Início / Luta de Classes | Ver Mais / AJD exige uma investigação independente nas mortes de Marielle e Anderson
Foto: Instagram/marielle_franco

AJD exige uma investigação independente nas mortes de Marielle e Anderson

“Fico manso, amanso a dor
Holiday é um dia de paz
Solto o ódio, mato o amor
Holiday eu já não penso mais”
Estácio Holly Estácio, de Luiz Melodia

Marielle e Anderson morreram no Estácio. Duas pessoas que não foram mortes à toa. Não existem mortes à toa. Foram mortes de ódio. No caso de Marielle, ódio a uma mulher negra, jovem e oriunda da Favela da Maré, que sobreviveu à miséria e à violência. Sobreviveu à sabotagem estatal à educação e à saúde, e conseguiu ser eleita vereadora no Rio de Janeiro.

Não “mais uma vereadora”, numa casa legislativa onde muitos são sanguessugas da miséria, exploradores do medo, vendedores de uma vida melhor após a morte. Uma mulher que, no pequeno espaço do que resta de democracia, colocou sua vida a serviço dos seus, enfrentando as incontáveis violências que a população negra e favelada sofre todos os dias.

Marielle e Anderson não foram vítimas do delírio fascista chamado “falta de segurança pública”. Foram vítimas do aparelho estatal que não admite mudar, que não admite ser criticado, causador em primeiro e último grau de toda essa violência que ele, ao fingir combater, multiplica e retroalimenta.

Vítima também é a ideia de comunidade com sua vida em rede e seus laços de solidariedade.

A intervenção militar, um ato de força e ignorância, não deteve as nove balas que mataram Marielle e Anderson. Nunca deterá. Não se combate violência com mais violência.

As mortes de Marielle e Anderson foram, repita-se, mortes de ódio, ódio à democracia. A falsa democracia brasileira permite que uma pessoa como Marielle seja eleita, mas não que exista e muito menos que resista.

Pela real possibilidade de participação de agentes estatais no extermínio de Marielle e Anderson, e suas famílias e amigos: a AJD, Associação Juízes para a Democracia, exige uma investigação independente. Propõe ainda uma discussão democrática e radical de alterações na sangrenta “política de segurança pública” conduzida pelo Estado antidemocrático e violador dos direitos humanos.

Nossa proposta marca nosso repúdio ao recado dado por aqueles que odeiam a democracia e semeiam a violência em todas as partes.

São Paulo/Rio de Janeiro, 15 de março de 2018.

Deixe seu comentário

Leia também...

Estado máximo na ação de reintegração de posse do acampamento Novo Horizonte

Uma ação de reintegração de posse no assentamento Monte Alegre, em Araraquara (SP), foi realizada …