Início / Sem Categoria / Entrevista com um camarada do Socialist Appeal que intervem no Movimento ocupe Boston

Entrevista com um camarada do Socialist Appeal que intervem no Movimento ocupe Boston


Entrevistador: Eu estou falando aqui com um membro do Socialist Appeal, correto?
Entrevistado: Sim, da Liga Internacional dos Trabalhadores, Socialist Appeal é o nosso jornal aqui nos EUA.
Entrevistador: Antes de tudo, aqui estão algumas das publicações que eles têm aqui no local… põe um zoom nesta aí… legal.
Certo. Então você está no Ocupe Boston? Quais são suas impressões até agora do Ocupe Boston?
Entrevistado: Está sendo ótimo. Está acontecendo faz… o quê? Um mês agora?
Entrevistador: Cerca de 3 semanas.
Entrevistado: Cerca de 3 semanas e … bem … eu fui na primeira Assembleia Geral de Boston, quando as pessoas estavam se reunindo pela primeira vez e planejando isso tudo.
Eram algumas centenas de pessoas e eu olhei em volta e havia pouquíssimos rostos que podiam ser reconhecidos, o que para mim, é uma grande coisa. Significa que as pessoas que estavam se juntando não são ativistas, embora tenha alguns ativistas.
Minha impressão até agora, assistindo a isso, como eu tenho vindo aqui várias vezes na semana nestas últimas 3 semanas, é que tem sido um ponto comum para todo mundo que, sentado em casa, tem pensado sobre o que tem ocorrido e estão cansados de apenas jogarem seus sapatos nos jornais da TV. Eles estão tentando encontrar uma maneira de vir aqui, se reunir e discutir algumas dessas coisas. E tem sido maravilhoso!
 Eu conversei muito com muitas pessoas diferentes, principalmente muitos jovens que estão tentando descobrir como chegamos até aqui e qual o caminho a seguir. Então, tem sido um festival e tem sido uma experiência maravilhosa até agora e eu espero que continue.
Entrevistador: Agora uma pergunta que vem à tona… é que não há demandas aqui e também, se as demandas, em particular as que você defende, fossem adotadas, para onde você acha que o movimento deveria ir, o que deveria acontecer aqui?
Entrevistado: Eu acho que aqui tem pontos fracos assim como pontos fortes. Por que é um ponto forte que haja um movimento, um movimento de massas que não tenha nenhuma demanda. Bem, por um lado isto atrai todo mundo. Não importa o que eles pensem sobre a situação. Então é uma maneira das pessoas se juntarem sem nenhum foco em particular, e poder discutir o quadro geral. Eles não estão atados a nenhuma ação de ninguém em particular, a nenhum ponto de vista particular. Então está dando ao movimento um pouco de liberdade para as pessoas falarem umas com as outras e compartilhar diferentes idéias, o que eu acho que é bom, pois eu acho que assim como há este movimento agora, ele não é o embrião da solução, mas é o início, aglutinado pessoas, que, se juntando podem apresentar a solução ou ajudarão a construir a solução mais para frente.
Entrevistador: Mais duas perguntas. Fale-nos um pouco da sua organização.
Entrevistador: A Liga Internacional dos Trabalhadores (WIL) é uma pequena organização, uma organização marxista, é uma seção simpatizante da Corrente Marxista Internacional, que tem um site internacional chamado marxist.com e que tem reportagens, notícias diárias do que está acontecendo em todo o mundo sob o ponto de vista de uma perspectiva marxista. O que estamos tentando fazer é construir uma corrente marxista no movimento operário nos Estados Unidos.
Uma das maiores campanhas na qual estamos trabalhando agora é popularizar a idéia de uma luta por um partido de massa dos trabalhadores. O que achamos que é a maior contradição na política hoje é que os governantes, o 1% têm dois partidos políticos com essencialmente o mesmo programa político, os democratas e os republicanos. E se pudermos fazer com que o movimento dos trabalhadores e os sindicatos iniciem um novo partido político, um partido dos trabalhadores, achamos que mudaríamos completamente a política de um dia para o outro, e seríamos uma força de atração que empurraríamos todo o movimento para mais adiante, para focar nas necessidades dos 99%, a maioria.
Entrevistator: Ok senhor, há mais alguma coisa que gostaria de acrescentar?
Entrevistado: Tem sido ótimo fazer parte disso, estou ansioso e todo mundo deveria vir para o Ocupe Boston, Ocupe Wall Street, Ocupe Salt Lake City, Ocupe Provo, em qualquer lugar você deve ir. É ótimo. Fale com todo mundo. Estamos nos sentindo muito bem aqui.
Entrevistador: Ok, apenas para lembrar, o site é www.marxist.com, confira.

Deixe seu comentário

Leia também...

Camarada Roger, presente!

É com imensa tristeza que informamos a morte do nosso jovem camarada Roger Eduardo Miranda. …