Início / Artigos / Internacional / Burundi: militares derrubam Nkurunziza

Burundi: militares derrubam Nkurunziza

A situação evoluiu drasticamente no Burundi. Semanas de luta das massas contra o plano do Presidente Nkurunziza de ficar por mais um mandato conduziram a divisões profundas no aparelho de Estado. O regime inteiro foi abalado. Mas, na ausência de um partido capaz de dirigir as massas, o vácuo foi preenchido por setores do exército.

A situação evoluiu drasticamente no Burundi. Semanas de luta das massas contra o plano do Presidente Nkurunziza de ficar por mais um mandato conduziram a divisões profundas no aparelho de Estado. O regime inteiro foi abalado. Mas, na ausência de um partido capaz de dirigir as massas, o vácuo foi preenchido por setores do exército.

A pressão sobre o exército tem sido imensa. A revolta em massa levou a uma divisão dentro do regime com uma uma parte da elite decidida a enterrar Nkurunziza, a fim de salvar o seu poder. Tudo isso veio à tona de uma forma dramática, com o anúncio, em 13 de maio pelo exército que Nkurunziza havia sido derrubado.

O anúncio na quarta-feira por um general importante do Burundi em uma transmissão de rádio ao vivo, dizendo que Pierre Nkurunziza tinha sido ”demitido” como presidente foi apenas um evento em um dia tumultuado em Bujumbura. O General Godefroid Niyombare, um poderoso ex-chefe de inteligência que foi demitido em fevereiro, fez o anúncio apenas algumas horas depois de Nkurunziza deixar o país para participar de uma cúpula regional de emergência na Tanzânia para discutir a crise no Burundi.

“No que diz respeito à arrogância do presidente Nkurunziza, que desafiou a comunidade internacional após a mesma o aconselhar a respeitar a Constituição e o acordo de paz de Arusha, a comissão para a criação da concórdia nacional declarou: o Presidente Nkurunziza está indeferido, seu governo é julgado também Dada a necessidade de. preservando a integridade do país, o presidente Pierre Nkurunziza é demitido de suas funções, ” Niyombare anunciou em um quartel militar em Bujumbura. O anúncio da geral também foi transmitida em estações de rádio locais em torno do relógio.

O general também anunciou que uma ” comissão de salvação nacional ” tinha sido criada para dirigir o país. Ele também ordenou o fechamento do aeroporto de Bujumbura e fronteiras terrestres do país. Voos dentro e fora do país foram cancelados.

Logo após o anúncio, as ruas de Bujumbura foram inundadas com massas jubilosas de pessoas. Milhares ocuparam o lugar central de L’Independance em meio a cenas de celebrações selvagens. Multidões de pessoas correu pela torcida quadrado, canto e dança. Outros subiu em cima dos telhados de veículos, acenando a bandeira do país e cantando. Milhares de manifestantes marcharam ao lado de soldados ao centro de Bujumbura.

The Guardian citou um manifestante em Nyakabiga, um bairro no epicentro dos protestos, dizendo: ”Estamos muito felizes, estamos tão felizes, esta é uma grande vitória! Agradecemos aos nossos soldados por proteger-nos, estamos pedindo por liberdade para os burundianos. ”

Depois que a polícia declaração do general se retirou das ruas de Bujumbura, a capital, enquanto milhares de pessoas celebraram. As pessoas se aglomeravam ruas de Bujumbura e aplaudiu soldados que montavam por tanques e caminhões. Algumas das tropas sorriu e ergueu a um rifle de reconhecer a multidão aplaudindo.

Enquanto isso, em Dar es Salaam, Tanzânia, Nkurunziza desmentiu a notícia do golpe de Estado militar como ”uma piada” e de repente abandonou a reunião para retornar ao Burundi. Mas, comicamenteele não conseguiu sair de Dar es Salaam, porque o exército do Burundi havia assumido o controle do aeroporto de Bujumbura, mandou os funcionários para casa, cortaram a eletricidade e emitiram uma ordem de prisão contra ele se ele se atrevesse a aparecer. Foi relatado que ele estava a caminho de Uganda. Mas parece que os ugandenses não estavam muito ansiosos para lidar com uma batata tão quente e lhe recusaram a admissão.

No entanto, a situação no país ainda é muito fluida e não é certo que todo o exército está por trás da destituição de Nkurunziza. Isso ficou evidente na quarta-feira, quando o general Godefroid Niyombare teve que fazer seu anúncio a partir de uma estação de rádio privada, porque a emissora pública ainda estava ocupado pelas forças legalistas. Além disso, quando as massas entraram no centro de Bujumbura, foram impedidas de chegar perto do palácio presidencial por tropas legalistas.

No final do dia houve inúmeros relatos de negociações entre oficiais superiores do exército para refazer o acordo. Mas na quarta-feira os confrontos na emissora estatal revelaram que o negócio ruiu completamente. Na quinta-feira de manhã havia um impasse no centro da cidade entre as tropas sobre os diferentes lados da divisão. Os próximos dias vão revelar se o exército pode manter-se unido ou se o país está caminhando para uma outra guerra civil.

 

Protestos Incansáveis

Ao longo das últimas semanas dezenas de jovens foram presos em confrontos com a polícia. Em Bujumbura multidões de pessoas inundaram as ruas diariamente pedindo mudanças. Bairros inteiros se levantaram contra o regime. A resposta do governo foi reprimir os protestos usando a polícia. No dia 2 de Maio, o ministro da Segurança interior do país, o raivoso reacionário General Gabriel Nizigama prometeu reprimir a que ele chamou de ”criminosos, terroristas e inimigos do Estado” depois que agentes provocadores detonaram uma granada que matou dois policiais e feriu 17 outras pessoas. A intenção do ministro do Interior era claramente afogar os protestos no sangue.

Com a ameaça mortal de reação sangrenta, as manifestações que foram retomadas em Bujumbura no dia 6 de maio foram muito melhor organizadas do que as da semana anterior. Comitês de ação começaram a surgir quase espontaneamente. Em alguns bairros comida foi preparada com antecedência para manter os protestos em marcha. Em outros, onde o exército não foi colocado em peso ​​foram formados embriões de comitês de autodefesa para lutar contra a ala juvenil do partido no poder, o Imbonerakure.

Em 10 de maio, centenas de mulheres saíram às ruas de Bujumbura no dia das mães, para protestar contra o regime. Este foi em desafio contra a proibição do governo de manifestações de massa e marchas. Policiais que foram chamados para parar os protestos foram avisados para sair do caminho e aqueles que demoraram para fazê-lo foram simplesmente empurrados para o lado em cenas extraordinárias de heroísmo e bravura. De acordo com a RFI um manifestante disse à polícia: ”Nós somos mães. São os nossos filhos que são mortos. São os nossos filhos que estão na prisão. Estamos aqui para respeitar os direitos humanos. Estamos aqui contra o terceiro mandato.”

Outro acrescentou: ” Estamos cansados. Queremos paz. Nós queremos o respeito de nossa nação e nossa constituição. Nossa constituição é sagrada. Assim como os acordos de Arusha. Eles nos trouxeram a paz após dez anos de guerra em que nós perdemos nossos filhos e filhas. Nós não queremos mais isso.”

Estas são as vozes autênticas de mulheres revolucionárias. Em muitas ocasiões na história dos movimentos revolucionários são as mulheres que saem mais fortes e impulsionam os homens para a ação, porque são essas mulheres que têm de suportar o peso da vida familiar e da opressão de classe. Esta situação não foi exceção e teve o efeito de inflamar o mais recente levante contra Nkurunziza.
Em 12 de maio houve confrontos pesados ​​nos distritos de Butarere e de Bujumbura quando a polícia disparou balas reais e gás lacrimogêneo contra os jovens que estavam protestando. Mas em vez de agachar-se, a multidão virou o jogo sobre a polícia. No caos que se seguiu, os manifestantes pegaram um policial que disparado contra a multidão à queima-roupa e o espancaram. Mais tarde, ele foi liberada depois de sofrer ferimentos. Este pequeno detalhe notável expôs completamente as alegações de manifestantes agindo como ”terroristas” e “criminosos”.

 

Desdobramentos no regime

Duas semanas de protestos diários deram origem a graves divisões no regime. A primeira divisão era entre o exército e a polícia. Os planos da polícia para realizar um massacre e afogar os protestos em sangue têm sido frustrados em muitas ocasiões por soldados. Enquanto a polícia estava pronta para realizar seus feitos contrarrevolucionários, setores do exército intervieram regularmente para manter a polícia longe de manifestantes e em alguns casos até mesmo desarmaram policiais. Um exemplo foi em 30 de abril, quando um soldado foi morto por um oficial de inteligência perto de uma barricada que foi criada pelos manifestantes. O oficial foi preso por soldados ali mesmo.

Novas divisões se tornaram evidentes quando o segundo juiz mais antigo do Tribunal Constitucional, que estava prestes a decidir sobre a legalidade de um terceiro mandato para Pierre Nkurunziza, fugiu do país no dia 4 de maio. A partida dramática do juiz Sylvere Nimpagaritse revelou lutas amarga dentro da burocracia estatal. Nimpagaritse disse que a maioria de sete juízes do tribunal acreditava que seria inconstitucional Nkurunziza ficar de pé novamente, mas eles estavam enfrentando “uma enorme pressão e até mesmo ameaças de morte” para forçá-los a mudar de ideia. “Dois que tinham considerado que um terceiro mandato violaria os acordos de Arusha e a constituição estavam com medo” e mudaram de ideia, disse ele. “Eles me disseram que, se nós não mudássemos de opinião nós humilharíamos o presidente, que estávamos correndo um grande risco, que estávamos arriscando nossas vidas e nós teríamos que nos juntar ao outro lado, ” disse ele.

Ele acrescentou que se recusou a carimbar a decisão: ”Em ​​minha alma e consciência, eu decidi não colocar a minha assinatura em uma decisão que não é claramente legal que seria imposta a partir do exterior”.

 

Golpe de Estado militar

O anúncio por parte dos militares não é nenhuma surpresa. Nas últimas três semanas, as massas do Burundi tem tomado as ruas para protestar por seus direitos. Apenas a falta de uma organização central impediu-os de derrubar o governo diretamente.

Por outro lado, a fraqueza do regime era clara para todos verem. Apesar de ter a polícia à sua disposição, Nkurunziza foi impedido de usá-la para afogar os protestos em sangue por uma máquina estatal extremamente fraturada.

Em cada turno ele foi frustrado por setores do exército que não eram leais a ele. Isso fez com que os soldados ficassem muito populares com as massas nas ruas. Tudo isso fez com que nem os protestos nem o regime pudessem entregar o golpe fatal necessário para superar o impasse. Fora desta situação os militares tornaram-se os árbitros supremos. Mas sem as ações das massas revolucionárias os militares não teriam agido, ou teriam agido de forma reacionária. Este ponto tem que ser colocado de forma clara, pois as massas de homens, mulheres e jovens comuns são a força motora por trás dos acontecimentos no Burundi.

 

Manobras diplomáticas

Ao longo da última semana houve uma intensa atividade diplomática envolvendo potências regionais e o governo dos EUA. Depois de um início lento, as forças imperialistas e seus regimes fantoches na região têm trabalhado para recuperar o atraso com a situação que se move rapidamente. Uma reunião extraordinária de chefes de Estado e de Governo da Comunidade do Leste Africano (EAC) foi organizada às pressas para discutir os acontecimentos no Burundi. A reunião contou com a presença dos chefes de Estado e de Governo da Tanzânia, Uganda, Quénia, Ruanda, Burundi e Vice-Presidente Ramaphosa da África do Sul.

Samantha Power, a embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, alertou na semana passada que a crise no Burundi poderia desestabilizar a região dos Grandes Lagos, que o imperialismo dos EUA tem trabalhado duro para estabilizar depois de ter empurrado para fora a influência declinante da França e da Bélgica. O envolvimento do secretário adjunto para Assuntos Africanos, Linda Thomas-Greenfield, o início oficial dos EUA para a África, na reunião de cúpula de Dar es Salaam destaca o alto grau de preocupação dos EUA com a situação explosiva em Burundi.

No entanto, uma série de movimentos de massas revolucionários em todo o continente da África revelou a fraqueza das forças imperialistas. No passado, os imperialistas não teriam hesitado em enviar tropas para estabilizar a situação. Durante a guerra civil no Congo Brazzaville, por exemplo, o envio de mais de um navio de guerra britânico com não mais de uma centena de marinheiros foi o suficiente para botar milhares de rebeldes em fuga. Mas a crise global do capitalismo significa que as forças imperialistas estão sobrecarregadas e não podem intervir diretamente em cada conflito. Além disso, se eles não intervirem, eles só acabam agravando ainda mais a situação, como no caso da Síria e do Iraque.

 

Efeito sobre a região

À medida que advertiu anteriormente, a situação no Burundi corre o risco de transformar-se em uma crise regional. Este ponto foi confirmado na Dar es Salaam quando o ministro das Relações Exteriores de Ruanda, Louise Mushikiwabo advertiu muito firmemente que os rebeldes ruandeses das FDLR na República Democrática do Congo (RDC) foram deslizando pela fronteira para Burundi. ”Temos informações de que alguns elementos das FDLR atravessaram a fronteira para Burundi a partir do Congo e podem até envolver-se diretamente nos distúrbios no país”, disse Mushikiwabo.

Desde que a crise começou no Burundi, mais de 50.000 pessoas fugiram para os países vizinhos, a maioria delas para Ruanda. A situação de emergência poderia dar ao presidente ruandês Kagame um pretexto para lançar incursões militares em Burundi. No entanto, Kagame não vai agir por instinto ”humanitário” ou por amor pela democracia.

Os meios de comunicação ocidentais muitas vezes retratam Kagame como um líder ”democrático” que levou seu país a sair do pesadelo do genocídio de 1994. Na realidade, ele é um líder autocrático sem remorso e um reacionário raivoso. Sua força rebelde RPF (e agora o governo) cometeram massacres de hutus tanto em Ruanda, quando ele assumiu o poder, quanto no Congo. Segundo a ONU, o exército ruandês também saqueou US$ 100 milhões de dólares em ouro, diamantes, estanho e outros minerais do leste de seu vizinho.

A verdadeira razão pela qual Kagame podem estar dispostos a intervir em Burundi é preservar seu próprio domínio em Ruanda. Ao longo dos últimos meses, os estudantes impediram com êxito Joseph Kabila de estender ilegalmente seu mandato presidencial na República Democrática do Congo e agora a situação no Burundi está indo na mesma direção. O que é verdade para Kagame em Ruanda também é verdade para outros líderes como Yoweri Museveni, presidente autocrático do Uganda nos últimos 27 anos, que tem crescido cada vez mais intolerante com as crítica mais suaves.

 

O caminho para a revolução

Os eventos extraordinários em Burundi são apenas o mais recente em uma série de movimentos revolucionários de massas que eclodiram no continente ao longo do último período. A revolução da Tunísia, no norte do continente, acendeu as revoluções árabes. No oeste do continente, um país após outro foi afetada pela revolta de massas. A revolução em Burkina Faso causou ondas de choque em todo o continente. Agora, o fantasma da revolução está cruzando a África Central e Oriental.

Tudo isso mostra que grandes seções do continente estão na estrada para a revolução. As altas taxas de crescimento econômico em grande parte da África Subsaariana tem dado origem ao mito da “Ascensão africana”. O que isso quer dizer é que meras taxas de crescimento aceleradas dará origem a uma maior prosperidade. Mas sobre bases capitalistas taxas de crescimento mais elevadas significam uma maior exploração para as massas e uma maior prosperidade para os ricos. Portanto, a exploração econômica brutal das massas e a luta pela democracia real estão no centro dos protestos furiosos em muitos países do continente. Para as massa, a luta pela democracia é inseparável da luta por uma vida melhor. Mas é claro que o capitalismo não pode garantir nenhum dos dois. Na verdade, o sistema e seus chefes são diretamente responsáveis ​​pela miséria de milhões. Em última análise, apenas uma remoção da raiz e dos ramos do capitalismo e sua substituição por um genuíno socialismo é a resposta para as massas trabalhadoras.

O que é faz muita falta no Burundi, assim como em Burkina Faso, é uma liderança revolucionária com base nas massas trabalhadoras e nos jovens, capazes de dar a estes movimentos uma base de classe independente e levá-los para a derrubada do capitalismo. Na falta disso, e da mesma forma como vimos na Tunísia e no Egito, o movimento revolucionário das massas será sequestrado por uma secção do aparelho de Estado ou de um conjunto de políticos burgueses.

Tradução: Arthur Penna.
 

 

Deixe seu comentário

Leia também...

Argentina: nossa posição diante das eleições primárias abertas

Atualmente, nós da classe trabalhadora, estudantes e camponeses vivemos uma forte investida da direita em …