Início / Artigos / Da guerra ao terror à guerra aos trabalhadores

Da guerra ao terror à guerra aos trabalhadores

No encontro do G20 ocorrido na Turquia, logo após os atentados em Paris, o presidente francês, François Hollande, repetiu Bush de 14 anos atrás e declarou “guerra ao terror”. Tal qual Bush, uma de suas primeiras medidas foi um discurso no parlamento francês (Senado e Câmara unificados) pedindo o aumento do prazo e das medidas disponíveis no chamado “Estado de Emergência”, que restringe a liberdade de reunião, manifestação e aumenta os poderes do executivo e da polícia, permitindo a busca em domicílios sem mandato judicial.

No encontro do G20 ocorrido na Turquia, logo após os atentados em Paris, o presidente francês, François Hollande, repetiu Bush de 14 anos atrás e declarou “guerra ao terror”. Tal qual Bush, uma de suas primeiras medidas foi um discurso no parlamento francês (Senado e Câmara unificados) pedindo o aumento do prazo e das medidas disponíveis no chamado “Estado de Emergência”, que restringe a liberdade de reunião, manifestação e aumenta os poderes do executivo e da polícia, permitindo a busca em domicílios sem mandato judicial.

No Brasil, Dilma enviou em caráter de urgência o projeto de lei “antiterrorismo”, já aprovado na Câmara e no Senado. A verdade é que este projeto dá base jurídica para elevar a criminalização dos movimentos sociais (ver mais em: http://www.marxismo.org.br/content/tipificacao-do-terrorismo-para-quem). 

Na França e no Brasil, o terrorismo, fruto bárbaro do capitalismo, é utilizado como justificativa para restringir a liberdade de manifestação e organização da classe trabalhadora. Vem com força o argumento de “ampliar a segurança para as Olimpíadas”. Na realidade, mais um pretexto para abrir o país para a atuação de agências internacionais (FBI, DEA e outras) acompanhadas pelo aumento do aparato repressivo.

A burguesia se prepara para aprofundar os ataques e intensificar a repressão e criminalização contra a resistência do proletariado.

Na vizinha Argentina, vence o candidato de direita, Maurício Macri. É importante ressaltar que o candidato derrotado e apoiado por Cristina Kirchner, Daniel Scioli, representava a ala mais à direita do movimento kichnerista. E o fato é que, após 12 anos no poder, primeiro com Nestor e depois com Cristina, os problemas fundamentais da classe trabalhadora argentina não foram resolvidos. Aprofunda-se a crise econômica no país, que é atingido em cheio pela queda na economia chinesa. Do novo governo, o que pode se esperar é o aprofundamento dos ataques e a submissão ao capital internacional. Do proletariado argentino, a intensificação da luta de classes.

A crise mundial continua – os jornais já desistiram, no mundo inteiro, de falar em “retomada”. A perspectiva realista para o próximo período é de uma nova recessão global.

No Rio de Janeiro, a venda de imóveis recuou 50% este ano, voltando para os patamares do ano de 2005. O governo do estado avisa que o 13º salário dos servidores não está garantido e que os “prestadores de serviços”, como empresas de limpeza dos órgãos públicos, não serão pagos. A UERJ fechou esta semana, as bibliotecas estaduais estão se preparando para fechar e o Estado paralisa lentamente seus serviços. No Brasil inteiro, os jornais noticiam que até 10 Estados poderão não pagar o 13º aos servidores. 

Dilma equilibra-se e consegue manter a maioria dos vetos presidenciais no Congresso, em especial o veto ao reajuste dos servidores do judiciário e o veto à paridade no reajuste das aposentadorias e pensões com o reajuste do salário mínimo, contrariando mais uma vez as reivindicações dos trabalhadores. A CUT finge que nada acontece, não mobiliza pela derrubada desses vetos presidenciais, dando cobertura à política de ajuste.

Os jornais expressam com alívio o resultado da votação, ao mesmo tempo em que questionam se o governo conseguirá maioria suficiente para aprovar projetos do seu interesse, como a volta da CPMF e uma “nova” Reforma da Previdência. Depois dos servidores públicos, agora a bola da vez sãos os trabalhadores da iniciativa privada, com a proposta de uma idade mínima de 65 anos para poder se aposentar. 

Para derrubar vetos, a oposição tinha que reunir a maioria absoluta dos votos (257 na Câmara e 41 no Senado) e isto ela não conseguiu. Mas o governo também não saiu vitorioso, as votações foram apertadas e em dois casos os vetos presidenciais foram derrubados, o veto à obrigatoriedade de impressão dos votos na urna eletrônica e o veto à liberação imediata de recursos de depósitos judiciais para Estados e Municípios. 

Ficou evidente que o governo não tem os votos necessários para aprovar medidas de ajuste como a volta da CPMF e a prorrogação da DRU (Desvinculação de Receitas da União), que libera 20% do orçamento para o governo gastar como desejar. A volta da CPMF precisaria ser aprovada por 3/5 do Congresso (308 votos na Câmara e 49 no Senado). Diante da situação, o governo decidiu adiar essa discussão para 2016.

E é nesta situação que o STF decide questionar a soberania do congresso nacional ao mandar prender um Senador, Delcídio do Amaral, sem ser em flagrante delito e sem consultar antes o Senado. Em outras palavras, coloca o Congresso como um poder subordinado ao STF. As consequências maiores deste ato analisaremos depois. É evidente que a Esquerda Marxista é contra todas as falcatruas e crimes cometidos por qualquer agente público, em particular titulares do Executivo, membros do Congresso ou Juizes. Entretanto, o ato do STF é mais uma cunha que ameaça implodir o frágil equilíbrio sob o qual se balança o atual esquema de dominação burguesa no País, sendo o ato em si uma inclinação perigosa na direção do autoritarismo e da quebra dos direitos democráticos. 

O impasse para a burguesia segue, o governo é frágil, mas tirá-lo precipitadamente poderia abrir uma situação ainda mais convulsiva. Eles sabem que a disposição de luta de jovens e trabalhadores cresce. É o que se viu na força da greve dos petroleiros, é o que se vê na ocupação de escolas de São Paulo por jovens estudantes. A greve da Petrobras chegou ao fim, mas a ocupação de escolas cresce a cada dia no maior estado do país. 

Se as manifestações de “Fora Dilma” perdem vigor, o grito “Fora Cunha” passa a ser tão unânime que ele é vaiado no próprio congresso do PMDB. Os únicos que parecem não ouvir são o governo e o PT que manobram descaradamente para salvar o mandato de Cunha e manter o congresso “funcionando”. 

No Brasil e no Mundo, o que domina é a instabilidade política para os regimes do capital. Os trabalhadores buscam uma saída. A Esquerda Marxista, seção brasileira da Corrente Marxista Internacional, está nesse combate, por uma saída pela esquerda, pela derrubada do capitalismo, pela revolução socialista.

Deixe seu comentário

Leia também...

Uma extraordinária adaptação no Congresso da CUT

A direção da CUT chama um “congresso extraordinário” em 2017 com o lema de “100 …