Início / Artigos / Afeganistão, a guerra está sendo perdida

Afeganistão, a guerra está sendo perdida

A divisão entre os generais e políticos dos EUA não poderia ter vindo em pior momento. A demissão de McChrystal justo no início da temporada de combate pode interromper a campanha de contra-insurgência inteira, que já estava indo mal.

O fato é que uma vitória militar está fora de questão. A maior potência militar do mundo agora está sobrecarregado na região.

Com o tom da habitual cínica irreverência, que é característica da revista, o correspondente da “The Economist” de 23 de Junho declarou que o que ele realmente não poderia perdoar foi que o general McChrystal prefere Bud à Bordeaux. Mas o amante do vinho fino francês foi obrigado a acrescentar que, sério como este lapso de gosto pode ser, não era motivo suficiente para demitir um general dos EUA. O verdadeiro motivo para a destituição do general era de uma natureza muito mais grave e teve que ver com as relações entre a classe dominante e o Estado.

A burguesia gosta de sentir que ela está no controle de seu próprio Estado. Mas há sempre uma tendência do Estado, que em última análise são os corpos de homens armados, a subir acima da sociedade e afirmar a sua independência – até mesmo da própria classe dominante. Vemos essa tendência nos primeiros tempos, como o fenômeno pretoriano no Império Romano mostra claramente.

Em sua célebre obra “A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado”, Engels escreve a situação como “um poder, aparentemente situado acima da sociedade, que irá aliviar o conflito e mantê-lo dentro dos limites da “ordem” e este poder, surgido da sociedade, mas colocando-se acima dela, e alienando-se mais e mais dele […]. ”

Nos tempos da luta de classes extremas, quando nenhuma classe é capaz de conseguir uma vitória decisiva, o Estado, na forma do exército, tende a afirmar-se mais e mais. Os canais normais de dominação de classe não são suficientes para conter as forças que foram liberados e outros métodos de governo tornar-se necessário. Bonapartismo é a regra pela espada. No entanto, a classe dominante não recorrer a tais medidas, de ânimo leve. Ele prefere o método normal da democracia parlamentar, porque é mais econômico.

Existem mil e uma maneiras de garantir que a classe operária, quando ganhou o voto, nunca ganhará realmente o controle da sociedade e do Estado. Isso envolve uma certa quantidade de despesas de corrupção direta e indireta, e a perfeição de um mecanismo de elaboração de lobby, marketing, relações públicas e meios de comunicação com a finalidade de enganar o eleitorado a acreditar que eles realmente têm algo a dizer sobre os destinos da nação. Mas o tempo todo, as rédeas do controle permanecem firmemente nas mãos de uma minoria. No EUA o Presidente é formalmente eleito pelo povo. Mas, na realidade, é impossível de ser eleito presidente, a menos que seja um bilionário, ou pelo menos tem acesso a enormes somas de dinheiro que vem de bilionários.

As despesas gerais da democracia burguesa formal são um incômodo oneroso, do ponto de vista da classe dominante, mas o sistema foi aperfeiçoado para as gerações em países como os EUA, e do ponto de vista da classe dominante, ele funciona razoavelmente bem. E os custos e os inconvenientes da alternativa são muito mais elevados. Portanto, sob circunstâncias normais, a classe dominante não gosta de generais que querem mostrar independência excessiva e uma tendência para prosseguir a sua agenda própria, independentemente da vontade dos seus chefes políticos. Estes últimos foram cuidadosamente selecionadas para representar os interesses dos bancos e dos grandes monopólios.

A burguesia sustenta o seu controle

O incidente lembra o recente conflito entre o General Douglas MacArthur e o presidente Truman durante a Guerra da Coréia. MacArthur mostrava claras tendências bonapartistas e foi demitido de seu comando. McChrystal mostrou total desprezo para o “establishment” político. Entre outras pérolas, ele descreveu o conselheiro de segurança nacional da maior superpotência do mundo como um “palhaço”, o seu vice-presidente como um “Zé ninguém” e seu Presidente, como “desconfortável e intimidado” com a presença dos militares superiores.

Por suas palavras e ações, McChrystal mostrou ingratidão, bem como desrespeito. Obama já havia demitido o general David McKiernan, comandante da esquerda ao longo da era Bush. Sob a pressão do Pentágono, ele nomeou o general McChrystal, que ele mal conhecia, para assumir o controle da guerra no Afeganistão. No Outono do ano passado, Obama apoiou General McChrystal no plano de contra-insurgência e deu-lhe a maioria dos soldados que ele pediu.

Isto apesar do fato de que o general já tinha cometido insubordinação grave, ridicularizando a opinião do vice-presidente Joe Biden, que se opunha a sua estratégia. Se o senhor Obama havia deixado o general em seu trabalho, ele teria humilhado o vice-presidente e fez-se parecer fraco, num momento quando ele estava tentando parecer forte. Tendo passado meses cuidadosamente cultivando a imagem de um presidente firme até o caso da BP, ele não poderia permitir a impressão de que ele não podia controlar seus próprios generais.

General David Petraeus tem agora a missão de substituir McChrystal. Ele é um servo mais confiável do sistema, um homem que poderia ter entrado na política, com um caráter respeitável, e não como um maverick McChrystal, um homem com um ego enorme, uma boca não muito grande e não muito intelectual. Na realidade, McChrystal “saiu de fininho”. De acordo com o Código de Justiça Militar, um policial que usa palavras de desprezo em direção ao presidente ou ao vice-presidente pode ser punido por um tribunal. Mas mesmo quando reafirma a sua autoridade sobre os militares, o ocupante da Casa Branca deve ter cuidado para não pisar muito duro com os dedos do Pentágono.

De Bush a Obama

A profunda crise do capitalismo fez com que a classe dominante fosse obrigada a abandonar o republicano George Bush e substituí-lo com o democrata Barack Obama. Eles apenas mudaram a partir do pé direito ao pé esquerdo. As massas estavam convencidas de que a administração de Obama representaria “mudança”, e não há na sociedade estadunidense um desejo profundo de mudança. Naturalmente, a mudança foi, sobretudo, de caráter cosmético: a mudança de estilo, em vez de substância.

Obama representa os interesses da mesma classe como Bush: os interesses do imperialismo EUA, os bancos e os grandes monopólios. Mas o faz com um sorriso e não uma expressão carrancuda, preferindo diplomacia (que é barato) ao invés de usar força bruta (que é caro). E ele pode, pelo menos por um tempo, convencer a opinião pública no país e no estrangeiro, que ele realmente significa isso.

A invasão do Iraque, do ponto de vista do imperialismo EUA, foi um erro caro, uma aventura. Tardiamente, Obama tentou reorientar a política EUA, enviando militares do Iraque para a guerra no Afeganistão. Na realidade, quem estivesse na Casa Branca teria de retirar-se do Iraque. O fato é que a América perdeu a guerra e deve encontrar uma desculpa para cortar suas perdas. Estas são consideráveis. Além de milhares de mortos e mutilados, a ocupação do Iraque está custando ao Tesouro EUA cerca de dois bilhões de dólares por semana. Mesmo o poder mais rico do mundo não poderia ficar como uma colossal hemorragia de sangue e ouro por muito tempo.

Mas a guerra no Afeganistão também vai mal. Em novembro, sob a pressão de McChrystal, Obama convocou mais de 30.000 soldados EUA para tal campanha. Desde então, nada deu certo. A idéia de McChrystal foi um “surto”, como a do Iraque, que deveria tomar a iniciativa de enfrentar o Taliban e criar a possibilidade de um governo do Afeganistão, apoiado por seu exército e polícia, para assumir o controle. Isso não aconteceu.

Petraeus, o novo homem no comando, era um dos principais generais americanos no Iraque. Ele também é o homem que escreveu o manual em COIN (estratégia de contra-insurgência), que McChrystal estava tentando implementar no Afeganistão. Mas ele terá um trabalho duro. A idéia de que os americanos podem criar um estado suficientemente forte no Afeganistão, com o exército e a polícia capazes de retirarem o mal sucedido no Iraque. Além disso, não se pode ter sucesso em todo Afeganistão, pois o país é dilacerado por divisões profundas na linguística, clã, tribo e linhas religiosas, eo estado está nas mãos de bandidos corruptos de todo o clã Karzai.

McChrystal experimentou a nova estratégia em Marja em Helmand. Isto era para supostamente mostrar como COIN ganharia mais as pessoas e se livrar do Taliban. Mas McChrystal chamou Marja de uma “úlcera”. Esta foi, portanto, o pior momento possível para uma divisão entre os generais e políticos. Saque em geral apenas no início da temporada de combate obviamente perturbar a campanha de contra-insurgência inteira, que já estava indo mal.

América está perdendo a guerra

Obama descreveu a guerra no Afeganistão como uma “guerra de necessidade”. Mas a campanha dos EUA no Afeganistão, está agora pronta à beira do fracasso. Em junho, a guerra no Afeganistão ultrapassou a do Vietnã como a maior campanha da história dos Estados Unidos. Mais de 1.000 soldados EUA foram mortos e quase 6.000 feridos. No entanto, os resultados são muito pobres. O Taliban continua suas operações sem descanso, continuam a assediar as forças de coalizão com táticas de guerrilha, assassinar líderes tribais que colaboram com eles e fazendo estragos com bombas nas estradas.

Obama quer sair do Afeganistão e deixar de combater as forças indígenas do interesse norte-americano, quer por suas próprias razões, ou porque são pagos. Mas para que isso acontecesse, haveria de ser um Exército afegão e Estado forte o suficiente para enfrentar os talibãs. Os americanos estão tentando tirar forças regionais em coligações locais. Em teoria, isso vai obrigar o Taliban negociar para evitar ser marginalizado. Mas o recente assassinato de soldados da Coalizão por um renegado recruta afegão mostra que a criação de uma força militar forte no Afeganistão ainda está longe.

Antes de alcançar o resultado desejado (de negociação), Washington tem a intenção de ir para a ofensiva, em um “surto” como a que lançou no Iraque. Isto é mais fácil dizer do que fazer. A operação na província de Helmand tem sido muito mais lenta do que o previsto. Já a ofensiva decisiva em Kandahar foi adiada. Esta operação pode também determinar o curso da guerra. Parte do plano era eliminar corruptos de Karzai, como o seu meio-irmão de Kandahar. Mas ele ainda está firme no comando lá. A razão pela qual McChrystal decidiu adiar a ofensiva de Kandahar até o outono foi que ele viu que a população local não estava pronta para apoiá-lo.

Um levantamento em 120 municípios com altos níveis de insurgência revelou que um terço dos afegãos dá pouco apoio para Karzai. A grande maioria odeia os ocupantes estrangeiros e quer tirá-los do seu país. Mais de um terço dos seus habitantes apoiado os rebeldes. E com todos os civis afegãos mortos por milicos estadunidenses, o ódio crescerá mais intensa.

O Taliban será encorajado a ver tais divisões no campo inimigo. Eles concluem que a América não tem estômago para a luta. Em 24 de junho, “The Economist” realizou uma reportagem com o título interessante: “Barack Obama demitiu seu comandante no Afeganistão. Mas a verdadeira preocupação é que a guerra está sendo perdida”. Isso coloca a essência do assunto muito bem. O artigo continua: “Mas a determinação presidencial não pode esconder uma verdade mais profunda. América e seus aliados estão perdendo no Afeganistão “.

Quem é responsável?

O imperialismo dos EUA foi responsável pela criação da Al-Qaeda e dos Talibãs. Os Estados Unidos, juntamente com a Arábia Saudita e o Paquistão, organizaram e sustentaram os chamados “mujahedeen” (guerreiros), a fim de que pressionassem os soviéticos em uma guerra de guerrilha debilitante. Enquanto eles estavam matando os russos, estes bandidos reacionários foram retratados no Ocidente como “combatentes da liberdade corajosa”. Para sua vergonha, alguns grupos de esquerda, como o britânico SWP fez eco a essa bobagem e apoiou as forças contra-revolucionárias.

Nessa fase os Estados Unidos estavam dispostos a aceitar que os fanáticos islâmicos que haviam se organizado contra o regime pró-soviético em Kabul regeria Afeganistão. Eles estavam despreocupados com as atividades de homens como Osama Bin Laden, um saudita multi-milionário com laços estreitos com a CIA. Mas quando o exército soviético no Afeganistão foi deixado em 1989, a situação mudou. Como Frankenstein, Washington havia criado um monstro que não conseguia controlar.

Havia muitas facções, dividida em linhas étnicas e religiosas, mas todos elas reacionárias. Os aliados de Washington no Paquistão queriam tomar o controle do Afeganistão. Através do ISI (Military Intelligence), o Paquistão apoiou a facção chamada talibã, e que ajudaram a tomar o poder em 1996. Os talibãs foram ligados a um grupo de jihadistas internacionais chamado al-Qaeda, que foram responsáveis por ataques a instalações EUA no exterior. De repente, a atitude do EUA mudou. Os “combatentes da liberdade corajosa” de repente tornou-se “terroristas”.

A virada veio em 11 de setembro de 2001, quando a Al-Qaeda lançou ataques contra o continente dos Estados Unidos. A resposta da administração Bush foi invadir o Iraque – que na época não tinha qualquer ligação com a Al-Qaeda e não desempenhou qualquer papel no ataque ao World Trade Center. Além disso, os Estados Unidos iniciou suas operações no Afeganistão, pouco depois de 11 de setembro.

Para fazer isso, os Estados Unidos chegaram a um acordo com organizações como a Aliança do Norte, que tinha sido expulsa do poder pelos talibãs, assim como grupos xiitas no oeste, que estavam próximas ao Irã e à Índia. Estes grupos de apoio dos Estados Unidos tinham do ódio dos talibãs e recebiam dinheiro de Washington. Esta tática tinha a vantagem de permitir a Washington para lançar uma ofensiva sem arriscar as vidas de soldados americanos.

A contribuição dos Estados Unidos para a ofensiva foi, principalmente para lançar bombas de uma grande altura com B-52s dos EUA contra as forças talibãs. Este bombardeio intensivo forçou o Taliban se retirar das cidades e se dispersam em áreas rurais. O Taliban, no entanto, não foi derrotado, pela simples razão de que não luta. Em vez disso, eles preservaram as suas forças e reagruparam-se nas terras de Pashtoon, tanto no Afeganistão e no outro lado da fronteira no Paquistão, onde receberam abrigo e ajuda de seus amigos no ISI.

Até este ponto, o EUA não tinha um grande número de tropas americanas no território Afegão. É deixar que outros façam a sua luta por ele. Mas agora tudo isso mudou. Em 2009, Obama decidiu que o Afeganistão, e não o Iraque, deve ser o foco das operações militares dos EUA. Sua intenção era criar as condições para negociar com o Talibã, e começar a retirada em 2011. Para fazer isso, como vimos, Obama, aumentou a força das forças EUA, com o objetivo de infligir uma derrota sobre o Taliban e forçá-los a aceitar uma solução política que acabaria por permitir a retirada EUA.

E agora?

Tem havido muitas conversas recentemente sobre as alegadas vastas riquezas minerais no Afeganistão. É bem possível que isso faça parte de uma campanha de propaganda para manter os governos ocidentais e não retirar suas forças. Mas mesmo se isso fosse verdade (que não está claro), a exploração mineral no meio de uma guerra está completamente fora de questão. Estamos, portanto, de volta ao ponto de partida: como acabar com o conflito?

A vitória militar está fora de questão. Os Estados Unidos estão agora sobrecarregados na região. A maior potência militar do mundo carece de uma reserva estratégica de forças terrestres. Pior ainda, do ponto de vista de Washington, em última análise, o Afeganistão não é estrategicamente essencial para o EUA, razão pela qual ele não tem usado historicamente suas próprias forças, mas sempre lutou com o sangue de outras pessoas.

É por isso que os americanos gostariam de construir o exército afegão e de países regionais, a fim de assumir a guerra, enquanto “ganhar os corações e mentes” da população afegã, isolar os talibãs. Isso seria negar a Al-Qaeda de sua base no Afeganistão. Mas desde que al-Qaeda mudou a sua base de operações para Paquistão, Iêmen, Somália e outros países, negando-lhe bases no Afeganistão não resolve o problema dos EUA.

É um conhecido princípio de guerra que diz: “nunca gaste todas as suas reservas para uma única batalha. Deverá haver sempre uma reserva para eventualidades inesperadas”. Mas os Estados Unidos tem quebrado esta regra de ouro. Os compromissos onerosos no Iraque e no Afeganistão deixaram os EUA vulneráveis no mundo. Os inimigos da América, dificilmente vão ser tão atenciosos como esperar até que os Estados Unidos terminem com uma guerra antes de iniciar outra. Já os terroristas têm estabelecido bases nas zonas tribais selvagens do norte do Paquistão, e em zonas remotas e instável do Iêmen e da Somália.

Esta situação não pode continuar, mas Obama enfrenta um dilema. Por um lado, é necessário retirar o mais cedo possível, mas por outro lado, uma retirada precoce prejudica tanto o desenvolvimento de coalizão como negociações. Se os norte-americanos vão se retirar, não há incentivo para que o Taliban negocie. Também não há qualquer incentivo para os aliados dos Estados Unidos da coligação para ficar se os americanos estão deixando.

Existe um grande ponto de interrogação sobre a vontade crescente da opinião pública na Europa e América para continuar lutando. Enquanto a guerra se arrasta, cresce o movimento para trazer as tropas para casa. Já uma parte do establishment político nos EUA está cansado da guerra. Recentemente, os legisladores no Congresso mudaram suas posições para cortar quase US $ 4 bilhões em ajuda ao Afeganistão após uma exposição de jornais de corrupção no país.

A verdade é que já se vão anos de ocupação sem ter resolvido nada. Os talibãs têm reservas quase ilimitadas de mão de obra e dinheiro (através do lucrativo comércio de drogas). Eles têm refúgios no Paquistão e com o apoio de uma parte importante do exército do Paquistão e do Estado. Nestas circunstâncias, imaginar que uma mudança de generais fará uma diferença real para o curso da guerra é irreal. No final, assim como os britânicos de uma centena de anos anteriores, o imperialismo dos EUA terá de chegar a uma acomodação com o inimigo. No Afeganistão, a corrupção pode fazer maravilhas onde a força desarmada provou impotente.

Uma derrota no Afeganistão seria um desastre. Isso marcaria uma humilhação para o Ocidente, e para a OTAN. Mesmo que o objetivo mais limitado da guerra – negar à Al-Qaeda uma base segura para suas operações, falhará. Diz-se que Hamid Karzai quer abrir canais diretamente para o Taliban. O presidente afegão não negou isso. Na verdade, ele admitiu. Isso não é surpreendente. Ele quer salvar o seu pescoço.

Por outro lado, os paquistaneses, irritado com o que vêem, como o aumento da interferência indiana no Afeganistão, estão aumentando sua presença. Um vácuo foi criado, e alguém deve preenchê-lo. A retirada das tropas ocidentais fará o Afeganistão mergulhar em uma nova guerra civil, ainda mais sangrenta do que aqueles do passado. Isso é convidar à intervenção dos Estados vizinhos: Irã, Paquistão, Índia e até Rússia. Seria agravar a instabilidade em toda a Ásia Central, e aumentar o risco de guerra entre a Índia e o Paquistão.

Como sempre as verdadeiras vítimas serão o povo afegão, ameaçada com uma descida à barbárie. Os afegãos têm ódio ao invasor estrangeiro, mas isso não significa que eles apóiam o Taleban. Muitos afegãos gostariam de se livrar do Taleban, mas eles não vêem outra alternativa. Nestas circunstâncias, o trabalho das forças pequenas do marxismo no Afeganistão é extremamente difícil. Eles devem lutar contra o imperialismo e ocupação estrangeira, mas sem fazer concessões às forças de reação obscurantista.

Afeganistão tornou-se, nas mentes das pessoas na Europa e nos EUA, com um lugar que representa o atraso, a selvageria e o fanatismo religioso. Mas, historicamente, foi o centro de uma grande cultura da Ásia Central. Mais recentemente, teve uma tradição comunista que ainda vive, embora severamente reprimidas. Muitos afegãos devem olhar para trás, momento em que os “comunistas” estavam no poder como uma idade de ouro.

Em última análise, como sempre tem sido o caso, o destino do Afeganistão será resolvido em outro lugar. O Afeganistão é parte da Ásia Central. Faz fronteira com a China e o Irã. É também a porta de entrada para que subcontinente imenso que se estende do Himalaia e as vastas planícies de Punjab, no Norte do Oceano Índico, no sul do país. Os movimentos revolucionários que estão a ser preparadas nos países vizinhos, terá um efeito profundo no Afeganistão. Acima de tudo, uma revolução no Irã iria transformar toda a situação. Esta é a esperança para o Afeganistão e de toda a Ásia.

Londres, 21 de julho de 2010.

Deixe seu comentário

Leia também...

Argentina: nossa posição diante das eleições primárias abertas

Atualmente, nós da classe trabalhadora, estudantes e camponeses vivemos uma forte investida da direita em …

Deixe uma resposta