Início / Luta de Classes | Ver Mais / Dia do professor é comemorado com luta em São Paulo

Dia do professor é comemorado com luta em São Paulo

Na manhã de hoje (15/10) centenas de estudantes secundaristas de diversas escolas da cidade de São Paulo manifestaram sua indignação contra o fechamento de salas de aula orquestrado pelo Governo de Geraldo Alckmin (PSDB). O ato iniciou no Largo da Batata, seguiu pela marginal Pinheiros e foi até o Palácio dos Bandeirantes.

Na manhã de hoje (15/10) centenas de estudantes secundaristas de diversas escolas da cidade de São Paulo manifestaram sua indignação contra o fechamento de salas de aula orquestrado pelo Governo de Geraldo Alckmin (PSDB). O ato iniciou no Largo da Batata, seguiu pela marginal Pinheiros e foi até o Palácio dos Bandeirantes.

Os estudantes lutam contra a chamada reorganização escolar. Esse projeto se utiliza de um nome “bonito”  para justificar o fechamento de escolas, separar turmas, e em consequência disso, dificultar a vida de mães com mais de um filho, aumentar ainda mais a superlotação e dificultar o percurso de muitos estudantes até a sua nova escola. O único objetivo real da reorganização é economizar verbas.

Análises mais completas sobre o tema podem ser lidas em dois artigos já publicanos em nossa página:  http://www.marxismo.org.br/blog/2015/10/05/espalham-se-mobilizacoes-contra-reorganizacao-escolar-de-alckmin

http://www.marxismo.org.br/blog/2015/09/29/falacias-sobre-reorganizacao-escolar-em-sp

Governador recebido com protesto

Ainda hoje, pela tarde, ocorreram dois atos. Um no bairro de São Miguel e outro em São José dos Campos (SP), onde cerca de 100 manifestantes entraram no auditório de uma universidade em que o governador daria uma palestra. Alckmin cancelou a agenda no local.

Novos atos estão sendo organizados para as próximas semanas. Os integrantes da Campanha “Público, Gratuito e Para Todos!” estão participando dos atos e convidando os estudantes para o Acampamento Revolucionário que ocorrerá na Fábrica Ocupada Flaskô em janeiro de 2016.

Se por um lado, a péssima situação em que se encontra a educação pública não permite comemorar o dia do professor com “festa”. Podemos dizer que estudantes e professores comemoraram de uma maneira melhor: lutando nas ruas.

Deixe seu comentário

Leia também...

Reforma foi adiada por debilidade do governo, não pela pressão das centrais sindicais

Fala do militante da Esquerda Marxista, ex-vereador e ferroviário Roque Ferreira em ato organizado dia …