Início / Artigos / Internacional / EUA: A classe dominante na tocaia, os trabalhadores devem se unir e lutar!
Presidente da federação sindical AFL-CIO, Richard Trumka

EUA: A classe dominante na tocaia, os trabalhadores devem se unir e lutar!

No clássico estilo de “dividir e governar”, Donald Trump busca introduzir uma cunha na classe trabalhadora. Dando minúsculas migalhas a poucos e fazendo dos outros bodes expiatórios, ele espera nos distrair da verdadeira fonte dos problemas que todos os trabalhadores enfrentam: o capitalismo.

[Editorial de Socialist Appeal/EUA]

Ao contrário da retórica venenosa dos chamados nacionalistas “brancos” e “econômicos”, a linha divisória fundamental da sociedade não é de urbano versus rural, cristão versus muçulmano ou imigrante versus nativo. É de classe social – com os trabalhadores de um lado da barricada e os capitalistas do outro.

Os sindicatos são a linha de frente da defesa contra os capitalistas, uma forma dos trabalhadores confrontarem coletivamente os patrões para melhorar salários e condições através da ameaça de recusar-se a trabalhar. Em média, os trabalhadores sindicalizados desfrutam significativamente de melhores salários, benefícios, condições e proteções do que os trabalhadores não-sindicalizados.

A jornada de oito horas, finais de semana, pensões, férias pagas e o mais foram conquistados por uma estratégia militante e por uma liderança de esquerda, e não através do sindicalismo empresarial e de colaboração de classe. Mas tudo isto é um sonho impossível para milhões de trabalhadores que devem suportar salários baixos, ausência de benefícios, condições inseguras, emprego precário, agendamento irregular, divisão de turnos e demissões arbitrárias.

Infelizmente, a atual safra de dirigentes sindicais levou o movimento a um beco sem saída. Com uma ou outra exceção, eles aceitaram décadas de concessões e manejaram armas e bagagens para manter seus próprios membros sob controle. Em nome de uma “parceria de equipe” colaboradora de classe, utilizam os sindicatos para controlar os trabalhadores e impor retribuições em favor dos patrões. Longe de representar os interesses dos trabalhadores como um todo, os burocratas sindicais constituem um obstáculo objetivo à militância e à luta da classe trabalhadora.

Como exemplo, tome-se o presidente da federação sindical AFL-CIO. Diante da intensificação do assalto de Trump sobre os trabalhadores, por acaso Richard Trumka apelou aos interesses comuns de todos os trabalhadores – de dentro e de fora da AFL-CIO, dos trabalhadores dos sindicatos do comércio, industriais e do setor público, dos trabalhadores organizados e desorganizados, dos trabalhadores documentados e indocumentados? Apelou ele por um rompimento com os Democratas e pela formação de um partido trabalhista? Convocou ele uma greve geral para deter o terrorismo contra os trabalhadores imigrantes e a pendente legislação nacional de “direito ao trabalho”? Longe disso. Ele continua seguindo os Democratas, elogiou o protecionismo de Trump e considerou sua reunião com ele “honesta e produtiva”.

Os combates mesquinhos e a covardia dos líderes sindicais, que rastejam diante de Trump e vendem o restante de sua classe por um punhado de empregos temporários, são asquerosos para a maioria dos trabalhadores e jovens com consciência de classe. Eles querem mudanças reais e não se deixam atrair pelo derrotismo e por aqueles que aceitam o status quo. Instintivamente entendem que o único caminho a seguir é abraçar o princípio de que os interesses dos trabalhadores e dos patrões são diametricamente opostos. Somente negando-nos coletivamente a trabalhar e fechando a produção poderemos interromper o fluxo de mercadorias e serviços e atacar os interesses fundamentais dos patrões: os lucros.

As lutas que fervilharam nos anos recentes devem ser levadas ao próximo nível. Não importa o quanto seja bem-intencionado, mas um piquete informal não é uma greve. A solidariedade é a arma mais forte dos trabalhadores, e as leis e prescrições contra as greves de solidariedade terão que ser desconsideradas uma vez que o real equilíbrio de força de classe é medido nos locais de trabalho e nas ruas. Em vez de realizar boicotes aos consumidores e de protestar contra Wal-Mart do lado de fora, a ação de greve de solidariedade dos trabalhadores por toda a cadeia de distribuição tem o poder de paralisar esta empresa colossal nos portos, nas estradas e nas ferrovias, nos armazéns e nas lojas. A luta pelos 15 dólares é somente o primeiro passo e deve incluir um esforço total pela sindicalização, uma vez que salários modestamente mais altos não são suficientes para garantir uma qualidade de vida decente. E, para proteger nossas irmãs e irmãos imigrantes, “Um Dia sem um Mexicano” está longe de ser suficiente. O trabalho organizado deve fixar uma data e trabalhar para um dia sem qualquer trabalhador – uma greve geral total para demonstrar na prática que uma injúria a um de nós é uma injúria a todos.

Nada disto acontecerá de um dia para o outro ou sem perseverar diante da feroz resistência dos patrões e de seu estado. Os trabalhadores estadunidenses mantiveram suas cabeças baixas por muitos anos e a maioria não está mais disposta a arriscar seus meios de vida apenas por “enviar uma mensagem”. Têm de saber que seus sacrifícios valem à pena e que têm uma boa chance de êxito. Não há como se prever com precisão quando eles vão se mover. Mas podemos afirmar o seguinte: a pressão está crescendo e quando eles entrarem no cenário da história, nada sobre a Terra será capaz de deter o poder elementar da consciência de classe da classe trabalhadora. Como Marx e Engels colocaram em O Manifesto Comunista: “deixem a classe dominante tremer!”

Artigo publicado originalmente em 16 de março de 2017, no site Corrente Marxista Internacional, sob o título “USA: The Ruling Class Takes Aim: Labor Must Unite and Fight!”.

Tradução Fabiano Leite.

Deixe seu comentário

Leia também...

Crise no sistema. Novas explosões no horizonte

Michel Temer, em discurso na abertura da Assembleia Geral da ONU na última terça-feira (19/9), …