Início / Artigos / Declaração da Corrente Marxista Internacional sobre o Referendo Revogatório na Bolívia

Declaração da Corrente Marxista Internacional sobre o Referendo Revogatório na Bolívia

Declaração adotada pelo Congresso Mundial da Corrente Marxista Internacional (CMI)

No dia 10 de Agosto, está convocado na Bolívia um referendo revogatório do presidente Evo Morales e de oito, dos noves, prefeitos reacionários.

Este referendo eleitoral representa uma nova encruzilhada para a revolução boliviana, em que se enfrentam interesses da classe opostos: de um lado, os trabalhadores e os camponeses que anseiam para a mudança fundamental no país, no outro, a oligarquia, os latifundiários e os proprietários dos bancos, a indústria e os meios de comunicações, o imperialismo e as multinacionais, que já têm começado uma campanha feroz contra o referendo, para impedir, custe o que custar, a legitimação do governo de Evo Morales e da revogação dos seus prefeitos.

Nesta batalha, a Corrente Marxista Internacional está firme ao lado das massas oprimidas da Bolívia e fazemos um chamado a todos do movimento operário e de solidariedade de todo o mundo, para ser vigilante face às manobras por parte da oligarquia e do imperialismo por sabotar o referendo revogatório ou não reconhecer seus resultados.

A classe dominante não vai ceder seu poder político e econômico, ou seus privilégios sem dar uma batalha. Como já têm demonstrado em Santa Cruz, usarão todos os meios ao seu alcance para defender suas posições: organização de grupos fascistas, sabotagem econômica, uma campanha das mentiras nos meios de comunicação, pressão diplomática, e, se derem condições, um golpe militar.

Nos últimos anos, os trabalhadores e os camponeses bolivianos tem demonstrado em inúmeras ocasiões sua firme vontade de lutar contra o capitalismo, o imperialismo e o latifúndio: durante a guerra da água em Cochabamba, nas insurreições em fevereiro e outubro 2003, em Maio-Junho 2005, e mais recentemente, com a eleição de Evo Morales em dezembro 2005, sua mensagem foi clara.

Os interesses dos trabalhadores e dos camponeses bolivianos não podem ser realizados sem romper decisivamente com o poder da classe dominante. No dia 10 de Agosto nós devemos ganhar o referendo revogatório, ratificando o presidente Evo Morales e revogando os prefeitos reacionários. Isto somente pode ser conseguido com a mais ampla mobilização das massas nas ruas, não somente para votar, mas para defender o voto e os resultados face às manobras da oposição.

Entretanto, esta é somente uma etapa. As políticas de negociação e de conciliação com a oposição oligárquica e as multinacionais aplicadas por setores do governo e dos dirigentes do MAS somente tem servido para incentivar e fortalecer os capitalistas e confundir e a desorientar o movimento dos trabalhadores e dos camponeses. A fim de ganhar o referendo, e sobretudo assegurar os interesses da classe trabalhadora, é necessário arrancar as palancas do poder econômico e político que seguem nas mãos da burguesia do imperialismo. A terra deve ser expropriada e os bancos e os grandes negócios devem ser nacionalizados sob o controle democrático dos trabalhadores.

Organizar a solidariedade com a revolução boliviana!
Ratificar o presidente Evo Morales, revogar os prefeitos!
Mobilizar os trabalhadores e os camponeses nas ruas para defender o referendo revogatório e aplicar a agenda de outubro!
Nacionalizar os bancos, as grandes empresas, as multinacionais e os latifúndios!
Todo o poder aos trabalhadores e aos camponeses!

Barcelona, 2 de Agosto de 2008

Deixe seu comentário

Leia também...

Argentina: Mobilização para combater os capitalistas e seu ajuste

O governo federal avança a toda velocidade tentando impor o ajuste disfarçado de reforma. Assim …

Deixe uma resposta