Início / Artigos / Internacional / Argentina: Mobilização para combater os capitalistas e seu ajuste

Argentina: Mobilização para combater os capitalistas e seu ajuste

O governo federal avança a toda velocidade tentando impor o ajuste disfarçado de reforma. Assim o conjunto de reformas tributária, previdenciária e trabalhista é de vital importância para o empresariado no governo, para aprofundar a transferência da crise capitalista mundial sobre as costas dos trabalhadores e do povo pobre.

No março da crise econômica mundial, empresários, latifundiários e banqueiros estão em uma disputa interna para ver quem ajusta mais a classe trabalhadora como maneira de tentar sustentar uma taxa de lucro que lhes permita fazer frente ao mercado mundial. É por isso que em um país após outro vemos ataques, ajustes e contrarreformas sem exceção. Mauricio Macri é a expressão local desse fenômeno mundial.

Os economistas mais lúcidos do status quo falam em décadas de ajustes, produto de uma crise que não só não tem saída à vista, mas que se encontra diante da perspectiva da mão mais pesada de uma nova recessão mundial.

É por isso que a classe trabalhadora só pode confiar em suas próprias forças para derrotar e destruir o ajuste das elites e patrões. Neste momento saudamos, aderimos e participamos da mobilização e da jornada nacional de luta contra as “reformas” trabalhista, tributária, previdenciária, educativa e da saúde em 6 de dezembro convocada pelos camaradas da ATE Nacional[1], CTA[2] Perón, Corriente Clasista y Combativa, Barrios de Pie, Confederación de Trabajadores de la Economía Popular, Aceiteros[3], Sipreba[4], Pepsico, Sutna[5], Conaduh[6], Feroviarios del Sarmiento, Fesprosa[7], Cicop[8], Ademys[9], AGD UBA[10], Sindicato de Ledesma, Sitraic[11], Suteba La Matanza[12] e a adesão da Amsafe[13] e da Comisión Gremial de La Toma de Rosario.

Diante da gravidade e magnitude do ataque que estamos recebendo, nós trabalhadores dizemos que é necessário avançar de maneira concreta na unidade de ação de todas as organizações sindicais que rechaçam o atual programa econômico de ajuste e miséria.

Não podemos ignorar a convocação concreta a mais de 300 mil trabalhadores realizada dia 29 de novembro pelas correntes que compõem a Mesa de Unidad Sindical: a Corriente Federal de la CGT[14], a CTA Autónoma e a CTA de los Trabajadores.

A convocação realizada para o dia 6 de dezembro foi um passo adiante na constituição de um polo classista, mas não é o bastante, já que o que devemos entender é que as grandes massas da classe trabalhadora ainda estão nos grandes sindicatos manipulados pelos pelegos e independentes da CGT.

É necessário deixar de lado os sectarismos e avançar na constituição de uma corrente sindical classista, antiburocrática e democrática que unifique todo o ativismo operário que rejeita as contrarreformas em curso na perspectiva de agrupar a maior quantidade possível de sindicatos, comissões internas e corpos de delegados para poder vencer. Deixar os sectarismos de lado supõe, em primeiro lugar, o chamamento à unidade em termos programáticos, chamamento à unidade supõe ter e expressar firmeza nos princípios e ser flexíveis no organizativo. Quais são os motivos para não marchar juntamente com aqueles que convocaram 300 mil trabalhadores no dia 29 de novembro? Qual é o motivo de não fazer um chamamento à unidade da Mesa de Unidad Sindical para elaborar um plano de luta que derrote os planos de ajuste e desocupação do governo do Cambiemos[15]?

Devemos, por sua vez, incentivar assembleias de base nos lugares de trabalho para que os trabalhadores pertencentes aos sindicatos em que a burocracia sindical e os chefes pactuam com o governo possam tirar esse estorvo e sair à luta independente de suas direções.

Se os dirigentes da CGT se negam a lançar uma greve nacional e um plano de luta, esta tarefa deve ser tomada pelos trabalhadores em suas próprias mãos por meio da ação direta. É por isso que será de suma importância que aqueles sindicatos que hoje se encontram lutando façam um chamado direto aos trabalhadores a superar suas lideranças traidoras e entreguistas.

A unidade do sindicalismo de base é a tarefa para derrotar o ajuste e uma maneira propícia de ir conformando uma corrente sindical que seja não somente da luta reivindicativa, mas que se busque a necessidade de se organizar a favor de seus interesses históricos e de passos à frente para por no centro do debate a necessidade de construir uma ferramenta político-sindical: um partido dos trabalhadores.

Artigo da Corriente Socialista Militante, seção argentina da Corrente Marxista Internacional, sob o título “Movilizarnos para golpear a los capitalistas y su ajuste”, publicado em 6 de dezembro de 2017.

Tradução de Nathan Belcavello de Oliveira

[1] Asociación Trabajadores del Estado – Associação dos Trabalhadores do Estado (Nota do Tradutor – N.T.).

[2] Central de Trabajadores de la Argentina – Central dos Trabalhadores da Argentina (N.T.).

[3] Federación de Trabajadores del Complejo Industrial Oleaginoso, Desmotadores de Algodón y Afines de la República Argentina – Federal dos Trabalhadores do Complexo Industrial Oleaginoso, Descaroçadores de Algodão e Afins da República Argentina (N.T.).

[4] Sindicato de Prensa de Buenos Aires – Sindicato da Imprensa de Buenos Aires (N.T.).

[5] Sindicato Único de Trabajadores del Neumático Argentino – Sindicato Único dos Trabalhadores do Pneumático Argentino (N.T.).

[6] Federación Nacional de Docentes, Investigadores y Creadores Universitarios – Federação Nacional de Docentes, Pesquisadores e Criadores Universitários (N.T.).

[7] Federación Sindical de Profesionales de la Salud de la República Argentina – Federação Sindical dos Profissionais da Saúde da República Argentina (N.T.).

[8] Asociación Sindical de Profesionales de la Salud da la Provincia de Buenos Aires – Associação Sindical dos Profissionais da Saúde da Província de Buenos Aires (N.T.).

[9] Asociación Docente Ademys – Associação Docente Ademys (N.T.).

[10] Asociación Gremial Docente de la Universidad de Buenos Aires – Associação Gremial Docente da Universidade de Buenos Aires (N.T.).

[11] Sindicato de Trabajadores de la Industria de la Construcción – Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção (N.T.).

[12] Sindicato Unificado de Trabajadores de la Educación de Buenos Aires – Sindicato Unificado dos Trabalhadores da Educação de Buenos Aires (N.T.).

[13] Asociación de Magisterio de Santa Fe – Associação do Magistério de Santa Fé (N.T.).

[14] Confederación General del Trabajo de la República Argentina – Confederação Geral do Trabalho da República Argentina (N.T.).

[15] Coalizão política formada para o lançamento da candidatura de Macri à presidência da Argentina em 2015 (N.T.).

Deixe seu comentário

Leia também...

Rebelião no Haiti: protestos massivos e greve geral contra o aumento do preço dos combustíveis

Protestos massivos irromperam na última sexta-feira (6 de julho) por todo o Haiti em oposição …