Início / Artigos / Brasil / A “nova Previdência” – aposentadoria nunca mais!

A “nova Previdência” – aposentadoria nunca mais!

A PEC da Previdência remetida por Temer nesta terça feira (6/12) é uma declaração e guerra a todos os trabalhadores e jovens.

A PEC da Previdência remetida por Temer nesta terça feira (6/12) é uma declaração e guerra a todos os trabalhadores e jovens. Retiram direitos brutalmente tanto as regras para a aposentadoria como as regras para pensões por morte e para o o benefício da LOAS (para idosos que nunca contribuíram para a previdência).

A idade mínima para aposentadoria passa a ser de 65 anos para homens e mulheres. Acaba a diferença de tratamento. O aposentado tem que comprovar a contribuição por 25 anos para ter direito à aposentadoria. E para ter a aposentadoria integral, teria que contribuir por 49 anos! Ou seja, se você teve seu primeiro emprego aos 20 anos, só se aposentaria com 69 anos! Como dificilmente a pessoa consegue o tempo inteiro ficar empregada, pois sempre há períodos de desemprego, a realidade é que provavelmente a maioria nunca se aposentará (a expectativa de vida é hoje 71, para quem nasce hoje!).

E as pensões são reduzidas a 50% do valor da aposentadoria. Se o velhinho falece e ganhava salário mínimo, a viúva passa a receber apenas metade do salário mínimo de pensão! Estas são as novas regras!

Segundo o governo, é preciso reformar para salvar a previdência. Em grandes números, isto é uma falácia completa. A seguridade social (previdência + saúde + assistência social) é superavitária. O problema é que o governo nunca apresenta os valores de todas as contribuições sociais quando “faz suas contas”. A verdade é que esta reforma, combinada com a PEC 55, pretende reduzir o que é gasto com previdência, saúde e educação para pagar mais e mais juros da dívida.


Artigo publicado no jornal Foice&Martelo 100, de 8 de dezembro de 2016. Adquira com um militante da Esquerda Marxista, ou assine: http://migre.me/vzFCw

Deixe seu comentário

Leia também...

Catalunha pronta para se levantar

Jorge Martin narra como a prisão de dois funcionários catalães reacendeu o movimento de massas …