Início / Luta de Classes | Ver Mais / Crônica de um cozido revolucionário

Crônica de um cozido revolucionário

Uma crônica sobre as cozinheiras em movimento de Joinville.

No dia 16 de junho o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Joinville e Região (Sinsej) realizou uma reunião de servidoras cozinheiras do município de Joinville. O encontro durou cerca de quatro horas. Flávia Antunes, Neiva Meneghel, Antônio Mafra e Tiago de Carvalho, discutiram com as mais de 50 cozinheiras presentes os caminhos que precisam ser traçados para que essas mulheres tenham condições reais de realizarem o árduo trabalho diário de preparar o alimento de milhares de crianças e jovens. As tarefas são muitas, mas a cozinha está revolucionada, a partir desta noite de organização a história será outra. Abaixo uma pequena crônica do momento vivido na noite histórica das nossas cozinheiras.

“Toda cozinheira deve aprender a governar o Estado!”

Lenin

Elas foram chegando, a noite estava fria, as pernas cansadas, mas todas estavam lindas, como toda a mulher trabalhadora que se prepara para a luta. No horário marcado estavam todas a postos, com os olhos ávidos de expectativas e a mente altamente organizada em torno de seus direitos.

Cada uma das mais de 50 mulheres presentes nesse encontro sabia exatamente que o que as movia era a inconfundível sensação de estarem sendo injustiçadas. A injustiça para além de seus efeitos aparentes mais devastadores como a institucionalização da salvaguarda de privilégios e imunidades à classe dominante, desperta um dos mais transformadores sentimentos no ser humano, a revolta.

Ah, a Revolta … quantos frutos promissores podem advir desse sentimento quando de forma organizada é canalizado para a solução dos problemas do conjunto da classe?

As reivindicações de mudanças que mobilizam essas trabalhadoras são profundas e mostram muito mais que o seu universo mais imediato pode apresentar, mas ilustram escancaradamente a maneira desigual como a nossa sociedade está constituída, onde a grande maioria é submetida aos interesses de dominação de uma minoria.

O cenário de onde falamos é altamente representativo de como essa sociedade foi concebida. Falamos de dentro de uma cozinha, onde historicamente concentram-se os “serviçais”, os empregados “domésticos”, àqueles a quem se pode oprimir por sua condição.

Elas contaram sua opressão, revelaram as humilhações sofridas, a falta de condições mínimas de trabalho e a disposição de mudar essa situação. O fato de estarem coletivamente compartilhando seu duro cotidiano de trabalhadoras conduziu à reflexão de que fazem parte de uma classe, e que o salto de consciência de cada setor depende do avanço do entendimento de que a discussão política é tão importante quanto a econômica.

Deixar de ser classe em si e constituir-se em classe para si significa compreender que os interesses da classe dominante e os dos trabalhadores são inconciliáveis e que só a disposição para a organização pode por fim à exploração e opressão.

Pois bem, há um “basta” cozinhando dentro dessas panelas. Devido à sobrecarga de trabalho, tem-se produzido muito mais gente doente do que alimento. O que se prepara nesses espaços são trabalhadoras ainda jovens prontas para o descarte. O que se oferece nessas cozinhas, dialeticamente, são altas doses de dor, indignação e saltos de consciência.

Cozinhas são e sempre serão laboratórios espetaculares, inclusive para as revoluções mais pontuais. A revolta que se instalou entre essas trabalhadoras e que se expressa na luta por um local salubre para a execução de suas tarefas, na redução de carga horária, no direito a férias e licenças, no direito à saúde pública de qualidade e no respeito às atribuições da função, são, objetivamente, em última instância, fruto da degeneração da democracia que anula a apregoada igualdade.

A opressão que sofrem essas trabalhadoras não se limita a uma questão de gênero, mas efetivamente essa é uma forma do capitalismo reforçar suas formas de dominação. Nesse sentido, a luta pela emancipação da mulher é condição sine qua non para a emancipação de toda a classe trabalhadora e para a construção de um modelo de sociedade onde não haja a exploração do homem pelo homem.

O processo de mobilização e organização da luta que se estabelece com esse conjunto de trabalhadoras e com tantos outros mundo afora, nesse momento, é parte da empreitada que nós marxistas temos. Construir pontes entre as reivindicações cotidianas desses grupos e a compreensão de que só a conquista do poder pelo proletariado pode garantir a emancipação da classe é nossa meta.

Viva a luta da classe trabalhadora!

Viva a organização das cozinheiras de Joinville!

* Flávia Antunes é militante da Esquerda Marxista, historiadora, dirigente do Sinsej.

Deixe seu comentário

Leia também...

Reforma foi adiada por debilidade do governo, não pela pressão das centrais sindicais

Fala do militante da Esquerda Marxista, ex-vereador e ferroviário Roque Ferreira em ato organizado dia …