Início / Artigos / Outras Análises | Ver Mais / Arte & Cultura / Eleições na Portela, Mangueira e Mocidade: esperança de mudança?

Eleições na Portela, Mangueira e Mocidade: esperança de mudança?

 

 

As comunidades dos associados com direito a voto das escolas de samba Portela, Estação 1ª de Mangueira e Mocidade Independente já vivem, em relação ao Carnaval Carioca 2014, as perspectivas de mudanças em suas agremiações nas quais, ou estão marcadas eleições ou pode ser antecipada. Na agremiação da estrela-guia de Padre Miguel, por exemplo, está rolando uma campanha através de abaixo-assinado eletrônico, ou seja, na Internet, pedindo a renúncia do presidente Paulo Vianna que está no cargo desde 2004/2005. Tudo, porque Vianna que é um servil membro do Conselho Fiscal da caixa-preta LIESA, sofre duríssimas críticas: “Ele está ‘acabando’ com a agremiação”.

As comunidades dos associados com direito a voto das escolas de samba Portela, Estação 1ª de Mangueira e Mocidade Independente já vivem, em relação ao Carnaval Carioca 2014, as perspectivas de mudanças em suas agremiações nas quais, ou estão marcadas eleições ou pode ser antecipada. Na agremiação da estrela-guia de Padre Miguel, por exemplo, está rolando uma campanha através de abaixo-assinado eletrônico, ou seja, na Internet, pedindo a renúncia do presidente Paulo Vianna que está no cargo desde 2004/2005. Tudo, porque Vianna que é um servil membro do Conselho Fiscal da caixa-preta LIESA, sofre duríssimas críticas: “Ele está ‘acabando’ com a agremiação”.

É isso que afirmam os críticos do comandante da Mocidade Independente. Segundo eles, nos três mandatos consecutivos, apenas na 1ª vez Vianna concorreu com outra candidatura a presidente e respectiva chapa. Nas outras vezes o servil membro do Conselho Fiscal da LIESA se reelegeu encabeçando chapa única. Para tanto, Vianna teria dado um golpe na composição do colégio eleitoral da agremiação da estrela-guia de Padre Miguel, ao qual ele teria filiado cerca de 650 novos associados beneméritos como seus eleitores de cabresto. Detentora de cinco títulos – o último foi no longínquo 1996 – de lá para cá a Mocidade Independente virou agremiação intermediária, não raro, amargou as últimas colocações como ocorreu em 2013 (11ª) ficando à beira do rebaixamento.

Por isso considero como alternativa mais democrática, correta e consequente para a comunidade da Mocidade Independente, sobretudo a com direito de votar e ser votada, não essa de deflagrar abaixo-assinado pela Internet pedindo a renúncia do presidente da agremiação. Mas, sim iniciar desde já a organização de um movimento interno liderado e tendo maioria de associados e associadas da agremiação da estrela-guia de Padre Miguel com direito a votar e ser votado. Tal movimento interno tem que objetivar a composição de uma chapa e uma candidatura a presidente oposicionista com claros compromissos programáticos a começar pela reformulação e democratização do estatuto.

Já na Estação 1ª de Mangueira onde a eleição para a sucessão do presidente-usurpador Ivo Meirelles está marcada para abril próximo, até agora, não identifico a existência de postulações de candidatura a presidente e chapa condizentes com a gloriosa Verde-Rosa. Em abril de 2012 ocorreria eleição, porém, o citado presidente-usurpador impugnou as duas candidaturas a presidente e as respectivas chapas concorrentes na tentativa de perpetuar-se no cargo através de chapa única. Isso então levou a Justiça a pôr o processo eleitoral sub judice. Haja vista, inclusa a encabeçada pelo mencionado presidente-usurpador, as outras duas chapas não eram dignas das tradições mangueirenses.

Uma é encabeçada por Percival Pires o ‘Perci’ que, em 2008 renunciou a presidência mangueirense porque foi flagrado na festa de casamento de um famoso traficante. A outra chapa inscrita é encabeçada por quem foi tesoureiro na gestão de ‘Perci’. Não se sabe se o presidente-usurpador mangueirense, o ‘Perci’ e o aludido tesoureiro de sua gestão irão concorrer à presidência. Agora quem se lançou pela imprensa candidato a presidente mangueirense foi o nefasto deputado estadual Chiquinho da Mangueira (PMDB), não fosse ele apoiado por alguém de sua laia que em 2009 disse: “As mulheres da favela são quem engravidam e infestam as comunidades de bandidos”, o governador Sérgio Cabral Filho (PMDB).

Augura-se que a gloriosa Verde-Rosa detentora 17 títulos incluso o supercampeonato de 1984, em sua eleição de abril próximo venha ter candidatura a presidente e chapa concorrente dignas de suas tradições. Por sua vez, a maior vencedora do maior espetáculo da Terra, o Carnaval Carioca com 21 títulos, a Portela a Majestade do Samba tem eleição marcada para realizar-se entre os meses de abril e maio próximo. Autointitulando ser oposicionista, quem pela imprensa se lançou concorrente ao comando dirigente portelense encabeçando a chapa “Administração com Ética e Transparência” foi o compositor e integrante da Velha Guarda show da agremiação, Serginho Procópio.

Nessa chapa o também compositor e integrante da Velha Guarda onde também é um dos baluartes, Monarco, é o candidato a presidente de honra. Já o PM recentemente absolvido pela Justiça das acusações de ser miliciano, Marcos Falcon, é o candidato a vice-presidente portelense. Nas hostes da agremiação dos bairros Oswaldo Cruz e Madureira informações dão conta que o comandante portelense o desgastado presidente de três mandatos consecutivos e sem título algum, Nilo Mendes Figueiredo, irá lançar à sua sucessão o seu filho e vice-presidente Nilo Mendes Figueiredo Junior o ‘Nilinho’. Reafirmo o que sempre disse: A melhor alternativa é uma chapa oposicionista encabeçada por um ou uma jovem, baseada no binome renovação e conquista de títulos.

Afinal também reafirmo esclarecendo as razões para tal: A filosofia política de ruptura com as pessoas infiltradas no mundo do samba comprometidas com a contravenção penal do jogo do bicho e outras práticas criminosas deve ser mantida. Assim como a filosofia da profissionalização dos quadros dirigentes e massificação da participação da comunidade. Coerente, com todo respeito e democraticamente cabe uma crítica aos louvabilíssimos baluartes compositores portelenses Monarco e Serginho Procópio: Considero equivocado intitular uma chapa oposicionista de ‘Administração com Ética e Transparência’. Isso é obrigação em uma agremiação que corretamente autointitula ser a Águia Altaneira. 

*jornalista – é torcedor-amante da Água Guerreira de Oswaldo Cruz e Madureira.

Deixe seu comentário

Leia também...

Sufragista – Crítica

Um filme dedicado a um personagem ou evento histórico corre o “risco” de ser uma …