Início / Artigos / Brasil / Caráter da Povo Sem Medo em questão enquanto frente

Caráter da Povo Sem Medo em questão enquanto frente

Mesmo identificando-se como componentes da Povo Sem Medo, os marxistas apontam problemas nos rumos dessa frente de mobilização.

Lançada em outubro de 2015, a Frente Nacional de Mobilização Povo Sem Medo (FPSM) surgiu como alternativa à esquerda da Frente Brasil Popular. Trata-se de uma Frente para reunir as organizações e militantes que combatem as medidas de austeridade e ataque às liberdades democráticas.

Com a eminência da queda de Dilma, o que se viu foram convocatórias em defesa da democracia, mas os atos acabaram sequestrados pela palavra de ordem “Não vai ter golpe” e a defesa do mandato de Dilma, mesmo com todos os ataques desferidos que tiveram como cereja do bolo a Lei Antiterrorismo.

Em meio à nova situação política, a FPSM convocou um seminário com as forças que a compõe e mudou qualitativamente a organização da Frente. E o que nasceu como frente de mobilização se propõe a instituir um aparato centralizado nacional com caráter político e organizativo que não tem a ver com seus objetivos iniciais.

Os marxistas seguem participando da FPSM como apontamos em seu lançamento: “A este manifesto e a esta frente de luta nos somamos. É neste combate que a Esquerda Marxista acredita que se forjará uma nova vanguarda na juventude e na classe trabalhadora capaz de mobilizar e organizar para derrotar a política do Capital”.

Contudo, ressaltamos a necessidade de a Povo Sem Medo preservar o caráter de frente unitária de ação de movimentos sociais. E isso é de responsabilidade maior de Guilherme Boulos e do MTST.

Artigo publicado na edição 89 do jornal Foice&Martelo, de 2 junho de 2016.

Deixe seu comentário

Leia também...

Reforma política: Nosso dinheiro para Bolsonaro, iscas para a esquerda e barreira para as organizações de trabalhadores

Michel Temer sancionou na sexta-feira (6/10) a reforma política, que, entre outros absurdos, desvia um …