Início / Sem Categoria / Cotas raciais: O último biscoito do pacote?

Cotas raciais: O último biscoito do pacote?

Movimento Negro Socialista
Ontem começou o julgamento no STF da constitucionalidade das cotas raciais. Em 2010, o Tribunal realizou uma grande Audiência Pública, onde fomos convidados e expusemos os malefícios destas políticas e principalmente as consequências desastrosas das políticas de diferenciação de direitos segundo a cor da pele. É dessa forma que ONG’s, burocratas de carreira no serviço público e infelizmente militantes honestos, propõem as chamadas cotas raciais como a principal forma de combate ao racismo ou de ‘reparação’. Na verdade essas políticas impõem uma lógica da sociedade de classes e perpetua as desigualdades pré-estabelecida pelo enorme abismo social entre as classes no Brasil.

O conceito de identidade racial pressuposto para aplicação das cotas raciais só pode levar a retirar a identidade social, por exemplo, dos trabalhadores – portanto uma divisão – nas escolas, nos bairros pobres, nos sindicatos, onde os interesses dos trabalhadores são os mesmos dos trabalhadores brancos, são interesses gerais da classe trabalhadora.
O racismo que existe é o fruto mais hediondo da sociedade de classes em que vivemos. Somente a luta por igualdade econômica e política por direitos iguais de fato para todos, pode abrir uma via eficaz de combate ao racismo.
Essa chamada “discriminação positiva” só levará ao caminho da divisão tendo como resultado a criação de uma oposição legal entre negros e brancos em escala nacional. É evidente que os primeiros a sentir as consequências da divisão “racial” da sociedade serão os pobres, negros e brancos, em sua luta pela sobrevivência, na luta por emprego, e que têm a necessidade de Saúde, Educação e Serviços Públicos gratuitos e de qualidade.
E existe outra saída? Poderíamos apresentar algumas:
– Que tal aplicar 10% do PIB para Educação?
– Que tal, ao invés de fazer um fundo soberano de 350 bilhões de dólares, investir pesadamente nos serviços públicos, em especial Saúde, Educação e Moradia?
Essas medidas acabariam com o racismo? Possivelmente não! Mas seguramente melhoraria muito mais a vida dos negros pobres que qualquer cota em Universidade.   
Continuamos afirmando: Vagas para Todos, Salário Digno para Todos, Salário Igual para Trabalho Igual, punição para os racistas!
A política de cotas só é o último biscoito do pacote para aqueles que desistiram da luta por igualdade, da luta contra o capitalismo.
As mais importantes conquistas dos negros são inseparáveis das conquistas e lutas da classe trabalhadora. A luta por igualdade é a luta pelos meios materiais para superação das desigualdades. Leis que diferenciem os direitos segundo a cor da pele são o contrário da luta por direitos iguais.
Como socialistas lutamos pelos interesses históricos e imediatos do proletariado e em todas as etapas deste combate sempre encontramos o desafio de construir a unidade de todos os oprimidos e explorados diante dos obstáculos criados pela própria sociedade de classes, os quais, muitas vezes, são armadilhas criadas pela classe dominante com o objetivo de manter sua dominação de classe. 
Nos últimos 10 anos temos discutido e combatido com todas as nossas energias esta reacionária política de divisão da classe trabalhadora, não sabemos como terminará este julgamento. De nossa parte, continuaremos firmes na luta contra o sistema social que alimenta o racismo, lutando por: Trabalho Igual, Salário Igual; Vagas para Todos nas Universidades Públicas; Serviços Públicos Gratuitos e de Qualidade, Punição para os racistas!
Não as cotas raciais!
Somos irmãos trabalhadores!
Combater o racismo, lutar por igualdade e pelo Socialismo!

Deixe seu comentário

Leia também...

Eleições no Chile: A “Frente Ampla” se apresenta no primeiro turno das eleições presidenciais.

Escrito por Carlos Hernán As eleições do dia 19 de novembro no Chile mostraram uma …

2 Comentários

  1. Muito bom, amigo! Parabéns! Abaixo a racialização do Brasil!

  2. não sou esquerdista, mas assino embaixo desse post até chegar a parte da igualdade utópica. O primeiro passo é a diminuição da diferença social, não é preciso buscar a perfeição impossível do pensamento comunista