Início / Luta de Classes | Ver Mais / A maior manifestação dos trabalhadores organizados de Florianópolis toma as ruas da cidade

A maior manifestação dos trabalhadores organizados de Florianópolis toma as ruas da cidade

O prefeito recém-empossado de Florianópolis alcançou um marco na cidade. Sua gestão capenga e sem caráter resultou na maior mobilização da história dos municipários e municipárias.

Publicamos abaixo artigo divulgado terça-feira (7/2), no site do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Florianópolis (Sintrasem), entidade dirigida por militantes da Esquerda Marxista.


Hoje a aula foi na rua! Parabéns, Gean Loureiro (PMDB)! O prefeito recém-empossado alcançou um marco na cidade. Sua gestão capenga e sem caráter resultou na maior mobilização da história dos municipários e municipárias de Florianópolis. Dez mil pessoas marcharam desde a Praça Tancredo Neves pela Avenida Mauro Ramos e Beira Mar Norte até o Terminal do Centro na Passeata Monstro, na tarde desta terça-feira (7/2). Não faltou animação e disposição para dialogar com a população e explicar por que o ano letivo não vai começar.

Em menos de um mês no cargo da prefeitura, Gean Lorota descumpriu com tudo que havia dito que faria. Redigiu e fez passar de forma arbitrária na Câmara de Vereadores quase 40 projetos de lei com ataques a população da capital catarinense. Junto ao Pacotão de Maldades foi aprovado a destruição do plano de cargos, carreiras e salários (PCCS) dos servidores municipais, retirando direitos conquistados em mais de vinte anos de lutas. Gean também aprovou a fusão dos fundos da previdência e mais um parcelamento da dívida patronal, entre outras maldades.

Gean, o recado está dado! Não adianta investir em uma comunicação mentirosa na mídia e no facebook. A resposta está nas ruas. A população está do lado dos trabalhadores que tornam possível o melhor serviço público do país. Não temos vergonha de falar a verdade: estamos lutando pela revogação das leis do Pacotão. Dialogar não é convocar o sindicato para fazer parte de uma comissão que nem deveria existir – para a criação de um novo PCCS. Dialogar com certeza não é chamar vereadores no meio do recesso para aprovar, durante as férias do magistério, medidas que incluíam até alterações no Plano Diretor. Estamos aguardando o diálogo real. E se ele chegar por meio de repressão, como da última vez, a nossa greve só vai aumentar. Política se faz assim: nas ruas!

Amanhã (8/2) passaremos o dia em roteiro nos locais de trabalho. Em breve divulgaremos a agenda da semana. O movimento está mais forte que nunca! Por nenhum direito a menos! Juntos somos mais fortes!

Deixe seu comentário

Leia também...

Estado máximo na ação de reintegração de posse do acampamento Novo Horizonte

Uma ação de reintegração de posse no assentamento Monte Alegre, em Araraquara (SP), foi realizada …