Início / Artigos / Economia / Aumentou a dívida pública no Brasil (*). E nós com isso?

Aumentou a dívida pública no Brasil (*). E nós com isso?

Wanderci Bueno
Na semana que passou os jornais divulgaram que a Dívida Pública Federal (interna e externa) cresceu 3,39%. Isso pode parecer irrisório, mas se olharmos por outro ângulo de maio a junho a divida aumentou 59,14 bilhões de reais, perfazendo R$1.805 trilhão.
Esse aumento da Dívida Pública Federal ocorreu porque foram emitidos papeis no valor de R$ 43,31 bilhões que se soma a um aumento de R$ 15,84 bilhões decorrente dos encargos de juros sobre o endividamento. No mês de junho a divida acelerou porque o Tesouro também emprestou 30 bilhões ao BNDES que “pagou” o empréstimo com títulos, ou seja, o Estado emitiu mais papéis.
E nós com isso? Simples. Só com o valor pago relativo aos juros e encargos, 15,84 bilhões, daria para construir 316.800 moradias no valor de R$ 50.000,00 cada, ou ainda comprar 316.8 milhões de cestas básicas de alimentos no valor de R$ 500,00 cada.

Os investidores estrangeiros estão adorando toda essa situação. Com a crise nos EUA e Europa, fazem a farra aqui, ganhando dinheiro a rodo com a especulação. E é sempre bom lembrar que o BNDES está ajudando várias obras. As construtoras amigas logicamente alegremente agradecem. Até quando a farra vai durar? Fiquemos atentos para o que acontece nos EUA e na Europa. Se quebrar a Alemanha e os EUA der o calote, o maremoto será de grandes proporções.
Bicalho em seu artigo de 12 de julho que está na página www.marxismo.org tem razão quando diz: “…uma parte da burguesia americana, entre ela muitos democratas e republicanos, joga com a possibilidade de não renovar a dívida e dar um calote no mundo inteiro. Afinal, este tipo de coisa já foi feito de forma diferente nos anos 30 e a emissão indiscriminada de dólares esta levando exatamente a isto: os diferentes países emprestaram dólares a um determinado valor e como foi emprestado em dólares (a moeda do mercado mundial) ao emitir moeda, levando a desvalorização geral do dólar, temos simplesmente um calote parcial, tal qual está sendo recomendado à Grécia, e todo mundo esta pagando o déficit dos EUA. Ou seja, a guerra e a crise entre os diferentes capitalistas ampliam e aumentam as guerras entre os países”.
Os EUA devem uma fortuna para a China e na semana passada as autoridades financeiras do governo chinês imploraram aos espertos homens que manipulam as finanças norte-americanas para que façam de tudo para proteger os interesses dos investidores. Há um temor, uma verdadeira psicose entre os financistas do mundo todo frente à possibilidade de que as negociações sobre o orçamento estadunidense se prolonguem por muito mais tempo e que acabem por não ser aprovado o aumento no teto de endividamento, que é hoje de 14,29 trilhões de dólares.
Há o temor de que a situação norte-americana, se não conseguir saldar as dívidas, leve a uma situação de instabilidade no mercado financeiro internacional.
O New York Times divulgou que o presidente do Federal Reserve (Banco Central dos EUA), senhor Ben S. Bernanke havia alertado o mundo inteiro que uma calamidade enorme ocorreria se Obama e os parlamentares conservadores não fizessem rapidamente um acordo sobre a elevação do teto da dívida. O impasse continua nos EUA entre Obama e conservadores. Se o calote dos EUA vier, quebra a economia chinesa, quebra o mundo todo.
Ao lado desses problemas existe outro não menos grave na Europa onde a quebradeira ameaça toda a zona do Euro e o próprio Euro. O mundo está à beira de grandes acontecimentos. Os poderosos devedores querem jogar o pesado fardo das dívidas nas costas dos mais fracos e já perceberam que se apertam muito, revoluções explodirão em vários cantos do planeta.
*Nota:
Dívida pública é aquela contraída por organismos do governo, seja ele, federal, estadual ou municipal, tanto no mercado interno como no mercado externo. Além disso, as empresas estatais e todo e qualquer outro organismo público, quando endividam, os seus débitos também constam do total da dívida pública.

Deixe seu comentário

Leia também...

As necessidades do governo são parte da exploração dos trabalhadores

Enquanto o ilegítimo presidente Temer tentava convencer os parlamentares a irem contra seu processo de …