Início / Teoria / 92 anos da Revolução Russa

92 anos da Revolução Russa

No nosso calendário, em 7 de Novembro completam-se 92 anos desde que os trabalhadores tomaram o poder na Rússia, sob direção do Partido Bolchevique.

Hoje, quando no Brasil o PT, o governo Lula e a maioria da direção da CUT, enveredaram-se para a prática da colaboração de classes, pregando um capitalismo de cara nova, controlado e menos selvagem, mais do que comemorar o 92º aniversário da Revolução Russa, é necessário resgatar os seus princípios e travar a batalha para colocá-los em prática.

Hoje, quando os esquerdistas aceleram o passo e buscam por sua própria via construir novas centrais e novos partidos, é necessário aprender com os ensinamentos do mais importante fato da história da humanidade: a Revolução Russa.

Trotsky, em seu livro “História da Revolução Russa” dizia:

“Nos primeiros meses de 1917 reinava na Rússia a dinastia dos Romanov. Oito meses depois estavam já no timão os bolcheviques, um partido ignorado por quase todo o mundo no início do ano e cujos chefes, no momento de subir ao poder, estavam sendo acusados de alta traição. A história não registra nenhuma mudança de direção tão radical, sobretudo se temos em conta que estamos diante de uma nação com cento e cinqüenta milhões de habitantes. É evidente que os acontecimentos de 1917 sejam quais forem o juízo que mereçam, são dignos de ser investigados”.

Para muitos pseudo-historiadores e críticos burgueses a Revolução Russa foi um golpe de estado, outros a explicam como derivada do ardil dos astutos conspiradores que manipulavam as mentes e corações de todo um povo.

Essas asneiras mitológicas beiram os limites da imbecilidade. Seus autores jamais se aventuram a explicar que os poderosos assensos das massas em fevereiro 1917 foram realizados com a mínima participação dos Bolcheviques.

Jamais se aventuram a explicar como que um partido, pequeno em Fevereiro, em Outubro de 1917 pode jogar um papel insubstituível na organização da tomada do poder.

Os charlatães nada explicam a esse respeito porque teriam de explicar que a Insurreição Armada só foi possível porque houve uma massiva participação das guarnições dos marinheiros, dos soldados, dos operários e camponeses. E isso nada tem que ver com golpes ou mentes matreiras de alguns dirigentes, mas sim com o salto qualitativo operado na consciência das massas.

Para que a revolução explodisse e o poder fosse tomado, foi necessário que as massas realizassem antes vários ensaios, foi necessário que elas rompessem com seu conservadorismo originado pela anestesia da burguesia, que mantinha a classe operária no mais alto grau de ignorância, atada aos pés das máquinas.

Para que a revolução ocorresse foi necessário que os camponeses pobres, rompessem com tradições e mitos herdados dos senhores feudais.

Trotsky já em 1905 escrevia que a revolução começava em um país, desenvolvia-se e tomava forma nesse país, mas que só seria vitoriosa e mantida se fosse desenvolvida e realizada em escala internacional, ou pelo menos nos principais países capitalistas.

Lênin, também internacionalista, desde cedo compreendeu que a classe operária só poderia ir adiante, se queimasse várias e sucessivas etapas, realizando sua experiência com os liberais e com os reformistas, mas sempre realizando alianças com os explorados e oprimidos, jamais se subordinando à opressora burguesia.

Lênin defendeu e construiu um edifício consciente e poderoso de homens e mulheres que voluntariamente se associavam não a um ou outro líder, mas sim a um programa, aos métodos e princípios do marxismo, ao socialismo científico de Marx e Engels, a um partido no qual, muitas e seguidas vezes Lênin ficou em minoria, respirando as polêmicas que certamente jamais eram adocicadas e embaladas no calor dos cafés ou cabarés parisienses ou de Nova York.

Durante longos anos as massas russas buscaram a via mais econômica, agarraram-se nas suas direções e partidos tradicionais que delas exigiam paciência e compreensão, lhes explicando os perigos de assaltar aos céus, empurrando-as para a via da conciliação e da passividade.

O método dos bolcheviques tratou sempre de fazer com que as massas vivessem e rompessem suas ilusões nesses dirigentes e partidos tradicionais, ora exigindo destes partidos que colocassem para fora do governo os ministros burgueses, ora golpeando na direção de que tomassem o poder. Era necessário sempre realizar a mais ampla unidade das massas.

Em Fevereiro de 1917 os Mencheviques e os Socialistas-Revolucionários eram ainda ampla maioria no movimento operário e camponês. Em Abril, Lênin formula a necessidade da ofensiva para tomar o poder (Teses de Abril), em Junho defende um recuo para evitar o golpe sangrento da reação, em Outubro de 1917 lança a palavra de ordem de “todo poder ao sovietes”. E só fez isso quando a maioria dos conselhos passou para a revolução e abertamente rompeu com seus dirigentes e partidos tradicionais.

Com a tomada do poder, inicia-se a difícil fase de reconstrução e planificação, sempre enfrentando a guerra civil e os exércitos dos mais poderosos países imperialistas e logo se enfrenta com as novas camadas de dirigentes que jamais haviam lutado, e que sob o comando do stalinismo, vão reintroduzindo as velhas teses do “socialismo em um só país” e da colaboração de classes; Teses combatidas por Lênin e depois pela Oposição de Esquerda, dirigida por Trotsky.

Leia mais sobre a Revolução Russa e o Legado de Trotsky na edição nº 25 do Jornal Luta de Classes.

Deixe seu comentário

Leia também...

Lições dos quatro primeiros congressos da Internacional Comunista

Discutiremos aqui os quatro primeiros congressos da Internacional Comunista (IC), ainda dirigidos por Lenin e …

Deixe uma resposta