Início / Teoria / Breve história do infinito, uma interpretação marxista – Parte 1

Breve história do infinito, uma interpretação marxista – Parte 1

Introdução

Se perguntarmos a qualquer pessoa pelo significado do infinito, encontraremos, normalmente, respostas relacionadas a Deus, à religião e à metafísica. No entanto, desde que a filosofia materialista surgiu na antiga Grécia o infinito como problema filosófico foi arrebatado como monopólio da religião: a partir de então, através dos séculos, a ciência vem tropeçando com o infinito apesar das tentativas de expurgá-lo de sua presença.

Introdução

Se perguntarmos a qualquer pessoa pelo significado do infinito, encontraremos, normalmente, respostas relacionadas a Deus, à religião e à metafísica. No entanto, desde que a filosofia materialista surgiu na antiga Grécia o infinito como problema filosófico foi arrebatado como monopólio da religião: a partir de então, através dos séculos, a ciência vem tropeçando com o infinito apesar das tentativas de expurgá-lo de sua presença.

A obstinada resistência a incorporar o infinito ao nosso entendimento do universo tem a ver com o senso comum – cuja expressão elaborada é a lógica formal –, com o fato de que na vida diária e cotidiana os seres humanos nos relacionamos com objetos e fatos que têm um princípio e um fim no espaço e no tempo, reconhecemos os objetos porque são discerníveis e finitos em relação a outros, aprendemos a contar começando pela unidade, sabemos que não podemos dividir um objeto sem que em algum momento se perca de nossa vista, sabemos que nossa vida tem um começo e um fim; mas a experiência cotidiana tende a omitir o fato de que todo fim é relativo em uma cadeia infinita de fatos que se relacionam, que não existe princípio nem fim absolutos. Naturalmente, cada fenômeno visto de maneira isolada tem um princípio e um fim, mas seu princípio e fim é parte de um universo interconectado sem princípio nem fim. Devido a que na natureza existe uma inter-relação universal, o infinito retorna à ciência, tornando-se um conceito elementar sem o qual ciências, como as matemáticas modernas, o cálculo, a física quântica e Teoria do Caos, não poderiam funcionar.

Dessa forma, a ciência moderna nos mostrou que o infinito real está implícito na natureza: não se trata apenas da possibilidade abstrata de somar ou diminuir infinitamente (a noção comum do infinito como uma abstração matemática puramente ideal), os diversos níveis estruturais da realidade (mundo subatômico, nível molecular, os corpos estudados pela física de Newton, as galáxias, cúmulos de galáxias, supercúmulos etc.) são infinitos relativos, universos infinitos contidos em outros infinitos (o mundo subatômico é infinitamente pequeno em relação ao mundo em que nos desenvolvemos todos os dias, e este, por sua vez, é infinitamente pequeno em relação a nossa galáxia); depois que Dalton retomou a teoria atômica da matéria, cada avanço no estudo do átomo demonstrou que não existe tal coisa como a partícula elementar, a ciência se encontrou com um mundo subnuclear de partículas elementares que não cessam de crescer e não deixam de mostrar sua estrutura interna, há universos infinitos contidos em uma partícula de poeira. Para os tempos de vida das partículas subatômicas, que se medem em milionésimos de segundo, o tempo de vida do homem aparece como infinitamente grande, mas nossa vida é infinitamente pequena com relação à formação da vida na terra; há infinitos momentos contidos em um momento finito. Para o cálculo diferencial e integral, a reta não é mais que um fragmento infinitamente pequeno de uma curva, as retas paralelas não são mais que fragmentos de um espaço curvo que se cruzam em um ponto infinitamente grande em relação a tais retas. Se descontarmos a teoria do Big Bang – teoria a que voltaremos –, a ciência nos mostra um universo tão infinitamente grande quanto infinitamente pequeno, tão infinito no espaço quanto no tempo.

O infinito na escola Jônica

Os antigos filósofos gregos pré-socráticos – sobretudo os da escola Jônica – costumavam aceitar o infinito com muito maior naturalidade que em épocas posteriores, pela simples razão de que eles partiam de um método dialético espontâneo para compreender a realidade. Estes profundos pensadores davam como coisa certa que o universo era infinito no espaço e no tempo e a questão radicava somente em saber qual era a matéria original que dava origem ao universo que observamos agora. Para Heráclito, o universo era um fogo eternamente vivo cujo desenvolvimento e movimento eram eternos. Para Anaximandro, a matéria infinita e indeterminada original (que ele chamava de “apeiron”) não somente havia dado origem a nosso planeta e aos animais aquáticos como os peixes, dos quais evoluiu o homem, como também que, em seu eterno movimento, origina novamente universos distintos. Para Anaxágoras, a origem de tudo eram as chamadas “homeomerias” ou sementes infinitamente pequenas e, diferentemente dos atomistas, estas sementes também eram infinitamente divisíveis no espaço:

“De fato”, assinala Anaxágoras em uma reflexão profunda e dialética, “não há mínimo no pequeno, e sim que sempre há algo menor (é impossível, na realidade, que não seja assim), e também do grande há sempre algo maior. E este é igual ao pequeno quanto ao número, em relação consigo mesmo, tudo é ao mesmo tempo grande e pequeno” [1].

Os atomistas, um mundo infinito no grande, mas finito no pequeno

Os velhos atomistas acreditavam que os átomos eram indivisíveis e indestrutíveis – punham uma barreira intransponível ao infinitamente pequeno para dar uma base sólida ao conhecimento da natureza, átomo significa “sem divisão” – mas concebiam o átomo como eternos no tempo, ao mesmo tempo em que concebiam o universo como infinito no espaço; curiosamente, os atomistas rejeitaram a existência do infinitamente pequeno, mas o aceitaram na eternidade e na imensidade; no infinitamente grande, na existência de infinitos mundos e estrelas gerados por átomos. Tito Lucrécio Caro – o grande herdeiro e sistematizador do atomismo e do ateísmo antigo – desenvolveu em seu maravilhoso poema “De rerum natura” (Sobre a natureza) agudos argumentos para sustentar a impossibilidade da divisibilidade infinita da matéria; embora equivocados, porque o átomo é um universo que demonstrou sua divisibilidade, são sumamente interessantes:

“Se depois não há nada menor, estará

De infinitas partículas formado o menor elemento;

A metade sempre achará sua metade

E não haverá limite à divisão em parte alguma.

Como distinguirás, então, do universo a menor das coisas?” [2]

Para Lucrécio, a ideia da infinita divisibilidade levava a um descenso infinito que desafiava o sentido comum. Resultaria que a parte menor do universo conteria tantas partes como a maior. Mas, na realidade, como já haviam observado Anaxágoras e Heráclito, a noção de grande e pequeno é relativa e o infinitamente pequeno é, ao mesmo tempo, infinitamente grande; nosso universo está composto de infinitos universos, cada um com suas estruturas e leis próprias. Portanto, o infinitamente pequeno é tão inesgotável quanto o infinitamente imenso. Embora os atomistas estivessem errados em sua ideia da indivisibilidade atômica, não cabe nenhuma dúvida de que seu aporte ao conhecimento de uma das estruturas mais relevantes da composição do universo – um nível da realidade cujo conhecimento será recuperado em 1803 por John Dalton, mais de 1.800 anos depois – foi um dos marcos mais importantes na história da humanidade.

Se bem que Lucrécio rejeitasse o infinitamente pequeno, aportou brilhantes argumentos para demonstrar a infinidade do universo no espaço. Como afirmava:

“Não tem fim o universo em parte alguma…

Nem bordas tem, nem limites, nem fim.

E não importa em que parte do mundo te encontres:

Estejas onde estejas, a partir do sítio que ocupas,

Infinito sempre será em todas as direções”. [3]

Se se supõe que universo é finito no espaço deve haver algum limite que o contenha. Lucrécio refuta esta ideia fazendo um experimento mental onde um hipotético sujeito lança um dardo na borda do universo:

“Uma vez que todo o espaço que existe é finito, se alguém está à frente da borda final e lança para trás um dardo volátil, preferes que assim lançado se dirija com força poderosa para onde foi enviado e voar por muito tempo, ou supões que algo pode obstruir e impedi-lo?”.

Se o dardo prosseguir o seu caminho, o que se acreditava que era limite não o era, e se o dardo se cravar em alguma barreira, esse ponto – em que o dardo nele se crava – deve ter extensão e, portanto, não é o final do universo. Curiosamente, foi um filósofo pitagórico – Arquitas – quem expressou a mesma ideia de outra forma:

“Suponhamos que me encontro na própria borda do universo, no próprio firmamento celeste. Posso estender a mão ou um bastão ao espaço exterior ou não o posso fazer? É absurdo supor que não o posso fazer; mas se a estendo, o exterior há de ser corpo ou espaço… em cada um desses casos poderemos passar a essa nova divisória obtida e fazer a mesma pergunta. Como o bastão tropeçará todas as vezes com algo novo, fica evidente que isso sucederá infinitas vezes” [4].

O argumento é brilhante e ainda pode ser utilizado para refutar a ideia de um começo absoluto do universo, embora não com dardos ou bastões; efetivamente, se é verdade que todo o universo surgiu de uma singularidade infinitamente pequena, fica a embaraçosa questão do que acontecia com os campos de tal partícula; do que acontecia, por exemplo, com o campo elétrico da singularidade. Dado que o campo elétrico, de acordo com a lei de Coulomb, é inversamente proporcional ao quadrado da distância entre duas cargas, sem que nunca chegue a ser igual a zero – até a partícula mais infinitamente pequena tem uma influência infinita em todo o universo por desprezível que seja – então, a singularidade devia estender sua existência – e com ela a do universo – até o infinito. Mas se a hipotética singularidade infinitamente pequena resulta, ao mesmo tempo, em um universo infinito, por que não assumimos de uma vez que o universo é infinito e a singularidade – se houver existido realmente – haver sido um fenômeno a mais em um universo infinito?

Os terríveis problemas da indivisibilidade, os Eleatas e a teoria atomista

Os Eleatas – mais ou menos contemporâneos dos primeiros atomistas – demonstraram as contradições implícitas ao movimento – incluído o tema do infinito – para fundamentar uma visão rígida e estática do verdadeiro Ser; mas, apesar de seus objetivos conservadores – e de que o fundo de sua filosofia estava equivocado – mostraram paradoxos que demonstram o caráter dialético do movimento. Os Eleatas proporcionaram brilhantes argumentos que mostravam que uma partícula não pode ser indivisível, evidentemente seus argumentos iam contra a teoria atomista.

Toda partícula para existir, sustentaram os Eleatas, deve ocupar um lugar no espaço, possuir extensão, mas isto implica sua possível divisão ao infinito, uma vez que qualquer partícula, por menor que seja, deve ser extensa. Zenon propôs um experimento mental para provar isto: suponhamos um segmento de reta igual à partícula mais pequena que possamos imaginar, que supomos indivisível (o átomo), e logo movemos essa partícula de tal forma que passe por esse segmento em repouso; é claro que haverá um momento em que uma parte da partícula esteja dentro do segmento e outra esteja fora; a partícula terá duas partes – a que está dentro do segmento e a que está fora dele; portanto, a partícula não pode carecer de partes, a partícula é divisível exatamente pela linha que separa as duas partes da partícula.

É impossível supor que átomos sem extensão possam compor corpos extensos – agregaram os Eleatas – da mesma forma que é impossível obter qualquer magnitude somando zeros. Se supomos átomos com extensão devemos aceitar sua divisibilidade. A alternativa que os Eleatas propuseram aos atomistas é: se dizes que os átomos compõem o mundo, estes devem ser extensos; mas se os supõem extensos devem ser divisíveis. Em ambos os casos sua teoria nos leva a contradições que a invalidam, se os átomos (sem divisão) são divisíveis, então, não são átomos; mas se não são divisíveis, então, não têm extensão e não compõem o mundo.

Atomistas como Demócrito trataram de superar estas brilhantes objeções aduzindo que os átomos têm extensão, mas são fisicamente indivisíveis pois são absolutamente lisos e não existe cunha que possa ser introduzida neles para dividi-los. A objeção de Demócrito é um simples estratagema sofístico, mas pelo menos fez a tentativa. Agora sabemos que os Eleatas tinham razão em abstrato – embora os atomistas estivessem mais corretos em concreto, com sua teoria atômica – e embora a divisão do átomo não se possa entender em termos mecânicos como supunham os velhos atomistas, a fissão atômica é tão real quanto as infames bombas de Hiroshima e Nagasaki. O argumento dos Eleatas continua sendo válido para sustentar a infinita divisibilidade da matéria; de fato, se todas as partículas subatômicas têm propriedades como campo, spin, “cor”, momento magnético etc., deve-se admitir que estas propriedades – assim como outras tantas que agora desconhecemos – revelam a estrutura própria de tais partículas, sua natureza interna; isto é, sua composição. Portanto, são tão inesgotáveis como o próprio universo.

O descobrimento de todo um “exército” que cresce constantemente de partículas subatômicas demonstrou que a matéria é inesgotável e que não existe “partícula elementar” sem composição. Ted Grant e Alan Woods assinalam o fato: “Durante séculos os cientistas tentaram em vão encontrar os ‘tijolos da matéria’, a última e mais pequena partícula. Há cem anos pensaram que a haviam encontrado no átomo (palavra grega que significa ‘indivisível’). O descobrimento das partículas subatômicas levou os físicos a penetrar mais profundamente na estrutura da matéria. Em 1928, os cientistas imaginavam que haviam descoberto as partículas mais pequenas – prótons, elétrons e fótons, dos quais se comporia todo o mundo material. Isto veio abaixo mais tarde, com a descoberta do nêutron, do pósitron, do deutério e todo um grupo de partículas, inclusive mais pequenas, com uma existência das mais evasivas: neutrinos, mésons pi, mésons um, mésons k etc. O ciclo vital de algumas destas partículas é tão evanescente, talvez a mil milionésima parte de um segundo, que foram qualificadas de ‘partículas virtuais’, algo totalmente impensável na era pré-quântica” [5]. O último integrante deste exército em crescimento constante é o Bóson de Higgs, partícula conhecida mais popularmente com o inadequado e horroroso apelido de “Partícula de Deus” – como piada seus descobridores afirmam que teriam preferido chamá-la de “partícula maldita” pela incrível dificuldade de ser detectada. A vida média desta partícula é da escala do incrivelmente evanescente “zeptosegundo”, ou seja, a mil trilionésima parte de um segundo.

Zenon também aportou paradoxos imortais sobre a infinidade do movimento e do espaço: os paradoxos da “dicotomia” e o de “Aquiles e a tartaruga” mostram estas contradições. O primeiro destes paradoxos sustenta que, se lançamos qualquer objeto a uma meta situada a uma determinada distância – por exemplo, 10 metros –, o objeto, antes de chegar à meta, deverá passar pela metade da distância que o separa desta, logo pela metade dessa metade… e assim até o infinito sem que o objeto consiga chegar ao seu destino. Pode-se dividir qualquer magnitude pela metade tantas vezes quanto se queira sem que se chegue nunca ao zero absoluto. O famoso paradoxo de “Aquiles e a tartaruga” consiste em uma hipotética corrida entre o mitológico Aquiles – o dos pés ligeiros – e uma tartaruga. Aquiles dá à tartaruga uma vantagem de 100 metros; quando a tartaruga alcança essa distância, Aquiles – que em nosso exemplo é 10 vezes mais rápido – começa a correr; quando Aquiles alcança os 100 metros, a tartaruga terá avançado 10 metros; quando Aquiles chega aos 10 metros, a tartaruga avança 1 metro; quando Aquiles chega ao metro, a tartaruga avançou um decímetro, logo um centímetro… e assim até o infinito sem que Aquiles nunca logre alcançar a tartaruga e ganhar a corrida.

De forma plástica e intuitiva, os Eleatas estavam apresentando, com seus paradoxos, as magnitudes infinitesimais que serão recuperadas muitos séculos depois por Leibniz e Newton para fundar o cálculo diferencial e integral. Alguns matemáticos modernos afirmam que com o conceito de limite do cálculo diferencial e integral – a magnitude finita a que tendem os números infinitesimais – foram resolvidos os paradoxos de Zenon. No entanto, a coisa não é tão simples; melhor dizer que a matemática moderna trouxe mais contradições à luz: que tipo de limite finito é aquele que contém infinitos números, como é possível um limite que se supõe ilimitado, um limite a que nunca se chega? Estes são os tipos de contradições que as matemáticas modernas tiveram que aceitar rangendo os dentes para poder funcionar normalmente. Para o pensamento dialético não existe problema algum em aceitar a contradição como real, sem tentar diluí-la ou negá-la de forma alguma.

Os pitagóricos e a raiz quadrada de 2

A escola pitagórica era ao mesmo tempo uma escola filosófico-científica e uma seita religiosa. Era uma ordem fechada que exigia o secretismo e tinha toda uma série de ritos absurdos como não comer feijão, não recolher nada que tenha caído e se outorgava o dom da adivinhação. Os pitagóricos acreditavam na transmigração das almas e em toda uma série de símbolos com poderes sobrenaturais. Do ponto de vista de suas contribuições científicas, os pitagóricos sustentavam que o cosmo – que vem do vocábulo grego que significa ordem, proporção – pode ser entendido em termos matemáticos, e disto deduziam a conclusão de que todas as coisas provinham do número, entendido como uma entidade abstrata transcendente ao mundo material e situada em outro plano da existência.

Era o mundo pelo avesso – próprio do idealismo filosófico – mas continha a ideia correta de que o funcionamento do cosmo pode ser expressado em termos matemáticos. Assim, os pitagóricos encontraram padrões matemáticos na música e nas propriedades geométricas da natureza. Relacionaram a longitude das cordas e as notas correspondentes, acreditaram que as distâncias entre os planetas correspondem às longitudes entre as cordas, criando uma “harmonia das esferas” ou música celestial, que os mortais não podemos escutar. Relacionaram as dimensões da natureza com os números: o 1 com o ponto, o 2 com a linha – além disto, o 2 representa as dualidades opostas como alma e corpo, limitado e ilimitado etc. –, o 3 com a superfície, o 4 com o sólido. A soma destes números 1+2+3+4 = 10, que, para os pitagóricos, era um número mágico e especial, simbolizado pela tétrade: um triângulo composto por 10 esferas, símbolo essencial para os pitagóricos. A esfera era uma figura especial e perfeita visto que carece de contradições – daí a ideia da harmonia das esferas –, dado que qualquer ponto na superfície é equidistante do centro. E embora seguramente tenham tomado conhecimentos já existentes entre os babilônios, aos pitagóricos é atribuído o famoso teorema de Pitágoras – que relaciona os catetos de um triângulo retângulo com sua hipotenusa –, e a terna pitagórica – série de três números que satisfazem a relação entre os catetos e a hipotenusa em um triângulo retângulo.

Os pitagóricos eram obcecados com a regularidade, a mensurabilidade e a perfeição. Acreditavam que as relações matemáticas do mundo se reduziam a números naturais e racionais. Os números deviam ser perfeitos e imutáveis para que contrastassem com a imperfeita e mutável realidade material. Mas logo enfrentaram uma contradição que trataram de manter em segredo porque minava as bases de sua teoria filosófica. Descobriram que a diagonal de um quadrado cujo lado mede 1 é incomensurável com respeito ao lado do quadrado; isto é, a relação entre ambas as magnitudes não pode ser expressa em números racionais, não se pode expressar a relação exatamente, o que nos leva diretamente à noção de infinito: a expressão decimal desta magnitude irracional é infinita e não periódica. O que os pitagóricos encontraram foi a raiz quadrada de 2 que equivale a 1,414213562… com infinitos decimais não periódicos. Com as calculadoras modernas podemos chegar a uma maior aproximação a este número irracional:

1. 414 213 562 373 095 048 801 688 724 209 698 078 569 671 875 376 948 073 176 679 737 990 732 478 462 107 038 850 387 534 327 641 572 735 013 846 230 912 297 024 924 836 055 850 737 212 644 121 497 099 935 831 413 222 665 927 505 592 755 799 950 501 152 782 060 571 470 109 559 971 605 970 274 534 596 862 014 728 517 418 640 889 198 609 552 329 230 484 308 714 321 450 839 762 603 627 995 251 407 989 687 253 396 546 331 808 829 640 620 615 258 352 395 054 745 750 287 759 961 729 835 575 220 337 531 857 011 354 374 603 408 498 847 160 386 899 970 699 004 815 030 544 027 790 316 454 247 823 068 492 936 918 621 580 578 463 111 596 668 713 013 015 618 568 987 237 235 288 509 264 861 249 497 715 421 833 420 428 568 606 014 682 472 077 143 585 487 415 565 706 967 765 372 022 648 544 701 585 880 162 075 847 492 265 722 600 208 558 446 652 145 839 889 394 437 092 659 180 031 138 824 646 815 708 263 010 059 485 870 400 318 648 034 219 489 727 829 064 104 507 263 688 131 373 985 525 611 732 204 024 509 122 770 022 694 112 757 362 728 049 573 810 896 750 401 836 986 836 845 072 579 936 472 906 076 299 694 138 047 565 482 372 899 718 032 680 247 442 062 926 912 485 905 218 100 445 984 215 059 112 024 944 134 172 853 147 810 580 360 337 107 730 918 286 931 471 017 111 168 391 658 172 688 941 975 871 658 215 212 822 951 848 847 208 969 463 386 289 156 288 276 595 263 514 054 226 765 323 969 461 751 129 160 240 871 551 013 515 045 538 128 756 005 263 146 801 712 740 265 396 947 024 030 051 749 531 886 292 563 138 518 816 347 800 156 936 917 688 185 237 868 405 228 783 762 938 921 430 065 586 956 868 596 459 515 550 164 472 450 983 689 603 688 732 311 438 941 557 665 104 088 391 429 233 811 320 605 243 362 948 531 704 991 577 175 622 854 974 143 899 918 802 176 243 096 520 656 421 182 731 672 625 753 959 471 725 593 463 723 863 226 148 274 262 220 867 115 583 959 992 652 117 625 269 891 754 098 815 934 864 008 345 708 518 147 223 181 420 407 042 650 905 653 233 339 843 645 786 579 679 651 926 729 239 987 536 661 721 598 257 886 026 336 361 782 749 599 421 940 377 775 368 142 621 773 879 919 455 139 723 127 406 689 832 998 989 538 672 882 285 637 869 774 966 251 996 658 352 577 619 893 932 284 534 473 569 479 496 295 216 889 148 549 253 890 475 582 883 452 609 652 409 654 288 939 453 864 662 574 492 755 638 196 441 031 697 983 306 185 201 937 938 494 005 715 633 372 054 806 854 057 586 799 967 012 137 223 947 582 142 630 658 513 221 740 883 238 294 728 761 739 364 746 783 743 196 000 159 218 880 734 785 761 725 221 186 749 042 497 736 692 920 731 109 636 972 160 893 370 866 115 673 458 533 483 329 525 467 585 164 471 075 784 860 246 360 083 444 911 481 858 765 555 428 645 512 331 421 992 631 133 251 797 060 843 655 970 435 285 641 008 791 850 076 036 100 915 946 567 067 688 360 557 174 007 675 690 509 613 671 940 132 493 560 524 018 599 910 506 210 816 359 772 643 138 060 546 701 029 356 997 104 242 510 578 174 953 105 725 593 498 445 112 692 278 034 491 350 663 756 874 776 028 316 282 960 553 242 242 695 753 452 902 883 876 844 642 917 328 277 088 831 808 702 533 985 233 812 274 999 081 237 189 254 072 647 536 785 030 482 159 180 188 616 710 897 286 922 920 119 759 988 070 381 854 333 253 646 021 108 229 927 929 307 287 178 079 988 809 917 674 177 410 898 306 080 032 631 181 642 798 823 117 154 363 869 661 702 999 934 161 614 878 686 018 045 505 553 986 913 115 186 010 386 375 325 004 558 186 044 804 075 024 119 518 430 567 453 368 361 367 459 737 442 398 855 328 517 930 896 037 389 891 517 319 587 413 442 881 784 212 502 191 695 187 559 344 438 739 618 931 454 999 990 610 758 704 909 026 088 351 763 622 474 975 785 885 836 803 745 793 115 733 980 209 998 662 218 694 992 259 591 327 642 361 941 059 210 032 802 614 987 456 659 968 887 406 795 616 739 185 957 288 864 247 346 358 588 686 449 682 238 600 698 335 264 279 905 628 316 561 391 394 255 764 906 206 518 602 164 726 303 336 297 507 569 787 060 660 685 649 816 009 271 870 929 215 313 236 828 135 698 893 709 741 650 447 459 096 053 747 279 652 447 709 409 924 123 871 061 447 054 398 674 364 733 847 745 481 910 087 288 622 214 958 952 959 118 789 214 917 983 398 108 378 827 815 306 556 231 581 036 064 867 587 303 601 450 227 320 882 935 134 138 722 768 417 667 843 690 529 428 698 490 838 455 744 579 409 598 626 074 249 954 916 802 853 077 398 938 296 036 213 353 987 532 050 919 989 360 751 390 644 449 576 845 699 347 127 636 450 716 327 915 470 159 773 354 863 893 942 325 727 754 003 826 027 478 567 417 258 095 141 630 715 959 784 981 800 944 356 037 939 098 559 016 827 215 403 458 158 152 100 493 666 295 344 882 710 729 239 660 232 163 823 826 661 262 683 050 257 278 116 945 103 537 937 156 882 336 593 229 782 319 298 606 467 978 986 409 208 560 955 814 261 436 363 100 461 559 433 255 047 449 397 593 399 912 541 953 230 093 217 530 447 653 396 470 662 761 166 175 351 875 464 620 967 634 558 738 616 488 019 884 849 747 926 404 506 544 489 691 004 079 421 181 692 579 685 756 378 488 149 898 641 685 499 491 635 761 448 404 702 103 398 921 534 237 703 723 335 311 564 594 438 970 365 316 672 194 904 935 188 290 580 630 740 134 686 264 167 247 011 065 346 349 391 640 714 628 556 798 017 793 381 442 404 526 913 706 660 977 763 878 486 623 800 339 232 437 047 411 533 187 253 190 601 916 599 645 538 115 788 841 380 843 323 210 533 767 461 812 178 014 296 092 832 411 362 752 540 887 372 905 129 407 339 479 433 061 943 956 936 702 079 429 515 878 228 349 321 931 666 411 130 154 959 469 837 897 767 434 443 539 337 709 957 134 988 407 890 850 815 892 366 070 088 658 105 470 949 790 465 722 988 880 892 461 282 816 013 133 701 029 080 290 999 745 647 849 581 545 614 648 715 516 390 502 419 857 906 131 093 458 783 306 200 262 207 372 471 676 685 455 499 904 994 085 710 809 925 759 928 893 236 615 438 271 955 005 781 625 133 038 153 146 577 907 926 868 500 806 984 428 479 152 424 275 441 026 805 756 321 565 322 061 885 751 225 113 063 937 025 362 927 161 968 251 259 192 025 216 058 701 189 596 732 244 239 267 423 734 490 764 646 727 375 347 964 598 819 149 807 931 718 002 423 855 453 886 038 368 310 800 779 182 466 462 754 117 444 250 018 727 779 518 164 383 451 463 461 299 020 763 343 017 968 554 385 631 667 723 518 389 336 667 042 222 110 939 144 930 287 963 812 839 889 311 731 308 430 042 125 550 185 498 506 529 455 637 766 031 461 255 909 104 611 384 768 282 359 592 477 228 629 042 642 736 163 264 585 443 392 877 263 860 343 149 804 896 397 363 329 754 885 925 681 149 296 836 126 725 898 573 833 216 436 663 487 023 477 302 610 106 130 507 298 611 534 129 948 808 774 473 111 229 542 652 751 653 665 911 730 142 360 626 525 869 077 198 217 037 098 104 644 360 477 226 739 282 987 415 259 306 956 206 384 710 827 408 218 490 673 723 305 874 302 970 924 289 948 173 924 407 869 375 284 401 044 399 048 520 878 851 914 193 541 512 900 681 735 170 306 938 697 059 004 742 515 765 524 807 844 736 214 410 501 620 084 544 412 225 595 620 298 472 594 035 280 190 679 806 809 830 039 645 398 568 593 045 862 526 063 779 745 355 992 774 729 906 488 874 545 124 249 607 637 801 086 390 019 105 809 287 476 472 075 110 923 860 595 019 543 228 160 208 879 621 516 233 852 161 287 522 851 802 529 287 618 325 703 717 285 740 676 394 490 982 546 442 218 465 430 880 661 058 020 158 472 840 671 263 025 459 379 890 650 816 857 137 165 668 594 130 053 319 703 659 640 337 667 414 610 495 637 651 030 836 613 489 310 947 802 681 293 557 331 890 551 970 520 184 515 039 969 098 663 152 512 411 611 192 594 055 280 856 498 931 958 983 456 233 198 368 349 488 080 617 156 243 911 286 631 279 784 837 197 895 336 901 527 760 054 980 551 663 501 978 555 711 014 055 529 763 384 127 504 468 604 647 663 183 266 116 518 206 750 120 476 699 109 872 191 044 474 403 268 943 641 595 942 792 199 442 355 371 870 429 955 924 031 409 171 284 815 854 386 600 538 571 358 363 981 630 945 240 755 700 932 516 824 344 168 240 836 197 927 337 282 521 546 224 696 153 321 702 682 995 097 908 903 459 485 887 834 943 961 620 435 842 249 739 718 711 395 892 730 509 219 705 491 717 696 160 044 558 089 942 787 888 036 916 943 289 459 514 722 672 292 612 485 069 617 316 380 941 082 186 004 528 610 269 654 757 630 431 025 602 715 231 396 948 213 551 982 140 971 654 909 731 999 283 492 567 409 749 039 229 712 634 869 341 457 493 319 804 171 807 611 196 390 227 866 407 592 243 416 776 246 623 623 891 311 027 034 330 457 636 814 112 832 132 630 858 223 945 621 959 808 661 293 999 620 123 415 617 631 817 431 242 008 901 498 384 856 048 087 986 460 839 359 649 236 651 429 681 257 731 432 291 456 871 682 762 199 611 827 826 953 157 498 380 262 465 175 905 410 397 618 128 760 421 638 613 450 221 326 272 775 661 244 113 361 077 519 555 774 950 865 636 067 378 665 062 318 564 069 912 280 187 574 178 549 466 125 327 599 769 796 059 776 059 075 648 910 666 101 583 841 720 281 853 043 211 904 465 775 255 427 754 379 872 605 488 173 619 826 758 168 628 329 526 078 993 222 668 360 283 851 351 228 105 931 859 102 864 150 815 705 631 971 731 518 313 625 024 359 041 463 212 239 217 663 398 268 936 825 315 053 005 989 154 702 909 537 193 266 207 341 123 494 743 367 884 690 201 390 497 842 852 163 414 429 214 589 558 287 847 669 394 646 426 781 221 904 978 563 635 526 336 827 805 186 009 869 924 893 778 600 239 876 916 980 765 662 194 389 854 437 080 594 643 336 233 381 058 745 816 235 475 600 136 592 435 242 657 143 083 465 545 768 002 370 814 675 732 525 470 255 074 763 747 163 506 785 159 917 369 379 325 103 268 276 062 864 591 461 820 472 148 637 037 077 192 692 682 362 333 472 037 924 596 469 181 052 613 915 308 628 029 144 096 548 256 387 309 273 042 654 466 292 904 589 606 375 191 871 146 934 536 197 332 478 957 270 703 153 093 090 192 119 919 999 361 576 500 350 398 405 406 742 538 792 752 792 272 473 356 677 060 783 791 138 448 893 626 136 765 706 026 360 031 513 295 209 539 520 285 489 738 448 625 613 492 441 470 860 708 660 267 634 997 879 342 087 583 612 194 711 699 422 384 848 259 591 430 452 810 706 260 150 896 913 530 301 772 006 271 705 440 209 066 951 491 527 459 771 970 594 769 547 409 521 028 787 255 785 688 002 219 371 774 355 811 079 393 088 338 455 864 827 729 100 862 955 456 614 130 672 123 084 874 022 712 105 868 632 338 823 741 388 442 893 815 544 464 710 575 565 146 843 570 294 663 506 289 387 356 986 868 837 648 032 651 952 841 465 351 739 530 273 612 013 742 030 098 673 983 851 432 190 043 602 898 269 829 352 939 941 412 923 058 038 456 502 270 721 681 516 194 101 144 982 630 136 490 087 704 839 848 838 609 065 336 859 905 458 389 520 318 564 804 149 327 214 239 086 516 499 943 165 920 796 595 356 943 072 311 291 162 928 679 751 715 668 890 543 932 203 569 129 332 457 020 806 719 444 049 730 494 398 140 822 782 960 279 942 454 108 316 667 592 142 483 518 272 381 720 504 103 927 428 880 155 622 338 079 614 751 243 351 473 102 128 454 594 489 944 499 600 075 243 751 957 011 668 341 744 749 079 588 209 951 783 676 802 323 651 767 497 230 148 745 774 272 599 476 096 219 843 271 483 529 861 119 027 287 358 490 521 797 590 837 419 748 602 670 605 374 623 153 003 937 521 236 786 775 284 869 219 585 713 755 426 968 482 783 631 786 110 993 368 014 391 590 597 484 285 805 451 613 023 014 397 905 701 610 889 862 777 961 075 067 333 267 604 865 492 925 139 978 139 053 588 227 689 373 220 494 148 394 013 556 035 656 044 214 017 612 060 513 180 689 198 996 260 618 483 185 340 183 623 782 172 663 758 045 524 719 626 617 492 542 285 280 457 144 204 857 834 211 322 800 852 870 420 548 899 234 127 855 481 236 761 537 707 104 254 469 868 521 991 122 835 426 634 999 712 748 366 076 246 241 820 736 466 617 128 394 748 473 280 474 430 403 344 107 200 428 727 127 567 027 956 758 242 926 271 945 458 053 002 666 489 965 079 569 778 178 621 942 172 005 237 165 369 467 704 195 111 912 704 624 836 051 130 289 046 437 751 148 694 887 849 615 118 841 471 910 001 255 883 836 660 677 208 411 235 153 558 811 267 789 571 558 590 412 576 261 601 067 513 153 580 212 427 331 871 000 635 824 954 504 099 579 407 254 798 900 316 826 512 373 119 055 668 291 519 430 537 084 893 078 691 974 282 904 903 860 372 311 609 928 342 431 712 225 099 454 715 019 286 664 878 710 795 199 518 005 463 388 384 431 548 172 463 548 024 451 803 084 527 343 100 062 137 103 462 573 306 001 234 973 744 355 818 096 567 846 464 153 390 514 656 919 324 562 353 140 577 919 369 898 842 364 718 352 537 580 525 771 331 120 079 710 406 831 549 266 540 202 604 680 681 839 143 782 721 476 906 324 246 951 712 863 673 844 313 983 337 117 615 941 869 993 466 262 345 373 452 356 794 012 416 809 229 116 360 956 372 167 452 839 170 990 914 664 850 739 205 151 605 604 737 871 061 547 021 699 607 465 693 097 944 261 214 692 561 593 425 649 401 912 298 951 473 254 471 518 126 325 836 889 728 226 283 329 524 035 970 072 786 336 460 459 470 712 417 472 946 877 570 595 815 734 996 284 809 956 783 925 547 424 044 899 188 707 106 967 524 250 774 520 122 936 081 057 414 265 323 472 406 416 214 103 335 334 055 110 452 126 175 035 902 840 374 545 918 645 047 276 243 420 717 709 297 935 401 021 409 646 450 283 683 418 040 758 608 100 140 721 619 247 717 980 985 968 111 540 446 443 728 568 959 286 831 977 797 786 934 641 598 469 745 133 917 741 537 904 877 880 830 022 058 335 046 746 555 323 028 587 325 835…

E assim até o infinito. Isto nos leva à contradição de ter uma magnitude que não se pode medir exatamente, um número inumerável mas infinito. Esta contradição causou um profundo choque, os pitagóricos acreditaram que haviam encontrado um erro na criação de Deus e juraram guardar o segredo. Foi uma das primeiras vezes na história da filosofia em que se tratou de ocultar a verdade para salvar os dogmas de uma escola. Dizem que o pitagórico Hippaso foi lançado ao mar por haver revelado o segredo do que agora conhecemos como números irracionais. O zelo matemático dos pitagóricos contribuiu para o avanço da ciência, mas seu dogmatismo, ao mesmo tempo, deteve o desenvolvimento das matemáticas durante séculos. Os números irracionais foram redescobertos pelos árabes durante o século V e na Europa renascentista entre os séculos XVI e XVII. Os números irracionais são fundamentais para medir o volume dos cilindros, para conhecer as propriedades de Pi; a constante Planck é um número irracional. Em poucas palavras, o que os pitagóricos trataram de ocultar é fundamental para a ciência moderna e para a física quântica.

O universo se torna terrivelmente finito durante mais de mil anos

Aristóteles foi um dos maiores gênios da antiguidade, sua filosofia tendia principalmente ao materialismo e sua teoria do conhecimento ao empirismo; suas contribuições teóricas abarcam uma surpreendente variedade de temas. Era um verdadeiro enciclopedista que conhecia quase tudo o que em seu tempo se podia conhecer. Mas Aristóteles retrocedeu em pontos fundamentais com relação ao materialismo jônico: estabeleceu uma separação perniciosa entre a terra e o céu; a terra estava composta de quatro elementos e os céus de um quinto elemento chamado éter, a terra era o centro do universo. Aristóteles encolheu infinitamente o universo que, para os primeiros materialistas, se supunha infinito. Para ele, o infinito era somente uma possibilidade abstrata, a possibilidade de se somar infinitamente, mas rejeitava a existência do infinito atual, real. Durante a Idade Média se combinará a obsessão com a perfeição de Pitágoras e Platão com a teoria aristotélica do éter – além de sua lógica formal, fechada e unilateral –, para conceber um mundo material imperfeito no centro do universo, em torno do qual – longe da corrupção terrena – giravam seis esferas – construídas de um material diferente e superior ao terrestre – com seus respectivos planetas aninhados nos cinco sólidos perfeitos: sólidos cujos lados eram polígonos regulares. Esta visão dogmática e fechada do universo dominará a mente dos homens durante mais de mil anos de obscurantismo medieval, um mundo que havia sido infinito de repente se tornou infinitamente pequeno e estreito. Novas revoluções sociais e científicas serão necessárias para derrubar esse mundo estreito e sufocante.

A quadratura do círculo e o número inumerável

Apesar das tentativas da escola pitagórica de expulsar o infinito do reino das matemáticas, o famoso cientista heleno Arquimedes voltou a tropeçar com ele – no século III a.C. – quando tentou calcular a área do círculo. Este problema não podia ser resolvido com a matemática euclidiana que serve bastante bem para medir distâncias e ângulos entre retas, mas que passa por terríveis e embaraçosas aventuras quando as linhas começam a se curvar, quando a régua e o compasso não são suficientes.

Os babilônios já haviam descoberto que a relação entre o diâmetro e o perímetro da circunferência se mantinha constante sem importar a área do círculo, de início calcularam a relação – que agora conhecemos como Pi – em 3, logo em 3,125; no ano de 1650 a.C. os egípcios chegaram a uma aproximação assombrosa: 3,16049 [6]. O mérito de Arquimedes, mais que a medição em si, foi o método que utilizou para estabelecer a relação entre o círculo e seu diâmetro e, com isso, lograr uma medição mais exata da área do círculo: consistiu virtualmente em tentar a quadratura do círculo e, de passagem, reencontrar-se com os números irracionais e o infinito.

O método, como se mostra na figura, consistiu em inscrever dentro do círculo um polígono regular com tantos lados que quase tocassem o perímetro do círculo e cuja área, portanto, se aproxima à área deste. A partir do polígono inscrito no círculo podem-se construir triângulos isósceles com os quais se obtém a área do polígono e uma aproximação à área do círculo; ademais, com os triângulos resultantes se pode construir um quadrado que tenha aproximadamente a mesma área que a área do círculo. Lograr um quadrado com a mesma área de um círculo – problema conhecido como “a quadratura do círculo” – havia sido um dilema contra o qual os filósofos da antiguidade clássica haviam quebrado a cabeça. Embora estritamente seja impossível enquadrar o círculo, visto que Pi não é raiz quadrada de uma equação polinomial – coisa que se descobriu em 1882 –, Arquimedes logrou uma genial aproximação para a resolução virtual de um desafio que até agora é sinônimo de algo impossível. Este método de aproximação se chama “esgotamento”; havia sido criado por Eudoxo [Eudoxo de Cnido – astrônomo, matemático e filósofo grego, 390-338 a.C. – NDT] um século antes de Arquimedes, que o aplicou para estabelecer teoremas relativos a cones e cilindros.

Arquimedes não conhecia os números decimais. Então, teve que expressar a relação entre o diâmetro e o círculo na forma de desigualdades, calculando-a em algum valor entre 3+10/71 e 3+1/7. Com este brilhante método, Arquimedes roçou o reino do cálculo diferencial, visto que calculava valores cada vez mais pequenos (infinitesimais) que se aproximavam infinitamente a um limite sem nunca chegar a ele. Esta é a razão porque Pi é um número irracional; seu valor aproximado é 3,141592, o cálculo mais exato foi feito com o recorde de mais de dois e meio bilhões de cifras decimais, que demonstram que em Pi está contido um infinito incomensurável. Em 1882, foi demonstrado que Pi, além de irracional, é transcendente porque não é raiz de nenhuma equação polinomial com coeficientes racionais; o que significa que não é um número algébrico: um número que não é numerável! Não sabemos se com o descobrimento do infinito perdido – da mesma forma que celebrou quando descobriu o princípio hidrostático que leva seu nome – Arquimedes tenha saído desnudo à rua gritando Eureca!

Tradução Fabiano Adalberto

Veja aqui a parte 2: http://www.marxismo.org.br/content/breve-historia-do-infinito-uma-interpretacao-marxista-parte-2

Notas:

[1] Os filósofos pré-socráticos, de Homero a Demócrito (fragmentos), SEP, México, 1987, p. 121

[2] Meliujin, S. O problema do finito e infinito, Grijalbo, México, p. 20

[3] Meliujin, S. O problema do finito e infinito, Grijalbo, México, p. 160

[4] Meliujin, S. O problema do finito e infinito, Grijalbo, México, p. 160-161

[5] Grant, Ted; Woods, Alan, Razão e Revolução, Fundação Federico Engels, Espanha, 2002, p. 125

[6] Enciclopédia de conhecimentos fundamentais, Tomo 5, Século XXI, UNAM, México, 2010, p. 73

 

Deixe seu comentário

Leia também...

Saiba o que traz a nova edição da revista América Socialista

Nossos leitores têm disponível uma revista América Socialista muito especial para os marxistas. Trata-se da …