Início / Artigos / Dez anos lutando pelo Marxismo na Dinamarca – um evento de sucesso

Dez anos lutando pelo Marxismo na Dinamarca – um evento de sucesso

A crise histórica do capitalismo e a revolução no Oriente Médio e Europa é o pano de fundo das celebrações do 10º aniversário da Corrente Marxista Dinamarquesa Socialistisk Standpunkt que aconteceu no dia 24 de Setembro.

O evento estava sendo preparado há muito tempo, e o resultado não poderia ter sido melhor. O editor do marxist.com, Alan Woods, foi o orador principal no ato que foi aberto por um curto discurso de Lasse Bertelsen do Socialistisk Standpunkt. Lasse fez um breve resumo da história do Socialistisk Standpunkt e comentou sobre os grandes desafios e possibilidades colocados para o Marxismo revolucionário na Dinamarca.

A situação internacional

Alan Woods fez um discurso inspirador sobre a atual situação política internacional, com foco principalmente na Europa. O aniversário do Socialistisk Standpunkt não é apenas um momento para celebrar, mas um momento para afirmar com clareza nossas tarefas. O capitalismo, em escala mundial, encontra-se em uma crise histórica. A burguesia está em estado de pânico. Especialmente a situação relativa ao Euro é o que causa confusão na classe governante da Europa e dos Estados Unidos.

Alan explicou que mesmo nós Marxistas cometemos um erro em nossos julgamentos sobre o Euro. Devido às contradições entre os estados membros, nós não esperávamos que a burguesia européia conseguisse estabelecer uma moeda comum. No entanto, em função do boom especulativo na última década, eles conseguiram superar temporariamente estas contradições. Mas isso apenas serviu para reproduzi-las em um nível muito maior. As economias na Europa estão puxando para diferentes direções. Uma década atrás, a Corrente Marxista Internacional explicou que, em caso de crise, todas as contradições na Europa viriam à tona e quebrariam a união monetária. Isto é o que está acontecendo hoje.


A Grécia está caminhando para a falência, e isso vai arrastar toda a economia da Europa para baixo, em uma profunda recessão, começando pelo setor bancário. Neste estágio, os estrategistas do Capital não estão mais falando sobre as ameaças à existência do Euro, mas à própria União Européia.

Um giro na situação política

A análise econômica sozinha, por si só, não é do interesse dos Marxistas. O que tem que ser visto são os efeitos de todos os giros da situação econômica na sociedade como um todo – e na luta de classe em particular. Em seu discurso Alan explicou que, por natureza, a consciência humana é profundamente conservadora. A maioria das pessoas agarra-se ao que elas sabem. Desta maneira, a consciência tende a ficar para trás dos eventos. Mas os enormes choques econômicos dos dias atuais estão virando a vida da classe trabalhadora de cabeça para baixo.

Lênin descreveu a política como sendo a economia concentrada. As duas estão fortemente conectadas. A crise levou à onda revolucionária que atingiu o mundo Árabe e se estende por toda a Europa. Milhões são afetados pelo desemprego e estão também perdendo muitos direitos que já eram direitos garantidos. Isso está tendo um profundo efeito na consciência das massas e continuará tendo. A crise do capitalismo está forçando trabalhadores e a juventude para a luta.

A presente crise é inevitável. Ela flui das contradições internas do capitalismo. Os marxistas entendem que não serão resolvidos os problemas enfrentados pela classe trabalhadora enquanto o capitalismo for mantido. No entanto, nunca antes a situação foi tão favorável para ganhar os melhores trabalhadores e jovens às idéias do Marxismo. Os movimentos no Oriente Médio, África do Norte, Sudeste Europeu – e recentemente a Grã-Bretanha – também serão vistos na Dinamarca, e os Marxistas estarão preparados.

Mais de 70 pessoas participaram nos eventos do dia

O maior problema para os trabalhadores e a juventude está agora sobre os ombros do movimento dos trabalhadores. A liderança foi acentuadamente para a direita. Isto significa que nesta fase inicial as frustrações dos trabalhadores e juventude não estão diretamente refletidas no crescimento dos sindicatos e partidos das classes trabalhadoras. Por causa da falta de uma liderança combativa, o processo será prolongado, mas, mais cedo ou mais tarde os trabalhadores e a juventude perceberão a importância de exigirem de suas organizações a unidade das forças da classe para a sua expressão política em comum. Isto significa que nós veremos em alguns estágios grandes batalhas sobre o programa e políticas dentro dos partidos de massa da classe trabalhadora e nos sindicatos.

Na Dinamarca, a Social Democracia e o SF estão atualmente trabalhando para formar um governo de coalisão com o liberal Radikale Venstre e o esquerdista Unity List. O Unity List não fará oficialmente parte do governo, mas eles serão forçados a apoiar o novo governo, mesmo se este realizar medidas de austeridade e cortes contra os trabalhadores, a juventude e os pensionistas. Na prática, eles terão responsabilidades pelas políticas do governo, mesmo se eles não tomarem parte dele. Isto, por sua vez, levará a um apimentado debate dentro do partido. Um recente acontecimento que reflete isso é o racha na ala da juventude do partido, o SUF. Isso é apenas o primeiro sintoma do que está por vir. Haverá rachas à direita e à esquerda. Isto explica porque é tão importante para os ativistas não apenas olharem os eventos de fora, mas sim se unirem aos Marxistas e se envolverem na luta.

Comida e entretenimento

Depois do discurso de Alan, houve uma coleta. O jantar foi servido para os 70 participantes. As instalações não comportavam uma cozinha com estrutura suficiente, a comida assada teve que ser trazida de cinco lugares diferentes. Os militantes encarregados da organização fizeram tudo de maneira excelente. Durante o jantar, novas músicas escritas para a ocasião foram apresentadas e cantadas por todos os presentes. Isto ajudou ainda mais a elevar o ânimo.

Tempo Bang – Socialistisk Standpnkt

Muitos músicos deram um grande show no evento. Mads Rosenkrands og Reservatet foi o primeiro, e foram calorosamente recebidos. O popular cantor de rap de esquerda Vakili também fez excelente apresentação. O artista Marxista de hip hop Tempo Bang deu um show revolucionário que foi seguido pelo DJ Rune Petersen que tomou conta do clima de festa.

Foi um evento de extraordinário sucesso. De certo modo refletiu o enorme entusiasmo que a mudança na situação objetiva está trazendo. Podemos ver que as coisas estão se movendo em nossa direção e nós estamos prontos para fazer o que é necessário para tirar o máximo de vantagem de todas as possibilidades que a situação proporciona, para colocar as idéias do Marxismo de novo à frente do movimento dos trabalhadores dinamarqueses e em todo mundo.

O capitalismo teve seus dias. Nunca as condições objetivas para uma revolução socialistas foram melhores.

Graças ao planejamento e entusiasmo, este será um dia que será lembrado por muito tempo e fornecerá uma fantástica base para acelerar a construção da Corrente Marxista na Dinamarca.

Em nome do Conselho Editorial do Socialistisk Standpunkt nós queremos agradecer calorosamente a todos que participaram, a todos os militantes. E não menos importante queremos dizer: Parabéns Socialistisk Standpunkt! Viva a Revolução Socialista Internacional!

Traduzido por Marcela Anita

Deixe seu comentário

Leia também...

Seminário sobre Liberdade e Independência Sindical

Joinville-SC, de 24 a 26 de novembro de 2017 Inscrições até 10/11/2017 A Esquerda Marxista …

Deixe uma resposta