Início / Luta de Classes | Ver Mais / Atividade da vereadora Mariana Conti – Saudação de camarada da EM

Atividade da vereadora Mariana Conti – Saudação de camarada da EM

Nota da redação: Abaixo reproduzimos a saudação lida por um militante da Esquerda Marxista de Campinas na plenária municipal do PSOL realizada no último sábado (29/07). A atividade era referente ao mandato da vereadora Mariana Conti.

Saudações revolucionárias às e aos camaradas, companheiros e afins,

Em nome da Esquerda Marxista, organização brasileira da Corrente Marxista Internacional e corrente do PSOL desde Fevereiro de 2017, eu, Dan P., saúdo o mandato da vereadora Mariana Conti em Campinas pelo seu engajamento pela disposição da luta por um partido de classes no Brasil e na cidade em seus primeiros seis meses de mandato, que essa luta seja junto aos trabalhadores e à juventude contra o reformismo, os ataques da burguesia patronal e às atitudes imperialistas e, muitas vezes, fascistas.

Entramos no partido para construir a organização revolucionária e continuar o combate para reconstruir ou construir um partido de classe no Brasil. Isso passa por fortalecer o PSOL e ajudar a enraizá-lo na classe trabalhadora e na juventude. Destacamos nossa participação no congresso nacional do PSOL no final do ano, este que, mediante atual conjuntura política, será crucial para decisão da candidatura ao planalto em 2018, e esperamos contribuir com o que pudermos.

Em Campinas, saudamos a vereadora no seu trabalho de oposição ao governo Jonas Donizete, dentre os quais podemos destacar:

A denúncia da constante precarização no transporte público da cidade, denunciando há anos a transferência direta de subsídios milionários aos empresários de ônibus mesmo com uma das tarifas mais caras do país, veículos sem manutenção adequada, desemprego com a demissão dos cobradores e a consequente dupla jornada dos motoristas (que têm causado muitos acidentes) e o aumento da passagem na cidade (fato esse motivador das manifestações de julho de 2013 no país e que reverberam na cidade até hoje com a luta pela meia passagem para cursinhos populares, por exemplo). Lembramos que a luta pelo transporte é compartilhada quando nós, marxistas, lançamos a palavra de ordem “Público, Gratuito e Para Todos: Transporte, Saúde, Educação! Abaixo a Repressão!” em 2013;

A luta constante contra os cargos comissionados, que favorecem práticas, como o nepotismo, que também reprovamos e denunciamos;

Luta contra priorização de favores a empresários com licitações supostamente ou comprovadamente fraudulentas em obras pela cidade, que só favorecem a burguesia e prejudicam nossa população nas periferias;

Defesa dos direitos das aposentadorias dos servidores municipais ao denunciar o perdão do prefeito às dívidas milionárias de empresários devedores na região, descontadas no CAMPREV. Previdência é um dos assuntos mais defendidos em greves de sindicatos dirigidos pela EM em Joinville e Florianópolis, além de agregarmos em comum a luta por esse e mais direitos nos correios e bancários aqui em Campinas e em outros sindicatos de outras cidades;

Na educação, a luta constante do 1º de Maio/Domínio Público no DCE da Unicamp, que é uma militância que integra o mandato da vereadora, além de lutas por acesso à universidade pública, por acesso do transporte público aos cursinhos populares da cidade (como já foi citado) e luta por creches em tempo integral não só na Unicamp, mas pela cidade, e pela valorização dos professores da educação primária, secundária e universitária. Educação não é um serviço, é um direito, e está na ordem do dia da Liberdade e Luta;

Parabenizo e enfatizo as lutas quanto à iluminação pública da cidade, que é um fator importante não só em casos de violência frequentes (roubos, furtos e assassinatos) mas primordialmente na violência contra a mulher, bem como a vitória com a instauração da 2. DDM no Jd. Proença, a luta pelas DDM’s 24 h e a luta por uma Vara de Juizado Especializado em Violência Doméstica e Familiar em Campinas, políticas estas importantes ao município, principalmente, pelo aumento em casos de feminicídio na cidade e o exemplo do infeliz caso da chacina de 1 de janeiro de 2017, dentre outros casos. Essas são prioridades do mandato que são meios de frear o constante crescimento de misoginia e violência doméstica e é uma luta que só acabará com a superação do capitalismo e suas formas de opressão.

Lembro, inclusive, das lutas da vereadora Mariana Conti em âmbito regional, estadual e nacional. Destaco:

Moções de repúdio e manifestações contra a condenação de Rafael Braga, que foi criminalizado por ser pobre e negro com a justificativa de portar produto perigoso em uma manifestação das jornadas de 2013, cujo “produto explosivo” era pinho-sol e o jovem foi usado como “bode expiatório”, e posteriormente abordado pela PM com supostas gramas de maconha. Essa também é uma luta do Movimento Negro Socialista, movimento da Esquerda Marxista, por isso celebro aqui a luta de movimentos negros que trazem a população trabalhadora ao debate independente de raça, classe e gênero, fazendo trabalho de base com todo proletariado e esclarecendo-a para que atitudes como esta do Rafael Braga sejam realmente justas se comparadas aos de filhos brancos e burgueses de pessoas influentes, como o caso recente do filho da desembargadora que portava centenas de quilos de drogas e armamento pesado, e foi solto alegando insanidade com supostos laudos médicos, que ambos os casos sejam vistos sem levar em conta o classismo ou o racialismo, mas por um ponto de vista de cunho social;

O auxílio e atuação do mandato em lutas na RMC por moradia, dentre as quais destacamos as lutas nas ocupações Mandela, em Campinas, e Vila Soma, em Sumaré, que nosso camarada Alexandre foi um dos advogados populares. A luta deve ser por moradia popular e por menos especulação das áreas e nenhuma parceria do executivo com empreiteiras. É importante também destacar o combate feito pelo mandato à lógica da especulação imobiliária nas audiências públicas da renovação do plano diretor e a realização do excelente debate sobre regularização fundiária e as novidades legislativas impostas pelo governo Temer, da qual participamos ativamente. Ainda nesse aspecto, lutamos em conjunto com o PSOL contra o aparato repressivo do Estado a serviço da burguesia, esse materializado nas atitudes de violência da PM do governador Geraldo Alckmin nas reintegrações de posse, com total repúdio e pedindo o fim do militarismo na polícia, para que um novo Pinheirinho não se repita. Sem contar que também destacamos a luta contra a criminalização dos movimentos sociais que é crescente e teve uma expressão bem acentuada com a lei antiterrorismo aprovada no governo Dilma em 2014, o que, obviamente, fez com que a guarda municipal de Campinas tivesse um orçamento aumentado para compra de armas semi-letais e não letais, como ‘teasers’, rifles de munição de borracha e gás para dispersão, representando um gasto desnecessário ao município, e que ajuda Jonas e a PM de Alckmin em dispersões de atos como os de ocupações na cidade;

A atuação na abertura e na manutenção desta sede do PSOL e seus eventos, que trazem os movimentos sociais mais próximos da população e são uma alternativa a mais de cultura e politização do proletariado e da juventude em seus eventos, facilitando o trabalho de base dos socialistas;

Agradecemos à vereadora com sua importante contribuição contra o corte de energia elétrica da Fábrica Ocupada Flaskô, em Sumaré, que é também uma luta de Campinas pois a concessionária de energia sedia-se aqui na cidade, e o mandato atuou junto com a EM ao denunciar o corte de energia na fábrica (cuja duração de 60 dias prejudicou os trabalhadores e o funcionamento de máquinas) e com sua cobrança do religamento. A nossa luta é para transformá-la em uma fábrica de interesse social exemplar, já que é uma fábrica sob controle dos trabalhadores e é estratégica para a luta pelo socialismo.

As diversas manifestações pelo #ForaTemer na cidade e contra os desmontes na educação, contra o teto de gastos, reforma trabalhista, as duas greves gerais, o ato de Brasília e diversos atos que tiveram participação da Mariana Conti e da EM, sem contar denúncias de deputados da região da base dos governos Jonas, Alckmin e Temer, nos parlamentos das respectivas esferas. Nós, marxistas, entendemos que o atual formato da democracia brasileira não contempla o povo. Por isso reforçamos que não só Temer e Maia, mas o Lulopetismo, a figura do deputado Jair Bolsonaro, a direita e o judicialismo parcial da Lava Jato precisam ser freados e, com o tempo, o capitalismo e imperialismo superado.

Ressalto e reafirmo a importância de nossa militância no PSOL. Contudo, reforço as palavras de ordem da EM, que expressam uma perspectiva marxista da luta de classes no Brasil e que será a diretriz de nossa organização dentro do partido com a atual conjuntura política:

Fora Temer e o Congresso Nacional!

Por uma assembleia popular nacional constituinte!

Por um encontro nacional da classe trabalhadora!

Deixe seu comentário

Leia também...

Reforma foi adiada por debilidade do governo, não pela pressão das centrais sindicais

Fala do militante da Esquerda Marxista, ex-vereador e ferroviário Roque Ferreira em ato organizado dia …