Início / Documentos | Ver Mais / Fábricas Ocupadas / Fábrica Ocupada Flaskô realiza a sétima edição do seu Festival Cultural

Fábrica Ocupada Flaskô realiza a sétima edição do seu Festival Cultural

Convocatória e programação de uma das importantes iniciativas promovidas pelos trabalhadores da Fábrica Ocupada Flaskô.

Nota da edição: A Esquerda Marxista segue ombro a ombro com os trabalhadores e saúda a realização deste importante espaço cultural.


Neste próximo final de semana, nos dias 04, 05 e 06 de novembro de 2016, teremos a sétima edição do Festival Flaskô Fábrica de Cultura.

Entendemos a arte como instrumento de reflexão e crítica da organização produtiva na sociedade atual, uma arte que contribua para a formação de sujeitos que se reconheçam como tais diante da história, capazes de compreender o passado, de criar suas próprias memórias, de se articular socialmente, de mudar o rumo das coisas. É através da arte que podemos manifestar nossas ideias e ideais. Através da convivência, de conversas casuais, de compartilharmos os espaços é que podemos construir mudanças.

Assim, é com grande satisfação que trazemos a público o 7° Festival que se realizará de 04 a 06 de novembro de 2016. As atividades acontecerão na Flaskô, Rua Marcos Dutra Pereira, 300 – Parque Bandeirantes – Sumaré – SP e nos arredores da fábrica.

A Flaskô é uma fábrica ocupada que produz tambores plásticos industriais e segue há 13 anos sob controle dos trabalhadores após o abandono provocado pelo patrão em 2003.

Em agosto de 2010, ocorreu o primeiro Festival em decorrência da criação da Fábrica de Esportes e Cultura. A iniciativa tem como objetivo potencializar a luta dos trabalhadores da fábrica e promover atividades culturais e esportivas à comunidade do entorno.

Desde então, nos últimos 6 anos ocorreram grandes festivais que sempre serviram como espaço de resistência e iniciativa no meio cultural por parte dos trabalhadores e trabalhadoras da fábrica. Durante todas estas atividades pudemos nos encontrar com muitos parceiros, dialogar através de peças, debates, lançamento de livros, músicas e filmes. Os quatro Festivais anteriores contaram com a presença de grupos artísticos, bandas, apoiadores e público de outros lugares do Brasil e, inclusive, de outros países.

Mais uma vez estão todos convidados e a casa é nossa!

Veja mais em:

http://www.festivalflasko.org.br/

https://www.facebook.com/events/1102608353149700/

Olhe a programação atualizada e definitiva… #festivalflasko2016

04 DE NOVEMBRO (sexta)

16h-19h: Discotecagem em vertentes do reggae com o Coletivo Djanguru Sistema de Som de Guarulhos + DJ Flávio Rude de Campinas

Oficinas:
1. Grafitagem – Coletivo Cultura na Base de Sumaré

2. Modelo Vivo – com Lídia Ganhito, Helena Obersteiner e Pedro Ogata de São Paulo.

3. Compostagem Doméstica – com Alexandre Souza de Campinas

Feira colaborativa de moda, artesanatos, livros, zines, brechós e muito mais

19h – ABERTURA: Espetáculo “Blitz – o império que nunca dorme” com a Trupe Olho da Rua de Santos

21h – Espetáculo “gensSELVAgens – o não espetáculo” com a Trupe Trapo Cia Artística de Campinas

22h – Djanguru Sistema de Som + DJ Flávio Rude

05 DE NOVEMBRO (sábado)

11h – Visita Monitorada à Fábrica e Centro de Memória Operária e Popular (CEMOP)

14h – Performopalestra “Helena vadia” de Pâmella Villanova de Campinas (classificação a partir de 16 anos)

16h – Espetáculo de bonecos “Bendito os Beneditos” de Sebastian Marques de Campinas

17h – Exposição fotográfica “Refugiados: da Grécia à Macedônia” + Roda de conversa com a fotógrafa Joana Bon de Portugal

18h – Debate “A conjuntura no país e a situação atual da Flaskô”

20h – Espetáculo “No coração das máquinas” com o coletivo LIPS de São Paulo

21:30h – Espetáculo de palhaçaria “Os camaradas” com o Grupo Os Mosca Torta de Campinas

22:30h – Roda de Samba e Pagode

06 DE NOVEMBRO (domingo)

11h – Visita Monitorada à Fábrica e Centro de Memória Operária e Popular (CEMOP)

14h – Exibição do documentário “Cartas para Angola” produzido pela Laboratório Cisco de Campinas

15h30 – Exibição do curta “A última guerra em Canudos: a barganha” de Rafael Ghiraldelli de Campinas

16h – Espetáculo “Vidas secas” de Sergio Audi/Coletvo Núcleo 2 de São Paulo

18h – Apresentação musical do projeto “Doze poses” + exposição fotográfica com Guilherme Vazquez de Guarulhos

19h – Apresentação musical da banda Encanteria de Campinas

20h – ENCERRAMENTO: discotecagem com DJ Digão de Campinas (Seleção “A voz do mulherio”)

Deixe seu comentário

Leia também...

A juventude no lançamento do livro Stalin, de Leon Trotsky

Repercussão do lançamento da edição brasileira em São Paulo No dia 4 de outubro de …