Início / Artigos / Outras Análises | Ver Mais / Geral / A prisão de Beto Richa (PSDB) e a nossa luta

A prisão de Beto Richa (PSDB) e a nossa luta

O candidato ao senado e ex-governador pelo PSDB Beto Richa foi preso na manhã desta terça-feira (11/9). O tucano é alvo de uma operação do Ministério Público do Paraná (MP-PR) e da Polícia Federal (PF). Junto ao ex-governador também o acompanham em sua “nova residência”, na prisão, a esposa Fernanda Richa e parte do staff do governo, como Ezequias Moreira, ex-secretário de cerimonial, e Edson Casagrande, ex-secretário de assuntos estratégicos.

Os mandados de prisão incluem diversos figurões da política paranaense, entre eles o empresário Joel Malucelli, que é suplente do senador Álvaro Dias, o grande defensor da Operação Lava Jato, é sogro de João Arruda (PMDB), candidato ao governo e sobrinho de Roberto Requião (PMDB). Joel ainda é primo do Coronel Malucelli, vice na chapa de Cida Borguetti (PP), candidata ao governo do Estado e vice-governadora. O fato atinge em maior ou menor proporção o conjunto das famílias que governam, historicamente, o estado do Paraná!

É bom lembrar que o governo Beto Richa protagonizou o massacre dos servidores no Centro Cívico, no dia 29 de abril de 2015. De lá para cá, seu governo vem perseguindo e punindo educadores que denunciaram os abusos de seu governo e os escândalos de corrupção, como os desvios de dinheiro das escolas públicas, investigados pela Operação Quadro Negro.

As prisões demonstram o estado de putrefação do atual regime político. A raiva e descrença dos trabalhadores se expressa, eleitoralmente e de forma distorcida, na quantidade enorme de votos nulos, brancos e abstenções nas últimas eleições e que deve se repetir agora.

Nós, da Esquerda Marxista, não temos nenhuma ilusão no Poder Judiciário que fundamentalmente serve aos interesses da classe dominante. A corrupção e os poderosos só podem ser varridos pela ação direta do proletariado. Combatemos o atual sistema que só pode ser modificado efetivamente por uma revolução que destrua o atual e carcomido regime econômico e político e construa uma nova sociedade, uma sociedade socialista.

Deixe seu comentário

Leia também...

O suicídio em uma moldura social

Nesta quinta-feira (2/8), mais uma pessoa pulou do prédio da Universidade do Estado do Rio …