Início / Artigos / EUA: Campanha por um Partido dos Trabalhadores de Massas

EUA: Campanha por um Partido dos Trabalhadores de Massas

Os camaradas da Liga Internacional dos Trabalhadores (Seção estadunidense da CMI – Corrente Marxista Internacional) lançaram a Campanha por um Partido dos Trabalhadores de Massas nos EUA.

Com o mote de que “Os patrões já têm dois partidos, os trabalhadores precisam ter o seu próprio!”, os camaradas marxistas dos EUA começam a abrir o debate nos sindicatos, fábricas, escolas e tiveram boa receptividade, às vésperas das eleições de 2 de Novembro que elegeram uma maioria de membros republicanos o Congresso – confirmando o diagnóstico feito pelos camaradas no artigo abaixo de John Peterson, publicado em Setembro no Socialist Appeal (jornal da seção da CMI nos EUA).

“Enquanto caminhamos para as eleições intermediárias, a ‘recuperação’ econômica estagnou. Depois de um fraco crescimento que beneficiou apenas os ricos, dizem-nos agora que podemos voltar à recessão. O mercado de trabalho permanece em baixa, o mercado imobiliário está novamente em crise, e milhões de empregos desapareceram no ar. As soluções oferecidas pelos democratas e republicanos não resolveram nada. Todos eles se limitam a fazer ajustes no sistema existente, o que significa que nada é realmente consertado e os trabalhadores são forçados a suportar o peso do fracasso do capitalismo sobre suas costas. Certamente existe um caminho melhor que este!

Sob o sistema de dois partidos, as eleições intermediárias são uma espécie de referendo sobre os atuais gerentes do governo. Insatisfeitos com o que está no poder, o ‘outro cara’, geralmente se beneficia da frustração dos eleitores. Apesar do ‘mal menor’, a aproximação das eleições implica que não importa quem vença, os trabalhadores terão que lidar com alguma forma de ‘mal’. Com os eleitores cada vez mais desiludidos em Obama e os democratas por sua total incapacidade para lidar com a crise, o ‘mal maior’ – os republicanos – devem ter grandes ganhos eleitorais em Novembro. Na Flórida, alguns moradores tendem até mesmo a apoiar o candidato anti-trabalhador ‘moderado’ republicano, a fim de parar o ‘ainda maior mal’ candidato tradicional do Partido! Este é apenas um exemplo da irracionalidade dessa abordagem para a política. Nós pensamos que os dirigentes nacionais nos locais de trabalho devem apresentar uma estratégia política diferente, uma estratégia que pode realmente levar a melhorias concretas na qualidade de vida dos trabalhadores.

Na Carolina do Sul e Carolina do Norte, os embriões de partidos trabalhistas estaduais, são um exemplo do caminho a seguir. Achamos que o momento é propício para que isso seja replicado em todo o país. Os democratas tiveram todas as oportunidades para aprovar uma legislação que atenda às necessidades dos trabalhadores e da juventude. Por quase dois anos, eles têm controlado a Casa Branca, o Congresso, e muitos mais. Agora, como resultado de suas políticas falhas, eles estão abrindo as portas para pessoas ainda mais cruéis do que Bush e companhia. É por isso que os membros da Liga Internacional dos Trabalhadores, nossos simpatizantes e adeptos, decidimos lançar uma Campanha por um Partido dos Trabalhadores de Massas (CMPL, da sigla em inglês: Campaign for a Mass Party of Labor), a fim de dar uma forma mais concreta a essa demanda.

Buscamos construir uma campanha ampla, que atinja a todos aqueles que concordam que lançar candidaturas operárias independentes e construir um partido de trabalhadores, junto com os sindicatos, seja o caminho a seguir. Muitos trabalhadores sindicalizados e alguns dirigentes sindicais já estão começando a tirar essa conclusão. Infelizmente há outros dirigentes que parecem determinados a continuar a filiados ao Partido Democrata, faça chuva ou faça sol.

A CMPL (Campanha por um Partido dos Trabalhadores de Massas) começa de maneira modesta num primeiro momento. Sabemos que nossas pequenas forças por si só não podem propiciar um impacto decisivo sobre a política de um país tão grande como os Estados Unidos. Mas nós podemos jogar um papel para difundir essas idéias e ajudar a preparar o terreno para que tal partido se torne uma realidade no futuro. Estamos confiantes que a experiência concreta vai levar sindicalistas cada vez mais a pressionar os seus líderes para parar a loucura de apoiar as festas de empresas. Se eles continuarem com essa política, eventualmente serão substituídos por líderes mais sintonizados com as necessidades da base. E, com novas camadas organizadas e filiadas em sindicatos para lutar contra os ataques dos patrões, o chamado para uma alternativa política de massas dos trabalhadores ganhará cada vez mais apoio nas urnas.

Por isso, convidamos você para participar da CMPL e nos ajudar a impulsionar essas idéias em nossos sindicatos, locais de trabalho, escolas, bairros, nas linhas de piquete e em qualquer lugar onde os trabalhadores e jovens estiverem em luta.”

Para mais informações sobre a campanha, acesse: www.masspartyoflabor.org

Deixe seu comentário

Leia também...

Reforma política: Nosso dinheiro para Bolsonaro, iscas para a esquerda e barreira para as organizações de trabalhadores

Michel Temer sancionou na sexta-feira (6/10) a reforma política, que, entre outros absurdos, desvia um …

Deixe uma resposta