Início / Artigos / Outras Análises | Ver Mais / Sindical / A “guerra” diária dos professores e sua greve no Rio de Janeiro

A “guerra” diária dos professores e sua greve no Rio de Janeiro

Por um morador chamado Bruno

Hoje podemos ver em todos  os jornais a notícia de que o governador do Rio de Janeiro, Sergio Cabral, cortará os pontos dos professores que estão em greve. Isso se dará por decisão do Desembargador Manoel Aberto dos Santos.

Os professores estão parados desde o dia 7 de junho e até agora só tiveram 2 reuniões com a SEEDUC (Secretaria de Educação- RJ). Uma categoria que tem bons professores que recebem R$ 765,66 por mês em péssimas condições de trabalho. Eles fazem mais que uma greve, fazem sim uma guerra diariamente.

Segundo um estudo do Dieese no estado há quadros de reajuste e valores da hora-aula diferentes das apresentadas pelo governo: o estado paga R$ 11,61 por hora ao docente em carreira inicial e com graduação, os municípios do Rio de Janeiro e Duque de Caxias pagam R$ 19,05 e R$ 30,09 respectivamente; no CAP-UERG é R$ 18,33 e em Pedro II R$ 17,07. O valor mínimo pago nas unidades particulares é de R$ 13,31 e o máximo chega a R$ 45,99. Ou seja: a hora-aula do estado é uma das piores do País.
A SEEDUC informou que em 2011 serão investidos 1,2 bilhões para todas as áreas da educação, e nada mais. Onde está o saldo positivo do caixa do estado? A SEEDUC informa que o impacto, com o reajuste de Junho/2011 para Julho/2011 passando de R$ 765,66 para R$ 836,10, será de 9,2% e pegando ativos inativos e pensionistas será de R$ 711,00 mi em 2011. Isso é irrisório. Perguntamos novamente. E onde está o caixa positivo do estado que o governador Sérgio   Cabral tanto fala? Certamente 1,2 bilhões não resolverão. Temos escolas sucateadas fazem décadas, professores mal remunerados há décadas.
Enquanto isso os professores em nosso país entram em sala de aula às 7: 00 h e só terminam sua jornada às 22: 00 h, sem tempo para estudarem e atualizarem-se, sem momentos de lazer.
O culto e a propaganda à qualidade de vida é moda aqui no Rio de Janeiro. Do jeito que o governo pinta a situação até parece que todos ganhamos bem e temos uma boa qualidade de vida, que todos estamos esperando a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Mas a verdade é que a maioria está vivendo mal, é mal paga. Esses eventos? Só os assistimos pela TV, e olha lá, quando sobra tempo.
Os professores estão a todos uma importante lição: parados, em greve, reivindicando 26% de reajuste salarial, fim da gratificação por mérito  e melhores condições de trabalho. Devemos todos aproveitar o fato de que a economia está crescendo, lutemos para crescermos todos juntos. Afinal a riqueza que é produzida pelos trabalhadores deve ser apropriada pela maioria e não por meia dúzia de pessoas.

Deixe seu comentário

Leia também...

Contribuição ao programa da chapa única de oposição do SATED/SP

As eleições do SATED/SP (Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculo de Diversão do Estado …

3 Comentários

  1. Óbviamente o salário do professor não é o ideal. Mas eu perguntaria: Que
    servidor público estadual possui um salário ideal?

    O professor estadual ganha cerca de R$765 por 16h de aula. Essa carga de
    trabalho semanal deixa espaço para uma segunda matrícula e ampliação da
    jornada. Contra-cheque de R$765, por 16h de trabalho está absolutamente
    dentro da renda do brasileiro, que tem renda média de R$1.400,00 para uma
    jornada de 44 horas semanais. Isso sem contar que o valor da hora/aula no RJ
    é de quase 11 reais

    O problema de fato é que o SEPE é extremamente partidário e tem seus
    candidatos, que ao passo que as eleições se aproximam, precisam aparecer,
    nem que isso custe o aprendizado dos alunos e o ponto dos professores.

    Comment 2
    R$ 765 reais por 16h de trabalho está muito bom. E ainda há gratificação.
    Quem trabalha 44 horas como todo brasileiro, certamente ganha bem mais que isso. E a hora aula bate mais de 10 reais.

    Puro oportunismo esse sindicato se apoiar nos bombeiros e vir fazer greve.

  2. Alunos pagando o pato para alimentar a politicagem de um sindicato
    reconhecidamente político, que precisa ao custo do aprendizado de milhares,
    expor seus nomes visando as eleições do ano que vem.

    Os professores deveriam fundar uma associação ou outro sindicato.

    SEPE busca melhoria pra si próprio.

  3. aos 3 comentários anteriores. Segundo o DIEESE o salário mínimo no Brasil deveria ser de mais de R$ 2000,00. Os sindicatos são instrumentos de luta dos trabalhadores e graças a eles, aos que lutam nossos trabalhadores ainda conseguem se manter um pouco acima do nível de miséria. Não podemos concordar que os professores ganhem bem…basta ver todas as estatísticas e concluiremos que é um dos mais baixos do mundo. O editor