Início / Artigos / Outras Análises | Ver Mais / Geral / Congresso do PT, um retrato da falência do partido

Congresso do PT, um retrato da falência do partido

Entre os dias 11 e 13 de junho, ocorreu o melancólico 5º Congresso do PT. Um Congresso marcado pelo desinteresse do plenário nos discursos, por vaias dos participantes e manobras da mesa, pelo pessimismo sobre a situação política, por uma crise que se aprofunda a cada dia no partido, sem luz no fim do túnel, pois a linha política que provocou tudo isso, foi reafirmada por este Congresso enquadrado pelos interesses do planalto.

 

Entre os dias 11 e 13 de junho, ocorreu o melancólico 5º Congresso do PT. Um Congresso marcado pelo desinteresse do plenário nos discursos, por vaias dos participantes e manobras da mesa, pelo pessimismo sobre a situação política, por uma crise que se aprofunda a cada dia no partido, sem luz no fim do túnel, pois a linha política que provocou tudo isso, foi reafirmada por este Congresso enquadrado pelos interesses do planalto.

A segunda etapa do 5o Congresso do PT evidencia a falência do partido como instrumento de luta da classe trabalhadora.

Enquanto os discursos de Lula, Dilma e dos principais dirigentes exaltavam as realizações dos 12 anos de governo do PT, na dura realidade o que existe é o aprofundamento da crise e dos ataques.

Somente no mês de abril desse ano, foram fechados 97.828 postos de trabalho, desse total, 53.850 só na indústria. A inflação dispara e chega a 8,47% nos últimos 12 meses, maior índice desde 2003. O governo Dilma segue os ataques, faz aprovar as MPs 664 e 665 que retira direitos trabalhistas e previdenciários. Corta verbas de áreas sociais, em especial educação e saúde. Anuncia orgulhosamente uma nova onda de privatizações de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos.

Esta é a realidade ausente nos discursos dos dirigentes do PT e na resolução política do Congresso do partido, intitulada de “Carta de Salvador”, uma obra de ficção para defender o governo e a política que destruiu o PT como ferramenta de luta e mobilização.

São feitas, no documento, autocríticas superficiais, como o afastamento do partido em relação aos movimentos sociais, e de não ter sido criado um sistema de comunicação para se contrapor às “corporações midiáticas”. No entanto, o centro, a política de colaboração de classes, isso segue sendo um acerto que “tornou viável, para as administrações comandadas pelo PT, a construção de maiorias parlamentares táticas, que garantiram a governabilidade para aprovação de políticas públicas e manutenção da estabilidade institucional”.

Qualquer traço de crítica ao governo foi retirado do documento final, gerando descontentamento em dirigentes da CUT e na própria base das correntes majoritárias. O máximo que se diz é que “é preciso conduzir a orientação geral da política econômica para a implementação de estratégias para a retomada do crescimento, (…) defesa do emprego, do salário e dos demais direitos dos trabalhadores, que permita a ampliação das políticas sociais”.

Um caso simbólico foi o da discussão sobre o financiamento do partido. Em abril, a direção havia definido que os diretórios do PT não deveriam mais receber dinheiro de empresas, mas, é claro, deixava os candidatos liberados para captar estes recursos. Tal decisão deveria ser referendada pelo Congresso de Salvador. No entanto, a direção recuou, impediu o Congresso de tomar essa decisão e a remeteu para uma nova reunião do Diretório Nacional. Lula explicou no discurso em que lançou a plataforma digital para arrecadação de doações de pessoas físicas que “se precisar” de doações privadas, “com a mesma cabeça erguida com que a gente dá os nossos R$ 10,00, a gente vai pedir”. Na realidade, é a dependência do PT em relação ao financiamento da burguesia e a incapacidade de retomar o financiamento independente junto aos militantes e apoiadores.

Todas as atuais correntes do partido, em suas teses, consideram a existência de um avanço da direita na sociedade, uma “onda conservadora”, e que a solução mágica para todos os males é a Reforma Política. Como já dissemos, a campanha pela Reforma Política desvia o foco da responsabilidade concreta do governo no atendimento das reivindicações populares, e ainda alimenta a ilusão de que é possível melhorar as cada vez mais odiadas instituições burguesas. Uma das propostas centrais dos defensores desse caminho é o financiamento público das campanhas eleitorais, o que só vai completar a estatização dos partidos políticos, com o desvio de dinheiro público para a campanha de candidatos, incluindo os de direita e extrema direita, como Bolsonaro, etc.

Sobre a tal “onda conservadora”, já explicamos em diferentes artigos em nossa página que ela não existe. O que há é uma crescente polarização social entre os trabalhadores em luta, “cansados de tudo o que está aí”, e a burguesia, que precisa intensificar seus ataques com o aprofundamento da crise econômica. Não existe hoje, nem base social para organizações fascistas de massa, nem condições políticas e interesse do imperialismo e da burguesia nacional para um golpe militar, nem mesmo para um impeachment de Dilma. Só os grupelhos de extrema direita acreditam em alguma dessas opções como saída.

A verdade é que o governo Dilma curva-se cada vez mais aos interesses dos capitalistas. Tirar este governo com um golpe ou um impeachment só pode aguçar a luta de classes, abrindo o caminho para uma guerra civil no país. A burguesia trabalha para “sangrar” o PT até 2018 e retomar para suas próprias mãos o governo central. O PT deixou de ser um instrumento útil para eles a partir do momento que deixou de ser capaz de controlar as massas, o que ficou evidente em junho de 2013 e nas grandes greves que se seguiram.

A política de colaboração de classes, de submissão aos interesses da burguesia, destruiu o PT como instrumento de luta para a classe trabalhadora. A esperança depositada por milhões ao eleger Lula, o sacrifício de militantes que deram anos de sua vida para construir o partido, estes tiveram seus sonhos traídos por estes dirigentes. O 5º Congresso do PT só evidencia que não há salvação para este doente que segue se envenenando.  

A Esquerda Marxista, cuja história é marcada pelo combate para a construção do PT, que sempre seguiu firme nos princípios que estiveram na origem do partido e repetidamente defendeu a ruptura da coalizão com a burguesia e a retomada da luta pelo socialismo, decidiu em sua última Conferência, em abril de 2015, encerrar 35 anos de intervenção no PT. Concluímos que não há mais terreno para a construção das ideias do marxismo no interior do partido. A juventude já abandonou o PT há muito tempo, grandes parcelas da classe trabalhadora também. É evidente que o PT esvazia-se de uma militância de esquerda e revolucionária.

Ao contrário do PT e de suas atuais tendências, nós olhamos com entusiasmo a presente situação política. A classe trabalhadora segue forte, em luta, resistindo e em busca de uma saída. As instituições burguesas, incluindo os partidos tradicionais que se empenham na defesa da ordem, ganham cada vez mais o ódio das massas. É o mesmo processo que estamos vendo ao redor do mundo, em especial na Grécia e na Espanha.

São tremores abalando as estruturas do regime capitalista internacional. Um mundo novo lutando para nascer das entranhas do decadente capitalismo. Convidamos todos a se engajarem no combate por uma frente de esquerda que agrupe militantes, sindicalistas, jovens, grupos, movimentos, coletivos e partidos, que busque a unidade para a intervenção na luta de classes entre todos aqueles que permanecem fiéis aos princípios de independência de classe e de luta pelo socialismo, para que travemos juntos os combates contra os ataques e pelas reivindicações, por um futuro digno para a humanidade, para manter acesa a chama que esteve um dia na construção do PT, para seguir em frente na luta pela revolução, pelo socialismo. 

Deixe seu comentário

Leia também...

Nildo Ouriques avalia posição sobre eleição 2018 do 6º Congresso do PSOL

Neste vídeo do companheiro Nildo Ouriques, está expressa a análise que nós da Esquerda Marxista …