Início / Documentos | Ver Mais / Fábricas Ocupadas / Fábrica Ocupada Flaskô realiza a sétima edição do seu Festival Cultural

Fábrica Ocupada Flaskô realiza a sétima edição do seu Festival Cultural

Convocatória e programação de uma das importantes iniciativas promovidas pelos trabalhadores da Fábrica Ocupada Flaskô.

Nota da edição: A Esquerda Marxista segue ombro a ombro com os trabalhadores e saúda a realização deste importante espaço cultural.


Neste próximo final de semana, nos dias 04, 05 e 06 de novembro de 2016, teremos a sétima edição do Festival Flaskô Fábrica de Cultura.

Entendemos a arte como instrumento de reflexão e crítica da organização produtiva na sociedade atual, uma arte que contribua para a formação de sujeitos que se reconheçam como tais diante da história, capazes de compreender o passado, de criar suas próprias memórias, de se articular socialmente, de mudar o rumo das coisas. É através da arte que podemos manifestar nossas ideias e ideais. Através da convivência, de conversas casuais, de compartilharmos os espaços é que podemos construir mudanças.

Assim, é com grande satisfação que trazemos a público o 7° Festival que se realizará de 04 a 06 de novembro de 2016. As atividades acontecerão na Flaskô, Rua Marcos Dutra Pereira, 300 – Parque Bandeirantes – Sumaré – SP e nos arredores da fábrica.

A Flaskô é uma fábrica ocupada que produz tambores plásticos industriais e segue há 13 anos sob controle dos trabalhadores após o abandono provocado pelo patrão em 2003.

Em agosto de 2010, ocorreu o primeiro Festival em decorrência da criação da Fábrica de Esportes e Cultura. A iniciativa tem como objetivo potencializar a luta dos trabalhadores da fábrica e promover atividades culturais e esportivas à comunidade do entorno.

Desde então, nos últimos 6 anos ocorreram grandes festivais que sempre serviram como espaço de resistência e iniciativa no meio cultural por parte dos trabalhadores e trabalhadoras da fábrica. Durante todas estas atividades pudemos nos encontrar com muitos parceiros, dialogar através de peças, debates, lançamento de livros, músicas e filmes. Os quatro Festivais anteriores contaram com a presença de grupos artísticos, bandas, apoiadores e público de outros lugares do Brasil e, inclusive, de outros países.

Mais uma vez estão todos convidados e a casa é nossa!

Veja mais em:

http://www.festivalflasko.org.br/

https://www.facebook.com/events/1102608353149700/

Olhe a programação atualizada e definitiva… #festivalflasko2016

04 DE NOVEMBRO (sexta)

16h-19h: Discotecagem em vertentes do reggae com o Coletivo Djanguru Sistema de Som de Guarulhos + DJ Flávio Rude de Campinas

Oficinas:
1. Grafitagem – Coletivo Cultura na Base de Sumaré

2. Modelo Vivo – com Lídia Ganhito, Helena Obersteiner e Pedro Ogata de São Paulo.

3. Compostagem Doméstica – com Alexandre Souza de Campinas

Feira colaborativa de moda, artesanatos, livros, zines, brechós e muito mais

19h – ABERTURA: Espetáculo “Blitz – o império que nunca dorme” com a Trupe Olho da Rua de Santos

21h – Espetáculo “gensSELVAgens – o não espetáculo” com a Trupe Trapo Cia Artística de Campinas

22h – Djanguru Sistema de Som + DJ Flávio Rude

05 DE NOVEMBRO (sábado)

11h – Visita Monitorada à Fábrica e Centro de Memória Operária e Popular (CEMOP)

14h – Performopalestra “Helena vadia” de Pâmella Villanova de Campinas (classificação a partir de 16 anos)

16h – Espetáculo de bonecos “Bendito os Beneditos” de Sebastian Marques de Campinas

17h – Exposição fotográfica “Refugiados: da Grécia à Macedônia” + Roda de conversa com a fotógrafa Joana Bon de Portugal

18h – Debate “A conjuntura no país e a situação atual da Flaskô”

20h – Espetáculo “No coração das máquinas” com o coletivo LIPS de São Paulo

21:30h – Espetáculo de palhaçaria “Os camaradas” com o Grupo Os Mosca Torta de Campinas

22:30h – Roda de Samba e Pagode

06 DE NOVEMBRO (domingo)

11h – Visita Monitorada à Fábrica e Centro de Memória Operária e Popular (CEMOP)

14h – Exibição do documentário “Cartas para Angola” produzido pela Laboratório Cisco de Campinas

15h30 – Exibição do curta “A última guerra em Canudos: a barganha” de Rafael Ghiraldelli de Campinas

16h – Espetáculo “Vidas secas” de Sergio Audi/Coletvo Núcleo 2 de São Paulo

18h – Apresentação musical do projeto “Doze poses” + exposição fotográfica com Guilherme Vazquez de Guarulhos

19h – Apresentação musical da banda Encanteria de Campinas

20h – ENCERRAMENTO: discotecagem com DJ Digão de Campinas (Seleção “A voz do mulherio”)

Deixe seu comentário

Leia também...

Reforma foi adiada por debilidade do governo, não pela pressão das centrais sindicais

Fala do militante da Esquerda Marxista, ex-vereador e ferroviário Roque Ferreira em ato organizado dia …