Início / Artigos / Outras Análises | Ver Mais / Juventude / Em entrevista, Mayara Colzani relata preparação pro Acampa 2017

Em entrevista, Mayara Colzani relata preparação pro Acampa 2017

A dirigente estudantil secundarista e da Liberdade e Luta conta como está a preparação para o evento que acontecerá de 26 a 29 de janeiro, em Florianópolis.

Reproduzimos aqui entrevista concedida ao jornal Foice&Martelo pela dirigente da União Joinvilense dos Estudantes Secundaristas e membro da direção nacional da Liberdade e Luta, Mayara Colzani. Ela conta como está a preparação para o Acampamento Revolucionário 2017, que acontecerá de 26 a 29 de janeiro, em Florianópolis, capital de Santa Catarina, na escola Herondina Medeiros Zeferino.

F&M: Como está a preparação das delegações para o acampamento Revolucionário 2017?
A preparação do Acampamento está acontecendo principalmente a partir da luta em defesa da educação pública, gratuita e para todos.  Em Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Amazonas, Distrito Federal, Bahia, Minas Gerais, Ceará, entre vários outros locais, estamos lutando contra a Lei da Mordaça, a Reforma do Ensino e a PEC 55. Intervimos em ocupações estudantis, em nossos locais de estudo, fizemos debates em escolas e universidades.

F&M: Como está sendo arrecadado dinheiro para a ida a Florianópolis?
A independência financeira para nós é o que garante nossa independência política. Estamos arrecadando dinheiro para o transporte com sindicatos, vendendo camisetas, botons, trufas e cartilhas. Temos feito festas e brechós. O Rio de Janeiro está organizando um “Churrasco rumo ao acampamento”. Em Joinville, faremos o “Ano Novo da Liberdade e Luta”. Em Cuiabá, os companheiros estão fazendo a “Banquinha do amor e da revolução”. Alimentação, acomodação e estrutura serão pagos por nós mesmos, através da taxa de inscrição de R$ 150.

F&M: Quais atividades estão programadas para o Acampamento?
Na quinta, dia em que começa o Acampamento, teremos a abertura e a Festa Vermelha. Na sexta, haverá um debate sobre “As lutas da juventude no mundo”. Vamos discutir também a situação política nacional, a Reforma do Ensino, socialismo e anarquismo. À noite, teremos apresentações culturais. No sábado, faremos um debate sobre “Luta de classes e o combate ao racismo, machismo e homofobia”. Também teremos uma tarde para irmos pra praia. No domingo, acontece a plenária final, que elege a nova coordenação Nacional da LL.


Artigo publicado no jornal Foice&Martelo 100, de 8 de dezembro de 2016. Adquira com um militante da Esquerda Marxista, ou assine: http://migre.me/vzFCw

Deixe seu comentário

Leia também...

Por que a juventude precisa defender a revolução venezuelana?

Há um grande esforço da mídia em distorcer os acontecimentos na Venezuela, que é um …