Centenário de Pagu

A Esquerda Marxista presta sua homenagem a esta revolucionária brasileira que combateu o capitalismo.

Em 9 de junho de 1910 nascia Patrícia Rehder Galvão, em São João da Boa Vista (SP). Dezoito anos depois receberá do poeta Raul Bopp o apelido Pagu, porque este pensava que seu nome fosse Patrícia Goulart. Foi Bopp quem a apresentou a Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral neste mesmo ano, no qual Pagu formou-se na Escola Normal de São Paulo, diplomando-se professora.

Colabora pela primeira vez com a Revista Antropofágica, publicando um desenho no número dois da segunda edição. Três anos antes já havia colaborado com o Brás Jornal sob o pseudônimo de Patsy.

Casa-se com Oswald em 5 de janeiro de 1930, com quem teve um filho, Rudá, no dia 25 de janeiro de 1930. No ano seguinte ingressa no PCB e publica a seção “A mulher do Povo” no jornal “O Homem do Povo”, editado conjuntamente à Oswald. O jornal durou oito números, e foi proibido pela polícia após conflito com estudantes de Direito do Largo São Francisco, que invadiram o escritório com intuito de empastelar o jornal. Nesse ano participou em de Santos de comício emhomenagem a Sacco e Vanzetti, dois sindicalistas anarquistas condenados à morte por eletrocução nos E.U.A. e executados em 23/08/1927, sob acusação de terem assassinado contador e segurança de uma fábrica de sapatos.

O cineasta italiano Giuliano Montaldo realizou um filme no ano de 1971 sobre esta história. Neste comício um estivador morreria em seus braços, baleado pela polícia getulista e Pagu é presa. A “musa da revolução”, como a chamou Carlos Drummond de Andrade, é considerada a primeira mulher presa por motivos políticos no Brasil, fato que se repetiria ainda mais vinte e duas vezes ao longo de sua vida.

Em 1934 viaja a Paris, onde conhece representantes da vanguarda artística francesa, como André Breton (que redigiria o Manifesto por uma Arte Revolucionária Independente com Trotsky, quatro anos depois), os escritores Louis Aragon e René Crevel e o poeta Paul Éluard, todos ligados ao movimento surrealista, do qual Breton é autor do manifesto. Estes encontros deram-se na casa a cantora brasileira Elsie Huston, então casada com Benjamin Péret e irmã da esposa de Mario Pedrosa, crítico de arte, um dos primeiros trotskistas do Brasil e fundador do PT e filiado número um do partido. Lá Pagu foi presa e quase deportada para a Alemanha nazista, escapando pela intervenção do cônsul brasileiro na França, Souza Dantas.

Separa-se do escritor e poeta Oswald de Andrade ainda nesse ano. Em 1938 é presa novamente e condenada a dois anos de prisão pelo Tribunal Nacional de Segurança do Estado Novo. Em fevereiro de 1939, ainda presa, escreve a “Carta de ucom o PCB stalinista, fruto da cisão no partido ante a adesão à “frente popular” da Internacional Comunista, resolução do VIII congresso.

O PCB chegou a considerar a burguesia “força motriz da revolução brasileira” o que levou ao Comitê Regional de São Paulo do PCB organizar-se enquanto Dissidência Pró-Reagrupamento da Vanguarda Revolucionária. A carta de Pagu circulou como boletim desse comitê, em várias cópias clandestinas mimeografadas, da qual transcrevemos um trecho:

“O abismo entre a palavra e a realidade é cada vez mais profundo, daí ser necessário rever cada ano não apenas as fórmulas mais sagradas, mas até os próprios princípios. Deste modo, a burocracia bonapartista não só apossa-se das conquistas da revolução mas falseia-a, despindo-a dos seus caracteres mais essenciais sob a alegação de que constituem “erros de esquerda”. À maior dissonância ela revela o seu caráter policial, perseguindo, “depurando” sob o rótulo de trotskismo. Do estado soviético, do estado operário, fez um estado totalitário. A própria efervescência das idéias e das relações sociais, que são o fenómeno natural que segue qualquer grande transformação social, tornou-se-lhe perigosa. Ela teme a discussão porque teme a crítica, e teme a crítica porque teme a massa. O ser verdadeiro medo é ver perdidos os seus privilégios, daí o não permitir nenhuma discussão, daí as prisões, daí as deportações, os fuzilamentos(…).”

Em 1940 casa-se com Geraldo Ferraz, com quem participaria do jornal A Vanguarda Socialista, de Mario Pedrosa, em 1945. Cinco anos depois seria candidata à deputada pelo PSB, partido de Pedrosa e dos trotskistas brasileiros.

Uma vida de coragem e luta, posicionando-se com clareza ante as tarefas históricas que se colocavam a ela, teria fim em 1962, com sua morte em Santos no dia 12 de dezembro.

Deixe seu comentário

Leia também...

Lições dos quatro primeiros congressos da Internacional Comunista

Discutiremos aqui os quatro primeiros congressos da Internacional Comunista (IC), ainda dirigidos por Lenin e …

Deixe uma resposta