Início / Luta de Classes / A luta contra o aumento da tarifa de ônibus em Curitiba

A luta contra o aumento da tarifa de ônibus em Curitiba

No dia 05/02 os membros do Comitê Curitiba da Campanha “Público, Gratuito para Todos: Transporte, Saúde e Educação! Abaixo a Repressão!” participaram do 2º ato Contra o Aumento da Tarifa do transporte coletivo da capital paranaense e região metropolitana.

No dia 05/02 os membros do Comitê Curitiba da Campanha “Público, Gratuito para Todos: Transporte, Saúde e Educação! Abaixo a Repressão!” participaram do 2º ato Contra o Aumento da Tarifa do transporte coletivo da capital paranaense e região metropolitana. Com faixa, panfletos e palavras de ordem integraram-se aos demais jovens e trabalhadores que participavam da manifestação que percorreu as principais ruas do centro de Curitiba encerrando-se na frente da prefeitura.

Entenda a situação do Transporte Coletivo de Curitiba

A tarifa do transporte coletivo de Curitiba teve um aumento de R$ 2,70 para R$ 2,85 no final do ano passado e agora no início de 2015 o Prefeito Gustavo Fruet anunciou a elevação da tarifa para R$ 3,30 (dinheiro) e R$ 3,15 (cartão) e o fim da rede integrada. Um aumento de quase 20% em três meses! Mas não para por ai. Os empresários do transporte receberão aproximadamente R$ 3,60 por passagem. A complementação do valor será realizada pela prefeitura em forma de subsidio. Um verdadeiro roubo operado pela máfia do transporte e legitimado pelos gestores de plantão.

Os contratos que permitiram e aprofundaram essa situação foram firmados em 2010 por meio de uma licitação fraudulenta, orientada para favorecer três concessionárias ligadas quase que integralmente à família Gulin que irá operar o sistema nos próximos 25 anos. Se não bastasse, as empresas escamoteiam, manipulam e possuem o absoluto controle sobre os custos de operação do sistema. Ou seja, quem define o valor da tarifa em última instância são as empresas possibilitando uma lucratividade superior ao que está previsto na licitação (12% de administração e 5% de lucro). Fato expresso nos relatórios produzidos pelo Tribunal de Contas (TCE), CPI do transporte, URBS (Urbanização de Curitiba) e auditoria feita por sindicatos que apontam superfaturamento.

O primeiro para por fim a esse cartel, é a anulação da licitação realizada em 2010 e a Estatização do sistema de transporte coletivo sob o controle dos trabalhadores e usuários!

Próximo Ato

O próximo ato ocorrerá dia 10/02 (terça-feira) com concentração na praça Santos Andrade às 18h00. O Comitê Curitiba da Campanha “Público, Gratuito para Todos: Transporte, Saúde e Educação! Abaixo a Repressão!” estará novamente presente!

“Se a tarifa não baixar, Curitiba vai parar”

Deixe seu comentário

Leia também...

Escola Mundial da CMI: Celebrando o legado de 1917

Mais de 300 revolucionários de 20 diferentes países reuniram-se na Itália na última semana de …