Início / Teoria / História / Biografia e Memória / Faleceu o escritor Eduardo Galeano

Faleceu o escritor Eduardo Galeano

Reproduzimos aqui a homenagem ao escritor Eduardo Galeano publicada pelos camaradas da seção mexicana da CMI (La Izquierda Socialista).

Reproduzimos aqui a homenagem ao escritor Eduardo Galeano publicada pelos camaradas da seção mexicana da CMI (La Izquierda Socialista).

A mídia internacional confirmou o falecimento do escritor uruguaio Eduardo Galeano aos 74 anos devido a um câncer no pulmão.

O escritor, ensaísta, jornalista e voz de milhares de leitores na América Latina iniciou sua carreira jornalística no jornal de linha socialista “El Sol”, onde colaborou como cartunista político sob o pseudônimo de “Gius”. Nos anos setenta foi chefe de redação do semanário Marcha e durante anos diretor do diário “Época”.

Em 1973 foi um dos milhares de exiliados do golpe de Estado sofrido pelo Uruguai. Foi para a Argentina, onde fundou a revista “Crisis”. Em 1985 voltou a sua terra natal onde fundou sua própria publicação, “El Chanchito”, além de colaborar semanalmente no diário mexicano “La Jornada”.

Autor de inúmeras obras como “Los Dias Seguientes” (1962), “China” (1964): “Crónica de un desafio” (1964), “Los fantasmas del día del león y otros relatos” (1967). “Guatemala: Clave de Latinoamérica” (1967), “Reportajes: Tierras de Latinoamérica, otros puntos cardinales, y algo más” (1967), “Su majestad el fútbol” (1968), sendo sua obra mais representativa “As veias abertas da América Latina” (1971). (Nota do tradutor: Algumas de suas obras editadas em tradução para o português no Brasil são “Dias e Noites de Amor e Guerra” (1975), “Memória do Fogo – Trilogia” (1982/1986), “A Pedra Arde” (1983), “O Livro dos Abraços” (1989), “Nós Dizemos Nãos” (1989), “O Futebol ao Sol a à Sombra” (1985), “Ser Como Eles” (1997), “Mulheres” (1997), “De pernas Para o Ar” (1997) “O Teatro do Bem do Mal” (2002) e “O Filhos dos Dias” (2012)).

Eduardo Galeano foi um dos escritores que mais se pronunciaram contra as diversas injustiças sociais e recentemente escreveu sobre a situação de Ayotzinapa e dos 43 estudantes desaparecidos. Reproduzimos um fragmento de sua coluna publicada no jornal La Jornada referente ao caso dos 43 desaparecidos:

“Os órfãos da tragédia de Ayotzinapa não estão sozinhos na busca de seus entes queridos perdidos em meio ao caos dos lixões em chamas e das fossas cheias de restos humanos.

Os acompanham as vozes solidárias e sua calorosa presença ao redor do México e mais além, incluindo os campos de futebol onde há jogadores que celebram seus gols desenhando no ar com os dedos o número 43, rendendo homenagem aos desaparecidos”

Eduardo Galeano, o escritor e ensaísta que deu voz às milhares de pessoas que foram privadas de fala neste mundo capitalista que reproduz a exclusão, disse adeus ao mundo no qual criava sua utopia, que sempre lhe serviu para seguir caminhando.

Deixe seu comentário

Leia também...

Lições dos quatro primeiros congressos da Internacional Comunista

Discutiremos aqui os quatro primeiros congressos da Internacional Comunista (IC), ainda dirigidos por Lenin e …