiva e revolucionária ao povo palestino.

No último dia 2 de setembro a imprensa internacional divulgou boletins sobre as pretensas negociações de paz entre o governo de Israel e a Autoridade Palestina.

Ao que tudo indica os EUA, por meio de Obama e Hillary Clinton, escudados no controle que têm sobre Israel e suas forças armadas estão “negociando” para submeter palestinos e israelenses aos planos imperialistas.

Segundo um boletim da BBC, o primeiro ministro de Israel, Netanyahu reconheceu que: “serão necessárias concessões dolorosas, de ambos os lados”. Já Mahmoud Abbas (da Autoridade Palestina) pediu que Israel “suspenda a construção de todos os assentamentos e também o bloqueio à Faixa de Gaza”.

Nenhuma palavra sobre a retirada das tropas israelenses e retirada dos invasores que se instalaram em território palestino, ou sobre a volta dos refugiados. Abbas mendigou apenas que suspendam a construção de novos assentamentos e que suspendam o bloqueio à faixa de Gaza. Obama deu prazo de um ano para tudo se resolver. Obviamente que neste prazo os EUA tentarão impor sua paz armada de olho em todo o Oriente Médio. A Autoridade Nacional trai e sucumbirá completamente, é necessário abrir uma via positiva e revolucionária ao povo palestino.

Uma aliança para a barbárie

Hillary Clinton declarou que: “… os Estados Unidos prometeram seu apoio total para estas negociações e nós seremos um parceiro ativo e que o governo americano não vai impor uma solução” e acrescentou: “As questões mais importantes no centro destas negociações, território, segurança, Jerusalém, refugiados, assentamentos e outras, não vão ficar mais fáceis se esperarmos, nem vão se resolver sozinhas”. Ou seja, para serem resolvidas será necessário o apoio total dos EUA e isso nada mais é do que aumentar o controle e subjugação do povo de Israel e dos Palestinos pelo imperialismo norte-americano. Esta é paz de Obama, Clinton, Abbas e Netanyahu.

Enquanto isso o Hamas, segue com suas ações terroristas contra os israelenses. É incapaz de dar qualquer passo na via da organização das massas palestinas. Os métodos de terror individual não ajudam em nada. Marx, Lênin e Trotsky já escreveram milhares de páginas para explicar que a saída contra a dominação capitalista está na ação consciente e revolucionária das massas, em seu levante coordenado e dirigido por um Partido Revolucionário. A Autoridade Nacional Palestina, o Hamas, cada um a seu modo, capitulam e caem de joelhos diante dos serviçais gerentes do imperialismo estadunidense: a burguesia e governo de Israel que são uma agência dos negócios e interesses dos EUA no Oriente Médio.

Os marxistas lutam e se declaram pela paz, pela retirada dos invasores sionistas do território Palestino, pela retirada das tropas de Israel, pelo imediato fim do bloqueio, abrir as fronteiras entre Gaza e Israel, pelo direito de retorno a todos os refugiados palestinos, pelo fim do terrorismo, pelo armamento geral do povo palestino e por sua unidade com os trabalhadores israelenses para derrotar o inimigo comum: o estado sionista de Israel e o imperialismo norte-americano.

• Fora com as tropas sionistas e a ingerência norte-americana de todo o Oriente Médio!
• Por uma Palestina laica e democrática em todo o território histórico da Palestina em que convivam fraternalmente todos os povos da região!
• Por uma Federação Socialista do Oriente Médio!

Deixe seu comentário

Leia também...

Reforma política: Nosso dinheiro para Bolsonaro, iscas para a esquerda e barreira para as organizações de trabalhadores

Michel Temer sancionou na sexta-feira (6/10) a reforma política, que, entre outros absurdos, desvia um …

Deixe uma resposta