Início / Documentos / Resoluções & Declarações / Abaixo a repressão e a criminalização! Anistia a todos os processados, condenados e presos políticos!

Abaixo a repressão e a criminalização! Anistia a todos os processados, condenados e presos políticos!

Conforme a Esquerda Marxista apontava no início deste ano, na manchete da edição 51 do seu jornal, Luta de Classes, um novo tempo anunciava-se no Brasil. As jornadas de junho, com as grandes mobilizações de massa por todo o país, exigindo mais e melhores serviços públicos, confirmaram a abertura da nova situação prevista pelos marxistas.

Nesse cenário, a repressão e a criminalização das lutas e dos lutadores têm crescido velozmente. Avança a discussão da lei antiterrorismo que permite considerar greves, manifestações, ocupações e outras formas de luta da classe trabalhadora como terrorismo, podendo gerar penas até 30 anos de prisão; delegados de polícia reivindicam a Lei de Segurança Nacional (que tem 30 anos e nasceu na ditadura militar!) para poder prender e manter encarcerados manifestantes. Militantes são acusados de “formação de quadrilha” por organizar movimentos de luta por melhorias nas condições de vida do povo. É uma escalada que precisa ser barrada pela luta unitária de todos os movimentos, sindicatos, partidos de esquerda, etc.

Um recado para os que lutam

Em meio a todo esse cenário, o STF manda prender os dirigentes do PT condenados na farsa do julgamento da AP 470, apelidado de “mensalão”. Este é um recado da burguesia de que as leis e a justiça estão a serviço de sua classe. De que se podem prender Dirceu e Genoíno para atacar e desmoralizar o PT e os petistas, podem prender qualquer um, por qualquer motivo. O objetivo é intimidar a luta da classe trabalhadora.

A Esquerda Marxista que denunciou essa farsa e desde o início se posicionou contra esse julgamento, contra suas sentenças e prisões, defendeu na Direção Nacional do PT a necessidade de um “Encontro Nacional de Trabalhadores em Defesa do PT e da CUT, Contra a Criminalização do Movimento Operário e Popular”, proposta recusada pelos que foram presos e pela maioria da direção do partido, sacramentando e sustentando até o fim a manutenção da colaboração com a burguesia.

A direção do PT em sua ultima reunião recusou-se, uma vez mais, a combater pela anulação da AP 470. Apesar de fazer críticas à decisão do STF, a DN – PT, por não desejar colocar a base do partido a lutar pela libertação dos presos, para não se chocar com as instituições burguesas e não ver estremecer a sua aliança com a burguesia opta pela rendição e procura bloquear que haja mobilizações contra as prisões e instituições, todas elas.

A direção do PT, Lula e Dilma, ao tomarem essa postura covarde, também dão o seu recado, demonstrando que os trabalhadores não poderão contar com essa direção em sua defesa. Ao contrário, o governo Dilma, a partir do Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, participa e apóia a repressão e a criminalização.

Contra a condenação e criminalização dos 4 da CIPLA

Os dirigentes da EM estiveram desde o início com os trabalhadores da CIPLA e Interfibra (2002, em Joinville/SC), e depois na Flaskô (2003, em Sumaré/SP), quando estes entraram em greve e ocuparam as fábricas retomando a produção e a colocando sob controle operário em resposta às ameaças da falência e desemprego.

Esta luta, que ganhou dimensão nacional e internacional com o Movimento das Fábricas Ocupadas, com encontros de Fábricas Ocupadas de diversos países, representava o início de uma ameaça aos capitalistas. Isso fez com que a reação se manifestasse e levasse a uma intervenção judicial e invasão militar realizada pela Polícia Federal em 2007, em pleno governo Lula, para retirar as fábricas do controle dos trabalhadores, sob a desculpa de cobrar um débito previdenciário dos antigos patrões devido desde 1988 no valor de R$1,8 milhão.

Nunca houve antes no Brasil uma intervenção federal para cobrar nenhum débito previdenciário de nenhum patrão, por maior que fosse a dívida. O objetivo da intervenção na CIPLA era acabar com um movimento que questionava o capitalismo. O objetivo era levar os principais dirigentes do movimento aos tribunais e impedi-los de continuar organizando os trabalhadores. Aquilo que parecia um fato isolado da repressão a serviço dos industriais não teve reação contrária no governo e nem mesmo no PT.

Em 5 dezembro, os companheiros da Cipla, Serge Goulart, Francisco  Lessa, Carlos Castro e Onírio Martins estarão diante dos tribunais na primeira audiência, acusados de formação de quadrilha. Eles podem ser presos. A mesma acusação está sendo lançada contra estudantes e jovens que saíram às ruas para se manifestar por seus direitos.

A Esquerda Marxista se mobiliza e luta para que os 4 companheiros da CIPLA não sejam condenados por essa absurda acusação. Não os entregaremos à sorte dos tribunais. Lutaremos até o fim, e junto com eles, para que não sejam condenados.

Unidade e mobilização para barrar a repressão e a criminalização

Apenas a organização independente, com unidade e mobilização de todas as organizações dos trabalhadores, juventude, movimentos populares, MST, CUT, bem como dos partidos que defendem a democracia e as liberdades democráticas poderão deter a escalada reacionária. Mas para tanto há que enfrentar a aliança e a sua sustentação por meio de um governo de colaboração de classes, que reprime, criminaliza as lutas e as organizações dos trabalhadores.

Abaixo a repressão – Dissolução das PMs – Anulação de todas as perseguições e fim de todos os processos contra os movimentos sociais!

Libertação imediata de todos os presos políticos! Fim dos processos contra os quatro companheiros da Cipla!

Deixe seu comentário

Leia também...

Fora Temer e o Congresso Nacional! Por um Governo dos Trabalhadores!

Politicamente, o governo Temer e seu principal aliado, o PSDB, estão acabados. É a hora …