Início / Artigos / Movimento Negro / Declaração por um Movimento Negro Socialista

Declaração por um Movimento Negro Socialista

Reunidos em 13 de maio de 2006, em São Paulo, na sub-sede do Sindicato dos Vidreiros de SP, militantes vindos de 3 estados (São Paulo (interior e capital), RJ e SC) discutimos a situação dos negros e a situação política do país.

Reunidos em 13 de maio de 2006, em São Paulo, na sub-sede do Sindicato dos Vidreiros de SP, militantes vindos de 3 estados (São Paulo (interior e capital), RJ e SC) discutimos a situação dos negros e a situação política do país.

Constatamos a urgente e necessária articulação de militantes negros e socialistas, pois a deterioração do sistema capitalista tem levado à verdadeira regressão social dos povos em todos os cantos do planeta. E em particular, no Brasil, das condições de existência dos negros.

Na África , a AIDS está dizimando uma geração. Em vários países, esta epidemia atinge mais de 30% da população. As guerras fazem milhões a se deslocarem como párias através do continente. Nos EUA, país mais rico e poderoso do planeta, o desastre causado pelo furacão Katrina demonstrou a verdadeira face deste sistema: milhares de negros pobres foram abandonados enquanto o Governo Bush destinava bilionários recursos para as guerras.

No Brasil, assistimos um verdadeiro genocídio da juventude negra pelo narcotráfico e pelo estado, através da polícia. Só no Estado de São Paulo, um jovem negro, por dia, é assassinado. Gegê, militante do movimento popular que luta por moradia para todos, continua “clandestino‘‘, porque teve sua liberdade cassada por um crime que não cometeu, numa evidente perseguição às lideranças populares.

O governo Lula, eleito para romper com a política pró-imperialista e defender a soberania nacional, para satisfazer as aspirações do povo, mantém – a pedido do governo Bush – tropas no Haiti, reprimindo o povo negro para “manter a ordem”, igualzinho a polícia diz fazer aqui.

Nós, negros e socialistas, que lutamos contra o racismo, pela igualdade de todos e pelo fim da exploração de um homem pelo outro, portanto, pela abolição da propriedade privada dos grandes meios de produção, não podemos aceitar a proposta do PL 3198/00 – “Estatuto da Igualdade Racial”.

Este projeto de lei rasga a constituição quando impõe uma separação com direitos diferentes, criando dois tipos de cidadãos: os brasileiros e os afro-brasileiros. Esse projeto de lei ignora o conceito Republicano inserido em nossa constituição “… Todos são iguais…” A história já nos mostrou que a divisão de uma nação em etnias, religiões, “raças”, só pode levar à desagregação e à guerra! Em Ruanda, o ódio entre o mesmo povo foi criação do imperialismo belga que inventou uma divisão da população em “duas etnias” (Tutsis e Hutus). Isto levou essa nação à guerra civil, o que causou milhões de mortos. Essa é uma velha estratégia dos opressores.

Para nós o combate é: “Paz entre nós, guerra aos senhores”! A adoção de cotas é a uma armadilha que leva a isto. A única “cota”, a única “reparação” que nos interessa é direitos iguais para todos, emprego para todos, saúde e educação para todos. Um futuro digno para todos. Com todos os trabalhadores nós lutaremos contra o racismo que divide o povo trabalhador. Com eles, somos por vagas nas universidades para todos, serviços públicos de qualidade para todos.

Para nós, o mundo é dividido em classes e não em etnias. E não existem vagas para todos porque poucos se apropriam de muito. E estes poucos dividem e oprimem a maioria para manter seus privilégios. Nós, negros e socialistas presentes nesta reunião, temos o dever e a responsabilidade de alertar todos os nossos irmãos e companheiros da gravidade da situação e por isso, aprovamos a seguinte plataforma, organização e bandeiras de luta.

– Constituição de uma comissão para impulsionar uma campanha contra o PL 3198/00 e para visitar o Congresso Nacional explicando nossas posições;

– Elaboração de uma carta ao Presidente Lula exigindo Serviços públicos de qualidade para todos;

– Campanha de mobilização por: vagas já para todas as crianças negras nas escolas públicas de ensino fundamental e médio;

– Organizar debates, palestras, seminários para explicação e discussão do PL 3198/00 – “Estatuto da Igualdade Racial”;

– Organizar reuniões de volta nas regiões para divulgação desta declaração e das campanhas;

– Participação ativa na Caravana das Fábricas Ocupadas à Brasília, em 18 de Julho de 2006. – Constituição do Comitê por um Movimento Negro Socialista;

– Realizar Nova Reunião Nacional em Brasília 18 de Julho

São Paulo, 13 de maio de 2006.

Deixe seu comentário

Leia também...

187 anos do nascimento de Luiz Gama, um dos principais expoentes da luta pela abolição

Luís Gama foi um dos pioneiros na luta abolicionista no Brasil, conhecido como o “advogado …