Início / Luta de Classes | Ver Mais / Demétrio Magnoli afirma que PT não é uma quadrilha!

Demétrio Magnoli afirma que PT não é uma quadrilha!

 

Demétrio Magnoli publicou ontem no Estadão um interessante artigo onde dentre outras coisas afirma que o PT não é uma quadrilha. Critica a propaganda de Serra na TV, uma propaganda que foge ao debate político e se rebaixa ao nível policial. Demétrio entende que isso envenena a democracia. É verdade. Mas o veneno contra a democracia vem de onde?

O PT não é uma quadrilha, isso é uma verdade e é positivo que Demétrio reconheça isso. Mas também é verdade que a burguesia sempre tratou o partido assim. Já fomos qualificados de arruaceiros, baderneiros, instigadores da desordem, comedores de criancinhas, de querer tomar até o quarto de dormir de qualquer pequeno burguês. Isso faz parte da tosca propaganda que a burguesia, por seu ódio de classe, lança contra a classe operária e os trabalhadores.

Lembremo-nos da época da fundação do PT: partido dos trabalhadores ou de toda a sociedade? A burguesia acusava os que propugnavam partidos dos trabalhadores de obtusos, anarquistas, sectários. Os centristas já vislumbravam aí o caminho para as frentes populares, frentes democráticas. Mas o momento era de efervescência e a base resistiu. Depois a burocracia foi se amoldando e criando meios de destruir por dentro o partido da classe. 

Há alguma novidade nos ataques contra o PT nas propagandas eleitorais da burguesia? A propaganda eleitoral de Serra pega carona na condenação que está em curso no STF. Na verdade o STF cumpre os desígnios da burguesia que, mesmo tendo o governo Dilma governando a seu favor, em época de crise, prefere estar no timão do navio e quer apagar do mapa qualquer resquício do partido dos trabalhadores, mesmo que este tenha em sua direção posições conciliadoras de classe.

Quem envenena a democracia é a burguesia, isso é verdade. Mas não apenas aquela de oposição ao governo Dilma, não apenas aquela incrustada no PSDB. Mas também aquela burguesia aliada ao PT. Esta parcela da burguesia e toda a burguesia sabe o perigo que pode representar a existência de um partido construído pela classe trabalhadora. Por isso os Sarneys e Malufs, os Collors, os Temers, por isso o PSB, PDT, PMDB, o PP e outros, estão na coligação que dá sustentação ao governo Dilma. Sabem que quando representantes dos patrões, ou diretamente os patrões se juntam com os trabalhadores, o fazem apenas para frear as suas lutas, rebaixar seu programa para, feito ervas daninhas, irem sufocando o partido, até que no momento certo, se apresenta e oferece as organizações dos trabalhadores, seus dirigentes, de bandeja para a direita completar e finalizar o objetivo da aliança.

É claro que a propaganda de Serra é medonha, gritantemente reacionária. Mas seria ela diferente das campanhas de Collor e de FHC quando se contrapuseram às candidaturas de Lula? A violência contra Haddad não é contra Haddad, é contra a classe trabalhadora. A violência não está só na propaganda eleitoral do PSDB em São Paulo, ela está na expulsão dos moradores de Pinheirinho, na caça aos moradores da Cracolândia, nos incêndios das favelas, nas invasões militares em assentamentos do MST e nos edifícios ocupados pelos Sem Teto. A violência está na perseguição aos sindicalistas e trabalhadores grevistas, na prisão daqueles que ousaram e ousam lutar contra o regime da exploração. A violência está na criminalização dos movimentos sociais e populares, na criminalização dos dirigentes do Movimento das Fábricas Ocupadas, no extermínio dos povos indígenas, como vem ocorrendo com os Kaiowás. A defesa do regime da propriedade privada é quem comanda tudo, inclusive a democracia burguesa.

O PSB, o PP, PMDB e outros que estão com Dilma se erguem contra os crimes que estão sendo realizados contra a classe trabalhadora? Erguem-se contra a farsa do tribunal de exceção realizado pelo STF contra o PT? Claro que não. Todos querem o fim do PT.

A propaganda de Serra na linha policialesca é apenas mais uma arma que a burguesia lança no campo de batalha contra a classe trabalhadora e suas organizações. Demétrio sabe que liberdade, igualdade e fraternidade, na boca da burguesia, em época de crise, se convertem em infantaria, artilharia e cavalaria. Pedir que Serra comporte-se como um cavalheiro, como um estadista e bom burguês, no melhor dos estilos inglês ou francês, é se esquecer do que as burguesias destes países fizeram na África e estão a fazer com sua classe operária. Quão refinados são Cameron e Hollande!

Demétrio, por outro lado, ficou feliz e aplaude as condenações do STF por que o PT, maquiavelicamente, teria um plano para se eternizar no poder. E qual partido não tem este plano? Se não tem não é digno nem mesmo de ser considerado como partido político. A diferença é que os planos do PT passam por ganhar as eleições. Os da burguesia passam por golpes, calúnias, perseguições, torturas e assassinatos. De fato, para a burguesia e os partidos burgueses a democracia só é um “valor universal” quando está permitindo enrolar os pobres e manter o controle. Se não ela usa o que estiver a mão, como a história tem demonstrado.

Em todo caso, numa época na qual a maioria dos intelectuais da imprensa burguesa se silencia, a afirmação de Demétrio de que o PT não é uma quadrilha, e ele diz isso publicamente, é muito bem vinda.

Ler artigo de Demétrio em: http://m.estadao.com.br/noticias/impresso,o-pt-nao-e-uma-quadrilha,950539.htm

Deixe seu comentário

Leia também...

A juventude no lançamento do livro Stalin, de Leon Trotsky

Repercussão do lançamento da edição brasileira em São Paulo No dia 4 de outubro de …